quarta-feira, 20 de setembro de 2017

Desenhar a nossa terra




A iniciativa, de âmbito nacional, é promovida pela Direção Geral do Património e chama-se Riscar a Gardunha.
No passado, realizou-se noutros pontos do nosso concelho. Este ano é na nossa serra: Louriçal, Casal da Serra e São Vicente.
A ação insere-se nas Jornadas Europeias do Património, a decorrer este fim de semana.
Almoçam na nossa Mila e desenham os nossos recantos mais bonitos.
Desejo que alguns vicentinos se juntem à iniciativa. Eu não sou de desenhar, mas talvez por lá apareça.

José Teodoro Prata

domingo, 17 de setembro de 2017

A adua dos porcos

Relação de pessoas que trouxeram porcos na adua, no mês de março, e da quantia que lhes pertence pagar por mês


Francisco da Conceição – 1 porco, 90 réis
Joana Mesquita – 1 porco, 90 réis
João Domingues Covinhas – 1 porco, 90 réis
Rita do Nicolau – 2 porcos, 120 réis (a 60 réis cada um)
Maria de Jesus Preta – 1 porco, 60 réis
Viúva de Manuel Duarte Durão – 1 porco, 60 réis
José Simão – 2 porcos (que morreram), 2 meses, 120 réis (cada porco a 30 réis)
Catarina Geraldes – 1 porco, 90 réis
António Simão – 1 porco, 90 réis
Maria Vitório – 1 porco, 60 réis
António Matias – 1 porco, 90 réis
Gregório Fernandes – 1 porco, 60 réis
José Ramalho – 1 porco, 60 réis
Mariana Canuto – 1 porco, 90 réis
Damião Alves – 1 porco, 60 réis
Francisco Miguel – 1 porco, 2 meses, 30 réis
Maria Ramalho – 1 porco, 90 réis
José Claro – 1 porco, 90 réis
Francisco de Oliveira – 1 porco, 30 réis
Luís Patrício – 2 porcos, 120 réis
Manuel Barroso – 1 porco, 30 réis
António Rodrigues – 1 porco, 60 réis
António da Costa – 1 porco, 90 réis
António Dias – 1 porco, 90 réis
António de Oliveira – 1 porco, 60 réis
Domingos de Oliveira – 2 porcos, 120 réis
Manuel Patrício – 1 porco, 90 réis
José Hipólito – 1 porco, 60 réis
Maria Inês – 1 porco, 30 réis
Manuel Bernardo – 1 porco, 90 réis
Berardo Leitão – 1 porco, 90 réis
António Lobo – 1 porco, 90 réis
Francisco Eustáquio – 1 porco, 60 réis
Ana Emília – 1 porco, 30 réis
António Marques – 1 porco, 90 réis
Joaquim da Silva – 1 porco, 90 réis
Manuel Calmão – 1 porco, 30 réis
João Fernandes – 1 porco, 30 réis
Ana Leda – 1 porco, 30 réis
Isabel Santinha – 2 porcos, 180 réis
Jacinto Nunes – 1 porco, 90 réis
António Claro – 1 porco, 30 réis
Josefa Leda – 1 porco, 90 réis
António Moreira – 1 porco, 90 réis
Agostinho Bernardo – 1 porco, 30 réis
Cândida Leitão – 1 porco, 30 réis
Joaquim Moreira – 1 porco, 90 réis
Joaquim Rocha – 1 porco, 90 réis
António Ramalho – 2 porcos, 2 meses, 120 réis
João Castanheira – 2 porcos, 180 réis
Joaquim Hipólito – 1 porco, 90 réis
Maria Balbina – 2 porcos, 180 réis
Manuel Pereira – 4 porcos, 2 meses, 240 réis
José Matias – 1 porco, 90 réis
Su.al Britos – 1 porco, 60 réis
Maria Mateus – 1 porco, 90 réis
João Fernandes do Gregório – 1 porco, 60 réis
Jacinta Tomásia – 1 porco, 30 réis
Mara da Ponte – 1 porco, 90 réis
José Bernardo – 1 porco, 60 réis
José Gomes – 1 porco, 60 réis
António Mateus – 2 porcos, 2 meses, 120 réis
João Leitão – 1 porco, 2 meses, 60 réis
José Ramalho – 1 porco, 2 meses, 60 réis
António Castanheira – 3 porcos, 90 réis, 270 réis
José Fernandes moleiro – 2 porcos, 2 meses, 120 réis
João Mesquita – 2 porcos, 2 meses, 120 réis
Antónia Candeias – 1 porco, 30 réis
António Cardoso – 1 porco, 2 meses, 30 réis
Batista dos Santos – 2 porcos, 120 réis
José da Silva - – 1 porco, 60 réis
Joaquim Ramos – 3 porcos, 2 meses, 90 réis
Ana Rita – 1 porco, 2 meses, 60 réis
Margarida Antónia – 1 porco, 30 réis
António Peres – 1 porco, 60 réis
Manuel Vitório – 1 porco, 2 meses, 60 réis
Leonor Maria – 1 porco, 2 meses, 60 réis
João Vitório – 1 porco, 2 meses, 60 réis
Pulquéria de Boa – 1 porco, 2 meses, 30 réis
João Nogueira – 1 porco, 2 meses, 30 réis
António Tomás – 3 porcos, 270 réis
Inácio Moreira – 1 porco, 60 réis
Maria Calmão – 1 porco, 90 réis
Ana Eustáquio (viúva)  1 porco, 90 réis

