domingo, 2 de abril de 2017

No adro da Igreja


Era assim.


Primeiro tirou-se o chapéu...


...e depois quase todo o resto.


Falta pouco para concluir a limpeza.

José Teodoro Prata
Fotos da Libânia Ferreira e do José Teodoro

sexta-feira, 31 de março de 2017

Agência da CGD em São Vicente da Beira



No ano 1989 já se falava que iria para a vila uma agência da Caixa Geral de Depósitos.
Em conversa que tive na altura com um funcionário do banco, disse-me que tinha havido mudança de director; com a nomeação do novo responsável, a abertura ou não cabia ao novo gestor.
Finalmente, em 1991, o semanário “Gazeta do Interior” nº 156 dedica uma página inteira à nova agência.
Na mesma altura, enviei algumas notícias para o Jornal do Fundão; -13 Setembro 1991-sobre alguns acontecimentos, entre eles dava conta da abertura da Caixa em São Vicente.
Já passaram vinte e cinco anos e “tal”, a Caixa não pode fechar, para além da distância que se encontra das agências mais próximas:- Fundão, 23 Km; Alcains, 20 Km; Castelo Branco, 28 Km-, serve alguns milhares de pessoas não só da freguesia como das freguesias limítrofes.
Já lá vão uns anitos, a certa altura disse-me uma pessoa natural e residente na vizinha freguesia de Ninho do Açor.
-Antes da haver banco em São Vicente tinha que apanhar a camioneta da carreira para Castelo Branco e perder pelo menos meio-dia. Agora apanho a camioneta da Partida e, enquanto vai à Partida e vem, vou ao banco, à farmácias, ao supermercado…. Em duas horas faço a minha vida e fica muito mais barato.
Exemplos destes acontecem amiúde.

J.M.S

quinta-feira, 30 de março de 2017

Não fecha?!

Acabo de ler no Diário de Notícias online: as agências que fecham são só 61 e da lista não consta a de São Vicente da Beira!

José Teodoro Prata

Ainda a delegação da CGD

Recebi do Bloco de Esquerda, enviado por Carlos Couto, um comunicado à imprensa sobre o anunciado fecho da agência da Caixa Geral de Depósitos, em São Vicente da Beira. O comunicado vem em PDF, pelo que não consigo aqui reproduzi-lo (nem é imprescindível).
Nele se informa de uma reunião já realizada no dia 27, segunda, com as juntas de freguesia de Tinalhas, Ninho + Sobral, Louriçal, São Vicente e Almaceda; da tomada de posição do deputado municipal Luís Barroso, na próxima Assempleia Municipal; e do questionamento ao Ministério das Finanças, por parte do deputado Pedro Soares, da Assembleia da República.

Dou aqui notícia deste comunicado, porque, em democracia, uma das formas de os cidadãos se fazerem representar é através dos partidos políticos. E também de opiniões pessoais, como uma das várias apresentadas pelo autor anónimo do comentário acerca da notícia do jornal Reconquista, aqui publicada.
Embora sejam duas tomadas de posição completamente diferentes, em vários aspetos, têm em comum (além da defesa da permanência da agência da CGD) a crença de que o problema é político e não de gestão financeira, que através da pressão política se poderá alterar uma decisão económica interna de uma empresa.
Duvido, mas tenho esperança de que estas tomadas de posição, políticas, ajudem a sensibilizar a empresa para considerar que também tem a ganhar com o respeito pelas comunidades que lhe confiam o seu dinheiro. 
Acho muito importante o comentário do Vítor Sousa, na publicação anterior a esta: a importância da unidade entre as freguesias, as ações conjuntas, as interajudas... Se perdermos esta batalha, pelo menos teremos ganho essa consciência, que poucos têm.

