sábado, 30 de dezembro de 2017

Do 2017 ao 2018

À semelhança do ano dois mil e dezasseis; dois mil e dezassete, chegou ao fim. Mais uma etapa das nossas vidas que se ultrapassou, outra começa.
Dois mil e dezassete já não é o folgazão de outrora, está cansado e triste; arrastando os pés entrega o testemunho ao ano novo dois mil e dezoito. Este, cheio de ilusões, entra com muito fogo-de-artifício, muto álcool e muitos festejos. Mas, cada dia que passa, dois mil e dezoito encontrará os mesmo obstáculos, os mesmos problemas, os mesmos desastres naturais, ilusões, tristezas e alegrias que o ano anterior.  
A natureza humana, desde que o mundo é mundo sempre engendrou ódios, guerras, invejas, perseguições ao semelhante, nosso irmão. Felizmente também existem pessoas de bem, que lutam e anseiam por paz, justiça, igualdade e fraternidade. O mundo cada dia que passa clama por amor.
Por culpa do homem, muitas pessoas irão sofrer horrores, passar fome, frio e sede, serão obrigados a abandonar a sua casa, a sua terra. Que horror…
O ano hidrológico dois mil e dezassete foi de seca extrema, terras sedentas de água, barragens secas ou quase. Os primeiros seis meses de dois mil e dezoito, serão mais chuvosos, as terras produzirão mais ervagem para os animais, os lavradores terão mais água para as suas actividades agrícolas
A vila de São Vicente da Beira irá ter um grande e valioso museu de arte sacra, ficará sedeado no antigo solar da Fonte, que pertenceu à família do escritor vicentino Hipólito Raposo, está a ficar uma beleza, assim como o seu quintal; vai ser o orgulho da nossa freguesia. Juntamente com o Pequeno Lugar, localizado na Partida, irão ser duas instituições vicentinas que muito nos orgulharão. Dois polos de atracção turística.



Todo este património, juntamente com outros monumentos, sejam eles naturais, paisagísticos… irão certamente atrair muitas pessoas à freguesia de São Vicente da Beira e freguesias vizinhas.
Ordem Terceira, Santa Casa da Misericórdia e Paróquia, conjuntamente com a Câmara Municipal de Castelo Branco em boa hora se uniram para que deixasse de haver três pequenos museus em São Vicente da Beira e passar a haver somente um grande museu que será o orgulho do concelho e da vila.
Sendo assim, o homem põe, mas Deus dispõe.
Ah! Nunca nos esqueçamos: Deus Super Omnia.

J.M.S

quinta-feira, 28 de dezembro de 2017

As nossas tradições de Natal


Fogueira de Natal, noite de Natal de 2015


Presépio da Menina Isaura, recriado pelo GEGA, Natal de 2014


Fazer as filhós, numa véspera de Natal da década de 70 
(a julgar pelas idades das raparigas da foto)


Presépio da Igreja Matriz de São Vicente da Beira, Natal de 2015


Concerto de Natal da Filarmónica Vicentina, Natal de 2015


Fogueira de Natal, noite de Natal de 2014


Auto de Natal do Rancho Folclórico Vicentino, Natal de 2016


Iluminação de Natal do Eusébio, na sua casa da rua das Laranjeiras, Natal de 2015


Presépio do Pequeno Lugar, Partida, Natal de 2014

José Teodoro Prata

domingo, 24 de dezembro de 2017

Natal, 2017


O presépio do Eusébio.


A fogueira na Praça.


Boas Festas!