Entregou Joaquina Henriques, por conta deste rol, no dia 30 de julho, dois mil, trezentos e vinte réis(?) – 2$320(?)

Notas:
- Há várias incoerências nesta listagem, sobretudo apontamentos colocados à margem que temos dificuldade em interpretar, cerca de 150 anos depois (pelas pessoas identificadas, situaria o documento no 3.º quartel do século XIX – 1850-1875).
- A adua era a pastagem coletiva dos porcos, nos terrenos baldios (Devesa, Carquejais…). A Câmara teve durante centenas de anos uma porqueira (quase todos os nomes que fui encontrando eram de mulheres, mas também houve homens) que diariamente saía com todos os porcos dos vizinhos, pagando cada vizinho um tanto por mês. No ano desta listagem seria Joaquina Henriques? É estranho ser a porqueira a cobrar o pagamento, mas as mulheres não ocupavam cargos administrativos.
- Para pagamento, parece ter havido 4 categorias de porcos, certamente consoante o tamanho, pagando cada uma um valor diferente: 15, 30, 60 e 90 réis (alguns dados da listagem são contraditórios).
- Além da prática da adua, o interesse deste documento reside no nome dos chefes de família de São Vicente, naquela época. Faltam cá os nomes que costumo publicar noutras listagens, mas esses eram os mais ricos, com espaços para criar os seus porcos, sem recorrer à vara coletiva.
- O documento não está datado, nem assinado, à semelhança de outros que ultimamente tenho publicado. É que ele está na posse de um particular (tenho uma cópia), fora do lugar onde seria analisado e inserido junto da documentação a que pertence - O Arquivo Distrital, neste caso de Castelo Branco.

José Teodoro Prata

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

Estradas romanas

http://sashat.me/wp-content/uploads/2017/06/roman_roads_24_jun.png

É extraordinária a cobertura completa de tão vasto território que os romanos conseguiram fazer.
Algumas vias romanas coincidem com autoestradas atuais.

José Teodoro Prata

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Maria da Luz

A minha mãe fez 90 anos e reunimos a família na Tapada, o nosso mundo da infância.
A festa durou dois dias e só não se prolongou porque o fim de semana acabou.
É o que dá virmos da fronteira com a Charneca e termos vários charnecos na família, no passado e sobretudo agora.
Foi bonita a festa!


video

José Teodoro Prata

domingo, 10 de setembro de 2017

Mais Maiores Contribuintes

A listagem que se segue não está datada, mas situar-se-á entre 1843 e 1850, tal como a lista anteriormente publicada. Mas é certamente posterior a ela. As informações relativas ao Ninho estarão na parte de Tinalhas (Fernando da Costa), assim como as do Freixial do Campo (o património de João Duarte Simões dividia-se entre Tinalhas e o Freixial).