José Teodoro Prata

segunda-feira, 27 de março de 2017

Profissão: serrador

Numa vista de olhos recente pelos registos de batismo dos anos vinte e trinta do século passado constatei que muitos dos pais das crianças batizadas tinham a profissão de serrador. Eram muitos, principalmente no Mourelo, Pereiros, Partida, Violeiro e Vale de Figueira.
Achei interessante esta informação porque, entre outras coisas, nos dá conta da importância da floresta na economia da nossa terra e de como a madeira, talvez a par da pedra e do barro, foi um dos materiais de construção mais importantes de outros tempos.
Nesta ruína que encontrei há dias no Fundão, mas que podia ser por cá, podemos ver bem a quantidade de madeira que era necessária para construir uma casa, e como ela era imprescindível em todas as fases da sua construção: telhado, paredes, chão, portas, janelas, varandas…

   
Não sei se é por serem só materiais da terra e dizerem tanto do trabalho árduo dos nossos antepassados, mas ao olhar para estas ruínas sinto a mesma emoção de quando aprecio a obra de um grande artista.

M. L. Ferreira

sexta-feira, 24 de março de 2017

Balcão da CGD em São Vicente

O Jornal RECONQUISTA deste fim de semana traz duas notícias sobre o anunciado fecho do balcão da Caixa Geral de Depósitos na nossa terra: a tomada de posição das juntas de freguesia da zona, enviada à direção da Caixa, com entrevista ao Vítor Louro, e a carta de algumas pessoas sobre o mesmo assunto. O jornal refere ainda um folheto anónimo que por estes dias tem circulado em São Vicente, mas não o reproduz.


José Teodoro Prata

quarta-feira, 22 de março de 2017

Piscina, 1973

O Sr. Ministro da Educação Nacional concedeu um subsídio para a Piscina de São Vicente da Beira

Sua Ex.ª o Sr. Ministro da Educação Nacional exarou um despacho para concessão dum subsidio destinado à construção da Piscina em São Vicente da Beira. Ainda não sabemos ao certo qual o quantitativo da comparticipação inicial do Ministério Nacional da Educação, o que esperamos venha a concretizar-se dentro de pouco tempo. A Piscina enquadrada no futuro Parque Infantil e de juventude, está orçada em cerca de 600 contos. O Ilustre Ministro da Educação Nacional, Professor Dr. Veiga Simão, recebeu com agrado a petição feita por intermédio do Ex.º Presidente da Câmara Municipal a que deu deferimento imediato para a concessão de subsídio pelo mesmo Ministério.
A Vila de são Vicente da beira está naturalmente grata a S. Ex.ª e pede o máximo de generosidade para que tal obra seja em breve uma realidade nesta terra. As crianças e juventude, sobretudo, saberão ser igualmente gratas ao Governo da Nação perante uma Obra que virá trazer-lhes imensos benefícios à sua constituição física e moral.
O Pároco, promotor desta iniciativa está profundamente reconhecido ao senhor Ministro da Educação a quem saúda respeitosamente.