José Teodoro Prata

sexta-feira, 22 de dezembro de 2017

Natal


O inverno está à porta, não tarda muito entra pelas nossas casas dentro. É a estação do recolhimento, do Natal.
Advento, quer dizer chegada, é o tempo que precede o nascimento do Menino, são quatro semanas de celebração e preparação até à noite da vigília, do nascimento, que se comemora com a missa do galo.
Não recordamos somente a vinda de Jesus ao mundo terreno, mas celebramos também o dia da família por excelência. É um tempo de paz e de amor entre todas as criaturas de boa vontade.
- Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens de boa vontade (Lucas 2.12).
Naquele tempo, Maria, esposa de José, deu à luz um Menino que marcou toda a humanidade, para os cristãos é uma festa importante por várias razões.
- Menino Deus que quis ser como nós, tinha trinta e três anos quando morreu num madeiro para nos redimir depois de andar por ai espalhando a Palavra da paz, do amor. Quando rezardes; rezai assim:
- Pai-nosso que estais nos céus…
Foi a única oração que Ele nos ensinou.
Para os nossos irmãos que não seguem Jesus é também para eles uma época festiva, mais não seja pela reunião de todos os membros da família, troca de prendas, e a mensagem de Paz e Amor que não pode deixar ninguém indiferente.
O mundo está precisando de Paz como o corpo necessita de comida.
Tanta miséria humana; fomes, crianças esgravatando no lixo tirando ao lixo os restos deitados para o lixo, não podemos ficar indiferentes.
Milhões de pessoas passam fome, sofrem doenças, vivem em casebres, vagueiam por aí fugidos da guerra que assola tantas partes da Terra.
Temos obrigação moral de ajudar quem abandona as suas casas e procura refúgio na Europa
São pessoas como nós. A fraternidade não pode ser uma palavra vã.
O Natal, é quando o Homem quiser, frase mais que batida; ponha-se em prática esta frase para que os deserdados da vida possam ter todos os dias algo com que mitiguem o estômago mas sem a caridadezinha que grassa por ai nestes dias.
Tempo de luzes, de alegria, que os grandes deste mundo aproveitam e transformam numa época consumista. As pessoas esfalfam-se por essas “catedrais” do consumo ver e comprar uma bugiganga que na noite santa do nascimento do Menino alguém vestido com um ridículo fato vermelho, disfarçado com umas longas barbas brancas, surge com um saco às costas e distribui embrulhos aos familiares.
As crianças olham embasbacadas: foi o pai natal…
O Menino não quis nascer na sua terra, não quis nascer na casa dos pais, escolheu um curral onde se recolhiam os animais.
Não foram somente os pobres pastores que correram ver o Menino trazendo-Lhe oferendas, vieram também poderosos; os magos ofereceram incenso, mirra e ouro. Epifania; gentios que O quiseram adorar e agraciar.
Quem não gosta de ver um presépio, sobretudo as crianças?
Que bom é ver reunida toda a família à volta da mesa na noite da consoada, enquanto existem tantas pessoas, tantas crianças por esse mundo sem terem uma côdea que lhes mitigue a fome.
São Francisco de Assis deixou-nos a tradição do presépio. Casas, igrejas, praças, largos; mais ou menos elaborado, eis o presépio.
Uma santo Natal!


J.M.S

quarta-feira, 20 de dezembro de 2017

Crianças reflorestam a Gardunha

A Junta de Freguesia de São Vicente da Beira, em colaboração com o Agrupamento de Escolas José Sanches e São Vicente da Beira, levaram a cabo, no dia 15 de Dezembro, uma iniciativa para a reflorestação da Serra da Gardunha: a criação de um viveiro na escola de São Vicente da Beira.
Com a colaboração dos alunos do pré-escolar, 1.° e 2.° ciclos, semearam-se várias espécies de árvores, como sobreiros, carvalhos e pinheiros, para posterior plantação.
Pretendemos incentivar e consciencializar os alunos a plantar árvores, depois de muitos deles terem visto de perto o fogo que tornou negra toda a Gardunha.
Depois desta iniciativa, a Junta de Freguesia  fará o seu próprio viveiro, com bolotas que foram recolhidas por vicentinos e as ofereceram com este objectivo.