CONCELHO DE SÃO VICENTE DA BEIRA
Relação dos maiores contribuintes de décima

Almaceda
Domingos Gomes – 7$026
José Bernardo Ribeiro – 9$268
São Vicente da Beira
João António Ribeiro Robles – 10$768
Bonifácio José de Brito – 8$830
Francisco António de Macedo – 8$000
João Pereira de Carvalho – 10$600
João Ribeiro Garrido – 19$976
João dos Santos Vaz Raposo – 7$070
José Maria de Moura Brito – 6$602
Manuel Martins Dâmaso – 7$630
Nogueira (?) – 4$040
Póvoa de Rio de Moinhos
Francisco José Dias de Oliveira – 11$184
António Joaquim de Carvalho – 7$516
Doutor António Luciano da Fonseca – 45$810
Bernardo da Silva Carrilho Marques – 8$864
Francisco António de Matos – 7$224
Francisco Duarte Carrilho – 7$200
José Alves de Azevedo – 4$218
Tinalhas
José do Espírito Santo – 3$740
Fernando da Costa – 11$510
João Duarte Simões – 12$015
Joaquim Augusto de Magalhães – 8$060
José Coutinho Barriga – 63$388
José Inocêncio Lalanda – 104935
Sobral do Campo
João Paulo do Rosário – 6$440
José Vaz Duarte – 6$110
Luís de Proença – 8$145
Manuel Ramos de Proença – 12$545
Manuel Ribeiro do Rosário – 7$452
Padre Sebastião Bernardo Ribeiro – 8$722
Louriçal do Campo
João António Ribeiro Gaspar – 9$530
Manuel António Ribeiro Gaspar – 9$142
Manuel Ramos Preto – 45$737
Padre Manuel Alves – 5$048

José Teodoro Prata

sexta-feira, 8 de setembro de 2017

Os Maiores Contribuintes

Concelho de São Vicente da Beira
Os maiores contribuintes da décima
Manoel Ramos Pretto (Louriçal do Campo) – 36$698
Doutor António Luciano da Fonseca (Póvoa de Rio de Moinhos) – 30$413
Bonifacio Joze de Britto (São Vicente da Beira) – 14$560
Francisco Joze Dias de Oliveira (Póvoa de Rio de Moinhos) – 12$341
Joaõ dos Santos Vaz Rapozo (São Vicente da Beira) – 10$450
João Pereira de Carvalho (São Vicente da Beira) – 10$235
Antonio Joaquim de Carvalho (Póvoa de Rio de Moinhos) – 7$900
Francisco Carrilho Marques (Póvoa de Rio de Moinhos) – 7$753
Francisco Antonio de Matos (Póvoa de Rio de Moinhos) – 6$954
Alexandre Barboza (?)– 6$592
Jacinto Ventura Netto (?)– 6$392
Joze Vaz Duarte (Sobral do Campo) – 5$670
Alexandre Joze Alves (?) – 5$068

Notas:
- 36$698 lê-se: trinta e seis mil, seiscentos e noventa e oito réis.
- A décima era um imposto que incidia sobre o valor das casas, terrenos, emprego, dinheiro a juros... Corresponderia hoje ao IRS, ao IRC, ao IMI... 
- Esta listagem não vem datada, mas podemos situá-la entre 1843 e 1850: 1843, porque nela consta João Pereira de Carvalho, o bisavô pela linha materna dos irmãos Pereira dos Santos (Inácio, Alexandre, Manuel, Zeca…), notário, natural das Sarzedas, que veio trabalhar para São Vicente e cá casou, em 1843, com uma filha do Bernardo Ribeiro Robles; 1850, pois nesse ano faleceu o Doutor António Luciano da Fonseca, o maior contribuinte da Póvoa de Rio de Moinhos.
- A elaboração desta listagem estaria relacionada com o sistema eleitoral liberal, que era censitário, isto é, os direitos a votar e ser eleito dependiam dos impostos pagos por cada um.
- Há uma lacuna nesta listagem relativa a Tinalhas: aparentemente não aparece ninguém. Numa listagem idêntica que publicarei dentro de dias, já aparecem os maiores contribuintes da décima desta freguesia, incluindo o homem mais rico do concelho, Joze Coutinho Barriga, visconde de Tinalhas.

Aviso: Notas alteradas a 10.09.2017, com base em informação da Doutora Benedita Duque Vieira, relativa à data de óbito do Doutor António Luciano da Fonseca.