-           QUE FAZES AQUI?
-           ESTOU À ESPERA…

MAS MEU MENINO E VÓS OUTRO, QUEREIS SABER O QUE JÁ CHEGOU DE MUITO AMOR POR VÓS? ORA VÊDE:
O Senhor Ministro da Educação Nacional atendeu o nosso pedido e vai dar-nos uma ajuda substancial. Ele quer que os meninos das escolas aprendam natação. É vosso amigo. Temos também dum Senhor Doutor Holandez que nos tem ajudado muito, é o Sr, Dr. Hendrik de Rook. Pois este nosso querido benfeitor enviou-me 10 000$00 para a vossa Piscina. Deveis estar-lhe muito gratos e deveis rezar por ele para que tenha muita saúde a fim de vos dar ainda mais, que tem um coração muito generoso.
Mas os vossos amigos são muito, rezai por todos.
Se não vede:
Uma pessoa anónima: 1 000$00; mais do Sr. Afonso Costa (de Moçambique) com uma carta muito linda: 150$00; Da França do Sr. Albertino Duarte Martins: 50$00; da Sra. Aldina de Vires Caldeira: 2 000$00; e que nunca as mão lhe doam. Mas esta senhora entregou-nos mais 1 000$00; dos Srs. Gonçalves de Azevedo que estiveram de visita em sua casa. O Sr. Alípio Bau veio com uma nota de 50$00. O Sr. António de Jesus Candeias deu 50$00, o Sr. António de Jesus Craveiro 50$00, um anónimo com a mesma quantia de 50$00, é de Castelo Branco. Por mão própria o Sr. António Teixeira Governo: 100$00 e de igual forma e nota igual o Sr. António Prata Rodrigues Inês, o Sr. Adão Boaventura Caldas Costa: 50$00, o Sr. Domingos José Pedro: 150$00, que nos fez uma visita; o Sr. Domingos Candeias: 20$00; Sr. Francisco da C. Pereira de frança, 100400; de Angola uma carta e 500$00 do Sr. Francisco Duarte Leitão; Sr. Francisco Eduardo Candeias de Castelo Branco: 100$00; Sr. Francisco José Bau, mandou o seu filho visitar a sua terra, o que ele admirou e deixou 50$00. Mais 75$00 do Sr. Francisco Moreira Nicolau. Vieram apresentar-nos cumprimentos a família do Sr. Francisco Miguel que nos entregou 50$00; Sr. Francisco Nicolau do Rio deixou 20$00; Sr. Herminio de Matos Fialho entregou-nos pessoalmente 100$00 e de igual modo fez o Sr. Jaime Pedro, 100$00. O Sr. João da Conceição e Silva que muito sabiamente escreveu para o nosso <>, nunca esqueceu a terra do seu pai e que frequentou quando pequeno, pois aqui, está ele a ajudar os pequeninos com 1 000$00. O Sr. João Freixo Boavida, da Caparica 200$00 e mais 100$00 do Sr. João Fernandes, 100$00 do Sr. Joaquim Ambrósio (França), e também do Sr. Joaquim dos Anjos Candeias (Alemanha). O Sr. Joaquim dos Santos Caio (Lisboa), pelos seus netinhos Tiago e Melissa, 200$00, o Sr. Joaquim dos Santos Craveiro, 100$00. O Sr. Governador de Niassa, Moçambique, Sr. Coronel Guardado Moreira enviou-nos 1 000$00, o Sr. José Maria Gama com 100$00, o Sr. José Maria Lino: 50$00 e Sr. José Maria Patrício, também 50$00, mais 100$00 do Sr. José Martins e 200$00 da Sra. Laurentina Gama (Angola) e ainda 200$00 da Sra. D. Lúcia M. Lopes Agostinho, o Sr. Luís Martins que está na Bélgica deu-nos 50$00.
Tivemos muita satisfação em cumprimentarmos o amigo Sr. Manuel Marques dos santos que faz vida em Alcobaça e veio matar saudades a esta sua terra que já não via há largos anos, ele deixou-nos 100$00, também o Sr. Manuel Martins Paiágua, esteve connosco e ficaram por sua vontade, 200$00, mas há mais: Sra. D. Bárbara Marques Jerónimo, que nos visitou com o marido e filhinhos, vindos de França cá nos deixou 250$00. A Sra. D. Maria Emília Patrício de Lisboa também nos visitou e ofereceu 100$00 e a D. Maria do Carmo Cardoso entregou-nos 50$00, a Sra. D. Maria Fernanda Marcelino que está na Alemanha: 100$00, ainda 50$00 da Sra. D. Maria de Jesus Sousa Campos e mais 100$00 da Sra. D. Maria de Lurdes Cardoso de Lisboa. Entregaram-nos 50$00 a Sra. D. Maria Madalena Candeias Moreira, 200$00, o Sr. António Pereira que trabalha na Bélgica e 50$00 por portador a Sra. D. Maria Rosa Vitório. A Sra. Maria Teresa Craveiro Santos Nicolau enviou-nos do Brasil a linda conta de 1 000$00. Temos oferta de 20 francos do Sr. António Martins Lino, 100$00 do Sr. Miguel Hipólito Jerónimo e 120$00 do Sr. Lino Martins que nos visitou pessoalmente quando veio a Portugal. E a coisa por agora está quase a terminar.
São 100$00 do Sr. Anselmo Pereira, uma entrega pessoal de 500$00 da Sra. D. Maria Cunha Pignatelli Fonseca e mais 150$00 do Sr. José dos Santos Prata (França) que com a sua família nos fez uma visita ao nosso cartório. Para já é tudo, resta-nos prestar homenagem sincera a estes construtores dum São Vicente mais belo. Estou contente porque estais comigo. Um grande abraço do Pároco Amigo, muito reconhecido.


Do “Pelourinho”, dezembro de 1973
Jaime Gama