Ana Isabel Jerónimo Patrício

terça-feira, 19 de dezembro de 2017

Gente nossa

Nome do requerente: Jerónimo Chaves
Estado: casado com Ernestina Vaqueiro
Filiação: Mariano Carrasco Lave e Henriqueta Argona 
Jaime da Gama

domingo, 17 de dezembro de 2017

Gente nossa, 1915



Filomena Duarte era filha de Augusto Duarte Leitão e Maria do Carmo, 
todos naturais do Casal da Fraga.

Jaime da Gama

quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

Ser cidadão

Acabo de ler o livro Sobre a Tirania - Vinte Lições do Século XX, de Timothy Snyder, um historiador dos Estados Unidos da América, publicado em Portugal pela Relógio D´ Água Editores.
Face à campanha eleitoral de Donald Trump, em 1916, e à emergência de regimes autoritários na Europa, até no seio da União Europeia, o autor achou por bem alertar os cidadãos do mundo para os perigos da tirania. A democracia não é um bem adquirido definitivamente, como tendemos a pensar, por isso há que perceber como surgiram os regimes tiranos no século XX, para os evitarmos no século XXI.
O autor, que considera a sua obra mais um panfleto do que um livro, apresenta-nos vinte lições que devemos tirar das ditaduras do século XX, estabelecendo constantemente paralelismos com a campanha de Trump e os regimes pré-fascistas que têm surgido na Europa.
Lições:
1. Não obedeças por antecipação
2. Defende as instituições
3. Cuidado com o Estado unipartidário
4. Responsabiliza-te pela face do mundo
5. Lembra-te da ética profissional
6. Fica alerta com os paramilitares
7. Sê prudente se tiveres de andar armado
8. Opõe-te
9. Estima a nossa linguagem
10. Acredita na verdade
11. Investiga
12. Faz contacto visual e conversa de circunstância
13. Pratica uma política corporal
14. Estabalece uma vida privada
15. Contribui para boas causas
16. Aprende com os teus semelhantes de outros países
17. Fica atento a palavras perigosas
18. Mantém-te calmo quando o impensável acontecer.
19. Sê patriota
20. Sê o mais corajoso que te for possível

Contra-capa
José Teodoro Prata

sábado, 9 de dezembro de 2017

Arquitetura tradicional do granito, Gardunha


Não me lembro dela. Escondida no meio das mimoseiras, só com o fogo ficou a descoberto.
Situa-se no alto de uma pequena elevação, entre a Barroca do ti Miguel da ti Laurentina e o Caldeira, perto do caminho para o Cabeço do Pisco, junto ao pinheiro manso.
Ao vê-la, parei o carro e fui fotografá-la:

 A abertura do forro faz lembrar velhos templos românicos.

 Do lado sul tem um curral entre a rua e a loja.

 Escavaram para ter pedra para a casa e aproveitaram o buraco para a loja.
O granito é de dente de cavalo (grão grosso).

 Vista dos lados sul e oeste.

Janela a lembrar seteiras, 
de um tempo em que nem todas as aberturas eram fechadas com portadas.

Lado oeste, entrada da casa.

Ao voltar ao caminho, cruzei-me com o meu padrinho e com os filhos João e Tó, a caminho da azeitona. Disseram-me que aquele monte, casa incluída, fora da ti Mari´Zé Afonso.
Em casa, a minha mãe contou-me que chegou a ir lá levar a merenda ao meu pai, que fez uns arranjos na casa. Quem lá morava era  a ti Áutua.
Gabei o sítio tão soalheiro, a arquitetura da casa e a sua solidez (sem uma rachadela). Ela olhou-me preocupada: "Não queiras comprar aquilo, aqui na terra as casas estão quase todas vazias, só moram duas ou três pessoas em cada rua!"
Esteja descansada, mãe. Não realizarei o sonho de acabar os meus dias sentado numa pedra soalheira, a olhar por umas cabritas. Mas que esta casa (e muitas outras que o fogo pôs a descoberto) valia a pena, isso valia! São já de um outro mundo, mas... Portugal está cheio de estrangeiros que se cansaram da agressividade da vida urbana e optaram por estes paraísos naturais das pequenas coisas.