José Teodoro Prata

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

O nome Paiágua

O cura de Almaceda escreveu, nas Memórias Paroquiais de 1758, Paygago.
A 14 de setembro de 2013, publiquei a lista dos batismos de 1800, na freguesia de São Vicente da Beira.
Alguns familiares da bebé Maria eram naturais da Paiágua e o cura escreveu num sítio do registo de batismo Pay Agoa e noutro Pay d`Agoa.
Hoje encontrei este registo de 1825 e o cura usa um termo muito próximo do nome atual: Paagoa.


José Teodoro Prata

segunda-feira, 4 de setembro de 2017

Estrela de David

Com a morte de Saul, os israelitas proclamaram David seu rei. Este conquistou Jerusalém transformando-a na sua capital. A Arca da Aliança ficou na cidade que se transformou no centro religioso do povo hebreu. Salomão, filho do rei David, com a morte de seu pai, sobe ao trono. Foi no reinado deste rei que se ergueu o grandioso templo onde colocaram a Arca da Aliança.
Durante alguns séculos, o templo foi o local de reuniões e orações, até que o rei Nabucodonosor, rei dos babilónios invadiu a cidade e destruiu o templo. Os israelitas tiveram que fugir. Mais tarde, Ciro, rei dos persas, mandou reconstruir Jerusalém e o seu templo, ficando este a cargo dos judeus.
Era um templo magnífico, mas nada que se comparasse ao que Salomão tinha construído. Herodes, o grande, que era protegido do imperador Augusto, ofereceu-lhe muitas riquezas.
Os romanos comandados por Tito, voltaram a destruí-lo, incendiando-o. O povo judeu, sem Estado, dispersou-se por toda a parte; tolerados, perseguidos, massacrados, expulsos.
Muitos reis proibiram-nos de exercer qualquer profissão nas suas nações, exceptuando a medicina. São Luís, rei de França, obrigava-os a usar um sinal que os distinguia; em Espanha, já ganhavam a vida cultivando as terras, exercendo ofícios diversos e podendo participar também em negócios. Mais tarde tiveram de se converter ao cristianismo; chamavam a esta gente marranos.
A Igreja, os reis católicos, Isabel e Fernando, desconfiavam que continuavam a seguir a lei de Moisés dentro das casas e por isso promulgaram uma lei que decretava a sua expulsão, isto passou-se no ano 1492. Muitos partiram para Portugal. Pouco tempo depois, em 1496, D. Manuel I, para casar com a princesa Isabel, filha dos reis católicos, foi "obrigado" a expulsar os judeus de Portugal.
O nosso rei não queria perder estas pessoas e foi empaleando. Arranjou uma artimanha: os padres reuniam-nos nas praças e atiravam água para cima das suas cabeças tornando-os, desta maneira, aderentes da religião cristã. Uma vez baptizados, passavam a ser cristãos e já ninguém os podia expulsar de Portugal. Eram chamados cristãos-novos.
Apesar de tudo, muitos partiram: norte de África, Bélgica, Holanda…


David, pastor e músico, entrou para a corte do rei Saul como músico. Certo dia corajosamente enfrentou o gigante Golias. Com uma funda que trazia sempre consigo, matou-o. A sua fama cada dia que passava crescia, a inveja aumentava; por essa razão, foi obrigado a deixar a corte, mais tarde foi aclamado rei.
O rei David queria construir um grande e belo templo em Jerusalém, Deus não permitiu, coube a seu filho Salomão tal honra, porque David tinha passado grande parte da sua vida guerreando.
Atribuem-se ao rei David muitos dos salmos bíblicos: 
Feliz do homem que não segue o conselho dos ímpios, não se detém no caminho dos pecadores, nem toma assento na reunião dos enganadores; antes na lei do Senhor põe o seu enlevo, e sobre ela medita dia e noite
É como a árvore plantada à beira das correntes, que dá o seu fruto na estação própria, cuja folhagem não murcha; tudo quanto faz redunda em bem”. Salmos 1-1,2,3.
A estrela de David é formada por dois triângulos iguais que se sobrepõem, um com a ponta virada para cima e o outro com a ponta virada para baixo, parecendo uma estrela.
O peso de dois quilos (ver imagem) que guardo religiosamente, possui a estrela de David.
Seria a marca do fabricante ou o símbolo que o encomendador? Neste caso alguém seguidor da Tora quis deixar o seu simbolo impresso no peso!
 Na vila de São Vicente da Beira, moraram muitas famílias judias, como atestam as cruzes cruciformes esculpidas nas ombreiras das portas, então…

Obra de consulta: ABCedário do Judaísmo, Público.

