quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Estrada Nova

Não, não é a nossa Estrada Nova, construída nos anos 40 do século passado, em jeito de circular à Vila, para tirar o trânsito do centro e facilitar a passagem por S. Vicente da Beira.
Esta Estrada Nova é a do Marquês de Alorna, como também era conhecida. Passava nos limites da nossa freguesia, nos cumes da Gardunha, e é provável que os dois regimentos ingleses que estiveram em S. Vicente da Beira, em Julho/Agosto de 1811 (ver Invasões Francesas 4), seguissem por essa estrada antes de virar para a nossa terra.
O Marquês de Alorna que deu nome à estrada foi Pedro José de Almeida Portugal, comandante militar da Beira, em 1801, durante o conflito de Portugal com Espanha, no qual perdemos definitivamente Olivença. Este conflito, chamado Guerra das Laranjas, é já considerado um episódio da Guerra Peninsular, a que chamamos Invasões Francesas. A Wikipédia informa sobre ele:

«Tratando o governo de se preparar para a guerra, Alorna teve o comando das tropas que se uniram na Beira. Em vão requisitou mais forças, dinheiro e recursos indispensáveis para a defesa; seus pedidos tiveram somente promessas em resposta. Então, valendo-se do seu próprio crédito, abasteceu Almeida e, com a sua energia, conseguiu fazer das rochas do Monsanto uma praça de guerra, e construir na Guarda um forte com casamatas à prova de bomba, fortificou a posição das Talhadas com três redutos e outros entrincheiramentos, pôs o castelo de Vila Velha, um montão de pedras, em estado de se defender, levantando flechas e trincheiras, fez obras nos arredores de Sortelha e Celorico, criou um Hospital no Fundão, estabeleceu nesta vila, em Cardigos e Celoricos, armazéns para abastecimento das suas posições e com o fim do facilitar as comunicações para Abrantes, uma sofrível estrada, que ficou com o nome do estrada do marquês de Alorna…»

Esta sofrível estrada era a Estrada Nova, construída entre Cardigos e a Enxabarda, a fim de facilitar as comunicações de Abrantes para a praça-forte de Almeida.
Da Enxabarga, a Estrada seguia pelos cumes da Gardunha (Candal, Cigarrelho, Portela da Moreira e Zibreiro(Alto do Engarnal) e descia para a Foz do Giraldo, seguindo em direcção ao Estreito e depois para a Isna até Cardigos, onde se unia a uma estrada já existente.
Diamantino Gonçalves, o fotógrafo que descobriu as gravuras rupestres do Zêzere, na sua página da internet (http://www.dbgoncalves.com/terras_do_xisto.htm), onde descreve todo este vale do Zêzere (a que já me referi neste blogue, a propósito do P.e Branco), escreve sobre a Estrada Nova:

«Daqui tudo se vê, o vale da ribeira estende-se até à Panegral por detrás dela a eira dos Três Termos, lugar mágico de lutas terríveis durante as invasões francesas, que se estenderam ao Cabeço Zibreiro, por toda a Estrada Nova. Estrada construída em 1801 fazia parte do plano de preparação para a guerra, elaborado também pelo Marquês de Alorna, que mais tarde combateu ao lado das tropas de Napoleão, morreu na Rússia. A estrada nova era da maior importância para a estratégia militar da época. Pois encurtava muito a distância do Fundão a Tomar e ainda com ligações às estradas de Castelo Branco, Vila Velha e Abrantes. A estrada traçada pelo cume dos montes servia ainda para apoiar o (Telegrafo de Sinais) que chegou a funcionar de Lisboa a Almeida. Cada estação do telégrafo distava entre si 15.000 metros funcionavam com uma ou duas pessoas, mas tinham de ser montadas e abastecidas e defendidas. Dirigiu parte ou toda a sua construção, uma das maiores figuras da Beira daquele tempo: José Pereira Pinto Castelo-branco, (O mil diabos da Capinha) foi ajudante de campo do marquês de Alorna…»

Um autor francês anónimo deixou-nos o relato da passagem de uma coluna militar do Exército Francês, comandada pelo General Gardanne, que seguia de Almeida para Cardigos. No dia 24 de Novembro de 1810, escreveu:

«Le 24 on a suivi le Chemin d´Enchabardas(Enxabarda), mauvais village a 1/2 lieue de Castelleijo(Castelejo) e dans la même vallée. C´est la que commence réellement l´Estradanova(Estrada Nova), on monte d´abord pendant plus d´une heure pour arriver au sómet de la Serra dos tres termos(Eira dos Três Termos), mais les rampes sont bien mauvaises. Cette route est fort belle et suit constament les crêpes jusqu´à fogeraldo(Foz do Giraldo), mauvais hameau ou nait un ruisseau que se jette dans le Trepeito (Tripeiro)
(VICENTE, António Pedro – Manuscritos do Arquivo Histórico de Vincennes referentes a Portugal, III, (1807-1811), Paris, Fundação Calouste Gulbenkian, 1983, p. 317.)

Seguem-se extractos das Cartas 20-D e 20-B, do Instituto Geográfico e Cadastral, com a Estrada Nova assinalada a tracejado negro. Os mapas estão em sequência, um continua no seguinte. Deve clicar-se em cada um, para se conseguir percebê-los.


A Eira dos Três Termos era assim chamada, porque ali se encontravam os limites(termos) dos concelhos do Fundão, S. Vicente e Sarzedas. Nunca lá fui, pelo que não tenho a certeza absoluta da sua localização, mas tudo indica que seja no local indicado (à esquerda do nome).


O Zibreiro é o cume também chamado Alto do Engarnal.



Nota: O meu livro O Concelho de S. Vicente na Beira Guerra Peninsular tem, na página 49, um mapa com a Estrada Nova a passar junto a S. Vicente. Na altura, pensava que ela passasse por Almaceda, Partida, Paradanta, Vale D`Urso e Castelejo. Pelos documentos que entretanto fui consultando, sei agora que ela passava de facto perto, mas nos cumes da Gardunha.

2 comentários:

jose disse...

-É uma coisa incrivel.Ningu'em sabe
escrever Ingarnal-vou repetir
-INGARNAL-não custa nada e fica tão
bem chamar as coisas pelo nome.
-obrigado
-Jose Martins

Anônimo disse...

O NOME de Enxabarda fica munto bem
Quando se sabe que alguen la fora troçe por esta sua terra natal Enxabarda . Aonde este nativo que todo mundo cochece por sua simples pessoa quiz envestir no ano 2006 mais de 13.000000 € numa casa de repouso em normas trezomia 21 para idosos no lugar de Enxabarda se ve o amor por est terra vejem o blog www.avancatibaudosul.blogspot.com