José Teodoro Prata

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

A ocidente

PORTUGAL

Ó Portugal, Portugal
Meu berço, meu Lar Natal
Ó Portugal, Portugal
Terra dos meus progenitores
Ó Portugal, Portugal
Terra de sol, mar e sal
Minha Terra, meu berço
Onde se reza o terço
Terra de Santa Maria
Com ermidas caiadas de branco
No alto de morros penhascosos
Tão verdejantes e formosos
Terra de romarias
Bombos, pífaros e pandeiros
É Portugal nosso Lar
Estevas, pedras, giestais
Morros, charnecas, sei lá que mais
És meu solar, Portugal
Ai de quem te faça mal
Meu Portugal, meu berço
Terra da Senhora do terço.
Esteja onde estiver
No mar, no ar ou noutro local
Minha Pátria é Portugal
Terra monumental.
Foste Lusitana e romana
Árabe e castelhana
Mas tinhas que ser Portugal
Não és rica! Não faz mal
Tua riqueza está nas nossas mãos
No teu Povo forte e valente
Ai de quem se mete com a gente
Leva com a pá…
E mete-se no fogo ardente
És Portugal modesto, mas rijo
Unido, és vencedor
Unido, és criador
Unido, és valente
Rijo como o granito
Moreno e trigueiro
Sulcaste o mar navegando
Novas terras conquistando
Com outros povos te foste relacionando
Com eles te mesclando
Tua língua ensinando
Por lá ficaste morando
À sombra de Portugal
Novas terras desbravando
Outros frutos e sementes cultivando
Com outras religiões te foste misturando,
Novas culturas, adquirindo
Mas no fundo do teu coração
Portugal sempre foi por ti lembrado.
De vez em quando uma lágrima furtiva
Escorre cara abaixo, é a recordação
Das filhoses, das festas e folguedos
Da tua Terra Natal
Do teu Lar, do teu Portugal
Uma lágrima furtiva, salgada…
São saudades
Da água fresquinha da fonte
Do sino a tocar as trindades
Das ovelhas que passam
Balindo e chocalhando
Dos velhinhos na praça descansando
Das mães na igreja orando
Pelos seus que partiram
Para longes terras tratar da vida,
São tantas as saudades
Dos que deixaram a casinha.
Hoje cai uma telha, amanhã outra
No dia seguinte é a porta que se abre
Depois, um caibro apodrece
Outro, e outro…
A água entra na sonave
A madeira amolece
O que foi um lindo lar
Transforma-se em ruinas
Os donos partiram…
À noite nas esquinas
Vejo fantasmas a passear
As casas cheias de vida outrora,
Poderão ser um dia, ou não
Locais de peregrinação
Ou então
Algum cidadão
Resolve deitar a mão
Fazendo uma nova reconstrução
E os que partiram
Resta-lhes a recordação
Mas as saudades da sua TERRA NATAL
SERÁ SEMPRE PORTUGAL

Zé da Villa

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

Agora nós

Em 1640, duas regiões de Espanha, Portugal e Catalunha, revoltaram-se em simultâneo contra o poder centralizador de Madrid, insurreição orquestrada por Paris, de onde o Cardeal Richelieu mexia os cordelinhos da política internacional.
A nossa restauração vingou, mas a Catalunha não conseguiu a independência. Tenta agora outra vez e de novo acompanhada pelos lusitanos, mas desta só os da Gardunha.
Clicar no link abaixo e depois no canto inferior esquerdo clicar na Parte 2. Esperar um poucochinho, pois é logo no princípio (03:33) e vale a pena.