J.M.S 

sábado, 2 de setembro de 2017

O nosso falar: realengo

Os dicionários informam-me que realengo se refere ao que é próprio do rei. Tem o mesmo significado que reguengo, uma propriedade do rei.
Mas não era neste sentido que a minha mãe usada esta expressão, quando algum dos filhos não tinha tento na língua ou nas atitudes (ter tento, outra expressão interessante, que indica a atitude de ter cuidado com o que se diz ou faz).
Ter realengo é isso mesmo: ser cuidadoso no falar, no que se diz e como se diz. Também se aplica às atitudes, mas menos.
Ter realengo talvez tenha origem no imitar as maneiras formais de falar e se comportar da família real, em oposição ao falar e às atitudes rudes do povo. Uma coisa de outros tempos, portanto.

José Teodoro Prata

domingo, 27 de agosto de 2017

Alunos,1838

ANO LETIVO 1838-39
Escola de Ensino Primário de São Vicente da Beira
Mestre: Francisco Duarte Lobo
Alunos:
1 – António de Brito, filho de Bonifacio de Brito
2 – Antonio Duarte, filho de Joaõ Duarte Nepto
3 – Antonio Fernandes, filho de Antonio Baptista
4 – Antonio Henriques, filho de Joze Henriques
5 – Antonio Rodrigues, filho de Francisco Roiz Lobo
6 – Antonio da Silva, filho de Gonçalo Duarte
7 – Bonifacio Duarte, filho de Francisco Duarte Lobo
8 – Caetano Cardozo, filho de Francisco Cardozo
9 – Caetano Ramalho, filho de Manoel Joaquim
10 – Cypriano da Silva, filho de Francisco Roiz Lobo
11 – Domingos Vaz, filho de Joaõ Duarte Nepto
12 – Francisco da Conceiçam, filho de Joaõ da Conceiçaõ
13 – Francisco Folgozo, filho de Joze Folgozo
14 – Francisco Gomes, filho de Diogo Gomes
15 – Francisco Joaquim, filho de Joze Joaquim
16 – Francisco Roque, filho de Francisco Roque
17 – Joaõ Alvres, filho de Domingos Alvres
18 – Joaõ Agostinho, filho de Joaõ Agostinho
19 – Joaõ Cardozo, filho de Francisco Cardozo
20 – Joaõ do Couto, filho de Joaõ do Couto
21 – Joaõ Duarte Lobo, filho de Francisco Duarte Lobo
22 – Joaõ Ferreira Marques, filho de Joze Duarte Marques
23 – Joaõ Henriques, filho de Joaquim Henriques
24 – Joaõ Paulino, filho de Joaõ Paulino
25 – Joaquim Botelho, filho de Joaquim Botelho
26 – Joaquim de Brito, filho de Bonifacio de Brito
27 – Joaquim Marques, filho de Joze Joaquim
28 – Joaquim Marcelino, filho de …(omisso)
29 – Joaquim Ramalho, filho de Manoel Joaquim
30 – Joaquim Ramos, filho de Joze Ramos
31 – Joze da Conceiçaõ, filho de Joaõ da Conceiçaõ
32 – Joze Duarte Nepto, filho de Joaõ Duarte Nepto
33 – Joze Lalanda, filho de Joaõ Barbalhoz
34 – Lourenço dos Santos, filho de Domingos dos Santos
35 – Manoel de Brito, filho de Bonifacio de Brito
36 – Manoel da Conceiçam, filho de Joaõ da Conceiçaõ
37 – Manoel dos Santos, filho de Mathias dos Santos
38 – Manoel Henriques, filho de João Duarte Marques
39 – Manoel Paulino, filho de Manoel Paulino
40 – Manoel Alexandre, filho de Antonio Alexandre

NOTAS:
- Franciso Duarte Lobo, o mestre-escola, era proprietário, além de professor.