https://www.rtp.pt/play/p3143/e317792/donos-disto-tudo

José Teodoro Prata

quinta-feira, 30 de novembro de 2017

1 de dezembro

ERA UM VEZ DOIS IRMÃOS

Era uma vez dois irmãos
Um dia seguiram seus rumos
Nas partilhas, um ficou com a parte de leão
Mas tanto um como o outro
Para aumentar seu pecúlio
Tiveram que guerrear com o Islão
Durante muitos anos andaram com a espada na mão
Até se guerreava o cristão.
Iam muitas vezes ao fossado
Para talarem as terras de cultivo
Montados nos cavalos, faziam algara
Viam-se espadas por todo o lado
Um desconhecido, era um inimigo
Tempo desgraçado
De vez em quando lá se fazia um tratado
Através de casamentos
E os irmãos pegavam no arado
A espada era arrumada
Os homens cavavam com a enxada
A terra por todo o lado era arroteada,
Lavrada e semeada
E o povo de um e outro lado
Vivia feliz, contente
Eis uma nova desavença, gritavam
Santiago… e matavam
São Jorge…
E guerreavam
Destruíam e queimavam
Mas, os irmãos iam andando
Trabalhando e lutando
O tempo ia passando.
Um dia o rei Lusitano
Não seguiu o conselho do irmão castelhano
E foi para o deserto guerrear
Por lá morreu, que azar
Um cardeal começou a governar
Pouco tempo esteve a mandar
Morreu… mais um azar
Então o irmão mais abastado
Veio tomar conta do nosso bocado
E a Península voltou a ficar unida
O povo ia sofrendo calado
Porque de impostos era carregado
Aquilo não era vida.
Sessenta anos depois
Quarenta valentes finalmente
Destronaram a duquesa
Havia novamente rei nacional
No reino de Portugal
O outro irmão não se conformou
Durante muitos anos lutou
Até que um tratado se assinou
Ambos juraram amizade.
A partir desse momento a sociedade
Pode começar a construir
Com o tempo as desavenças foram-se diluindo
De mãos dadas, juntos, temos que avançar
Só assim podemos conquistar
A riqueza, o bem-estar
Então, todos devemos colaborar.
Portugal, Espanha, dois irmãos fortes e valentes
Chegou a hora de mostrarmos ao mundo
Quase todo por nós descoberto
É mais o que nos une
Que aquilo que tanto tempo nos separou
Nossos santos, heróis e guerreiros
Nas suas tumbas se alegrarão
Possamos finalmente dizer;
Sou português, sou espanhol
Sou Ibérico, pois então
Por isso tu és meu irmão

Zé da Villa

terça-feira, 28 de novembro de 2017

Gente nossa

O Padre José Antunes, meu colega e amigo do tempo do seminário do Tortosendo, nas suas andanças pelo mundo «Em Macau, ao visitar a igreja do Seminário de São José, na fachada da entrada vi uma lápide que menciona o bispo João Ramalho. Como ele era natural de São Vicente da Beira  tirei uma foto.»
E enviou-ma, pois ele, natural do Maxial do Campo, também visita o nosso blogue.




Diz-se que quem não sabe latim fica assim, mas não é verdade, pois o latim é a nossa língua-mãe e por isso parecido com o português.
Transcrição das 7.ª, 8.ª e 9.ª linhas: 
D.(?) Dom João de Deus Ramalho Sociedade de Jesus
Bispo de Macau
Ano de 1953

José Teodoro Prata

segunda-feira, 27 de novembro de 2017

A Igreja Matriz

A 3 de maio de 1829, a Igreja (capela, no dizer o vigário da época) da Misericórdia de São Vicente da Beira funcionava como Matriz, segundo o registo de batismo que a seguir se apresenta (linhas 9 e 10).
Datam destes anos do século XIX as obras de ampliação da nossa Igreja Matriz, como se pode verificar pela data inscrita por cima do pórtico principal.


José Teodoro Prata

sábado, 25 de novembro de 2017

Gente nossa

Global Mosquito Alert: NASA DEVELOP Project Partners Handoff

O programa DEVELOP, parte do Programa de Ciências Aplicadas da NASA, aborda questões ambientais e de políticas públicas através de projetos de pesquisa interdisciplinares que aplicam a lente das observações da Terra da NASA às preocupações da comunidade em todo o mundo. Colocando o fosso entre a Ciência da Terra da NASA e a sociedade, o DESENVOLVIMENTO cria capacidade tanto em participantes quanto em organizações parceiras para melhor prepará-los para enfrentar os desafios que enfrentam a nossa sociedade e as gerações futuras. Com a natureza competitiva e o crescente papel societário da ciência e da tecnologia no local de trabalho global de hoje, o DEVELOP promove um corpo adepto de cientistas e líderes do futuro.
No Outono de 2017, o Programa de Inovação de Ciência e Tecnologia do Wilson Center se associou com outros membros do Global Mosquito Alert Consortium (GMAC) em um projeto, Taking a Bite Out of Mosquito-Disease: mapeamento e monitoramento de doenças transmitidas por vetores na Europa Ocidental.
As doenças transmitidas por vetores são conhecidas por serem desenfreadas por países em desenvolvimento, no entanto, eles estão se tornando cada vez mais comuns em áreas desenvolvidas do mundo. Nos últimos anos, a Europa Ocidental tem crescido em surtos de doenças transmitidos por vetores. Em resposta a esta preocupação, pesquisadores, cientistas cidadãos e várias organizações internacionais estão trabalhando juntos para monitorar habitats e áreas de reprodução de mosquitos. Mesmo assim, prever e prevenir surtos continua a ser um sério desafio. A equipe da NASA DEVELOP combinou as observações da Terra da NASA com dados de ciência cidadã para criar uma metodologia e mapa de adequação do habitat para auxiliar os usuários finais no monitoramento e mitigação de surtos de doenças transmitidos por vetores.
Linha traseira: Victor Lenske, Alison Thieme, Aaron Warga, Doug Gardiner
Primeira linha: Luísa Gama da Silva, Sara Lubkin, Gia Mancini, Helen Plattner

Durante a transferência do projeto, 3 membros da equipe NASA DEVELOP apresentarão a pesquisa que realizaram durante o período de 10 semanas e entregarão os resultados de suas pesquisas aos parceiros do projeto. Gia Mancini, Doug Gardiner e Luísa Gama da Silva são membros do projeto de 10 semanas de Europa da Saúde e Qualidade do Oeste com o programa NASA DEVELOP no Goddard Space Flight Center. Gia Manicini se formou na Universidade Estadual de Ohio com um diploma em Meio Ambiente e Recursos Naturais e é o líder do projeto para este período de outono. Doug Gardiner é atualmente um aluno de mestrado na Universidade George Mason, estudando Estudos Interdisciplinares com uma concentração em Energia e Sustentabilidade. Luísa Gama da Silva graduou-se na Universidade de Boston com licenciatura em Ciência Ambiental e Energia Sustentável. Juntar-se à equipe para a apresentação será a Dra. Sara Lubkin, que recebeu seu doutorado em Geologia da Cornell e é o Centro Assistente do Centro e um Coordenador de Coordenação do Projeto para DESENVOLVER.
Este Wilson Center está animado para trabalhar com a NASA neste importante esforço.

Genologia de Luísa Gama da Silva, Washington DC:
Filha de: Ednaldo Araquém Silva, João Pessoa - Brasil e de Rita Maria Craveiro Parreira da Gama, Lisboa
Neta de: Artur Manuel Parreira da Gama, Alcácer do Sa,l e de Maria Ângela Alves de Sousa Craveiro, Oliveira do Bairro (pais de Rita Maria Craveiro Parreira da Gama).
Bisneta de: Francisco Gama, São Vicente da Beira, e de Adelaide da Conceição Villa-Boim Parreira, Alcácer do Sal (pais de Artur Manuel Parreira da Gama).
Bisneta de: António de Jesus Craveiro, São Vicente da Beira, e de Aida Alves de Sousa, São Vicente da Beira (pais de Maria Ângela Alves de Sousa Craveiro).
Trineta de: Manuel Martins Gama, São Vicente da Beira, e de Maria Emília Alves de Sousa, São Vicente da Beira (pais de Francisco Gama).

Jaime da Gama

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

Casal da Serra: o Cavaco

Quem atravessa o Casal da Serra e continua a subir pela Gardunha, vai encontrando ao longo do caminho muitas casas espalhadas pela encosta. Depois do incêndio ficaram mais visíveis, mas, mesmo assim, feitas da pedra da Serra, confundem-se com a paisagem. Algumas estão dispersas e isoladas; outras formam pequenos casais onde viveram várias famílias ou gerações da mesma família.


Um desses casais é o Cavaco. São meia dúzia de casas, atualmente todas desabitadas, mas dizem que já houve tempos em que os que lá moravam eram mais que os que agora vivem no Casal da Serra. Eram quase todos da família Serra e dos Jacintos; tiveram muitos filhos que agora andam espalhados por esse mundo fora.
Quem lá morava, era quase auto-suficiente. Produziam de tudo para casa, nas hortas e lameiros que por lá abundam; e havia água com fartura para as regas.



Também havia muitos castanheiros. Produziam bem, e as castanhas, frescas ou piladas, ajudavam a encher a barriga ao longo de quase todo o ano.


As casas tinham dois pisos: por baixo guardava-se o gado, cabras e vacas, e por cima viviam os donos. Na eira, mesmo em frente, secavam-se e malhavam-se os cereais.


Os porcos viviam nas furdas, mesmo ao lado das casas; e as galinhas andavam na rua, a comer o que apanhavam, que lá nisso não são esquisitas…


Mas, à noite, eram fechadas. Aproveitavam-se os vãos das escadas e dos balcões para as proteger dos lobos e das raposas, que havia muitos, naquele tempo.

Vidas simples, mas trabalhosas, das quais só se saía aos domingos, para ir à missa.
Não me parece que o Francisco Sarmento [rever publicação Incêndios: um outro olhar] queira recuar tanto quando diz que temos que mudar o nosso modo de vida se queremos salvar o planeta, mas alguma coisa tem que ser feita. Também fico escandalizada que nos supermercados portugueses haja tanta carne, fruta e legumes que dão quase a volta ao mundo para cá chegar. Penso que não é assim tão difícil combater estas práticas: basta não comprarmos esses produtos e escolher o que é nacional. O problema é que somos quase todos muito pobres para podermos fazer essas opções. Pobres na carteira e no espírito, e por isso também ainda deitamos o lixo para o chão…

M. L. Ferreira

terça-feira, 21 de novembro de 2017

Roque Lino, uma vida


Foto dos fundadores do Partido Socialista.
O Roque Lino é o terceiro, em cima, a contar da esquerda.


Assinaturas dos fundadores do Partido Socialista.
Fonte das duas imagens: Ditadura e Revolução, Maria João Avillez.


O Roque Lino, em São Vicente da Beira, a colar um cartaz do Partido Socialista, na Rua do Beco, junto à Praça, a 8 de setembro de 1985, uma semana antes das Festas de Verão (que nessa época ainda eram no 3.º fim de semana de setembro).


Festas dos Josés, a 19 de março de 1983, em São Vicente da Beira.
O Roque Lino pega no andor de São José, na frente, à esquerda.

José Manuel dos Santos

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Homenagem

Homenagem a quem partiu

É bela a memória que sobrevive
A alguns escombros do passado
Quando ela ressuscita quem vive
Do injusto esquecimento libertado.

São tantas as memórias de outrora
Que resistiram à erosão da idade
Que quero recordar hoje e agora
Os que me moldaram de saudade.

Acordaram-me a lembrança dos amigos
Que construíram a minha liberdade
Em tempos idos e já antigos.

Que este tempo novo que vivemos
Quase ignora a luta e a fraternidade
De quem já partiu e que perdemos.

(Roque Lino, Retrato Intemporal)

Nota: Faço minhas as palavras do José Barroso, em comentário da anterior publicação: São Vicente acaba de perder um amigo, um dos seus filhos que não resistiu ao chamamento da mãe-gardunha e escolheu passar connosco parte dos dias dos seus últimos anos.

José Teodoro Prata

sábado, 18 de novembro de 2017

Roque Lino, 1938-2017

 
Foto dos fundadores do Partido Socialista, em 1973, na Alemanha. 
O Roque Lino está imediatamente à direita de Maria Barroso.

Partido colocou a sua bandeira a meia haste e expressou "profundo pesar pela morte do seu fundador e militante 32"
O PS decidiu colocar esta quinta-feira a sua bandeira a meia haste pela morte de um dos seus fundadores, Roque Lino, de 79 anos, antigo secretário de Estado para a Comunicação Social no segundo Governo de Mário Soares.
Em comunicado, a direção do PS expressou "profundo pesar pela morte do seu fundador e militante 32, José Maria Roque Lino", antigo deputado, advogado de profissão e destacado opositor ao regime do Estado Novo.
Como forma de honrar a memória de Roque Lino, a direção do PS "deu instruções para a colocação bandeira do PS a meia haste nas suas sedes".
"Participante na reunião fundadora do partido, em 1973, na Alemanha, Roque Lino constituiu-se ao longo da sua vida numa referência do PS, tendo evidenciado sempre no exercício das mais diversas funções o seu apego aos valores do socialismo democrático e do humanismo", salienta-se no comunicado.
A morte de Roque Lino, para a direção deste partido, constitui "uma perda para o PS, para os socialistas e para todos os democratas".
"Neste momento de perda, partilhamos com todos os camaradas a nossa mais sentida dor, transmitindo à sua família a solidariedade do Partido e dos socialistas portugueses. A vida de José Maria Roque Lino constitui mais um poderoso testemunho do contributo dos socialistas para a construção do Portugal democrático e de uma sociedade mais justa", acrescenta-se no mesmo comunicado.
Diário de Notícias 

Jaime da Gama

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Véspera do São Martinho

No tempo dos meus Avós e Pais era tradição na véspera de São Martinho ir tocar chocalhos à porta dos Senhores mais abastados da Vila, para que eles dessem um copo do seu vinho novo.
Poucos eram os que acediam ao toque dos chocalhos e aos pedidos dos Vicentinos mais novos, que não tinham outras opções senão ir saciar a sede à Fonte Velha ou, se tivessem alguns tostões no bolso, irem beber o copo de vinho a uma das tabernas existentes na Vila.

Anos mais tarde…
Eu, criança e jovem e os meus Pais, mantínhamos a tradição de ir tocar os chocalhos.
À noite depois do jantar, íamos tocar o chocalho à porta dos familiares mais próximos.
Éramos recebidos com enorme alegria e convidados a entrar para provarmos o vinho novo acabadinho de sair do pipo, a doce jeropiga, as castanhas cozidas ou assadas, as passas de figo, o pão e os bolos caseiros, o queijo fresco e a chouriça assada na brasa.
O serão era passado à lareira, contando histórias de outros tempos e “viveres” do dia-a-dia.
Aos poucos o sono ia chegando e era enorme o meu esforço para manter os olhos abertos e regressar a casa pelo meu próprio pé.
Regressávamos já noite alta, com o ar fresco da Gardunha a tocar-nos o rosto e a promessa: o próximo serão familiar seria nas Janeiras.
E voltávamos e visitávamo-nos, sempre.
Mas os anos passaram e a vida com as suas leis mais duras e os seus percursos mais dolorosos fez com que partissem os familiares de tantos momentos felizes.

Hoje é véspera de São Martinho e não sei se algum Vicentino mantém a tradição de ir tocar os chocalhos.
Por mim, estou em silêncio no meu cantinho e volto atrás no tempo…
Guardo em mim o som do toque do meu chocalho e no coração as memórias e as saudades do tempo que não volta atrás.
Tempo de criança, tempo de alegria, de convívio e de partilha.
Tempo…
Tempo que foi e é meu.


Luzita
10/Novembro/2012