- É possível que alguns destes alunos fossem naturais das povoações anexas à Vila, residindo aqui em tempo de aulas. Isso acontecia no Sobral do Campo, cem anos antes, em que os filhos de alguns dos ilustres da região viviam no Sobral para terem aulas com o cura da terra. O que me leva a esta hipótese é o apelido Alexandre, gente da Partida originária da Póvoa de Rio de Moinhos. Mas faltam os Martins, os Fernandes...

José Teodoro Prata

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

A Matilha dos Nove

«Minério na Paradanta? Ná… Por modos passou por lá muito, que no tempo da guerra havia muita candonga e contam-se algumas histórias. Esta foi logo no ano a seguir a eu ter saído da escola; vai lá um bom par d’anos. Já andava na resina e um dia cheguei a casa, já noite, e era um reboliço tão grande na terra que só visto: tinha vindo a Guarda e levado nove homens, todos algemados, para Castelo Branco. Só depois é que se soube o que tinha sucedido:
Na véspera, à tardinha, tinham chegado à entrada da Paradanta quatro homens, cada um com sua saca às costas. Chegaram lá a um certo sítio, apousaram as sacas e esconderam-nas debaixo dum aqueduto, tapadas com mato. Lá terão feito as contas e dois dos homens abalaram pelo mesmo caminho d’onde tinham vindo, os outros dois ficaram assentados ali ao pé, a fumar um cigarro. Passado um bocado também se meteram ao caminho, p’ros lados do Vale D’Urso. Por modos foram a comer a uma casa de pasto que por lá havia naquele tempo.    
Tiveram azar porque uma mulher que morava numa casa lá mais adiante tinha visto chegar aqueles estranhos e ficou à espreita, desconfiada, a ver o que é que eles faziam. Quando os viu abalar saiu porta fora e foi ver o que é que as sacas tinham. Assim que viu como é que elas estavam cosidas e o peso que tinham, desconfiou logo do que é que se tratava. Ainda quis pegar numa, mas não foi capaz de poder com ela. Foi então chamar um dos filhos que já tinha vindo da escola, e os dois lá conseguiram carregar uma das sacas até casa.
Puseram-se a fazer contas: não seriam menos de 50 quilos de minério, a um conto de réis cada um, dava cinquenta contos. Estavam ricos!
O cachopito ficou tão contente que, apesar da mãe lhe ter dito que não dissesse nada a ninguém, foi para a rua e contou logo ao primeiro que encontrou, o achado que tinham feito. E que no mesmo lugar ainda lá tinham ficado mais três sacas.
A notícia chegou depressa aos ouvidos do taberneiro que esfregou as mãos de contente e, juntamente com mais oito que àquela hora estavam a fazer sociedade na taberna, foram logo a correr para o sítio onde diziam que estavam as sacas.
Quando lá chegaram já lá estavam os outros dois homens, sentados à entrada do viaduto, ao pé da mercadoria. O taberneiro pegou na arma que trazia à cintura, deu dois tiros para o ar e berrou:
- Mãos ao ar e ala daqui p’ra fora!
Os outros nem se mexeram.
- Mas que mal é que tem estarmos aqui um pouco a descansar? Os caminhos não são públicos?
- Já disse o que tinha a dizer! Os primeiros foram p’ro ar, mas os próximos vão-vos direitos aos cornos!
Ao ouvirem isto, os dois homens levantaram-se e desataram a fugir estrada fora. Só devem ter parado já longe dali.
Por modos eram do Juncal, e eram contrabandistas de minério, mas deviam ter as costas bem quentes que ao outro dia apareceram na Paradanta uns poucos de guardas da GNR e, quem foi, quem não foi, conseguiram levar para Castelo Branco a matilha completa.
Passaram a noite nos calaboiços da prisão à espera de serem levados ao juiz no dia a seguir. Mas o taberneiro que é quem tinha sido o cabecilha daquilo, durante a noite começou com falinhas mansas para os outros: que podiam dizer ao juiz que ele não tinha tido culpa nenhuma; que só tinha ido apartar porque senão armava-se ali uma grande zaragata; que uma pessoa da categoria dele era uma vergonha se fosse presa e ficava com a vida desgraçada para sempre; e mais isto, e mais aquilo…
- Então vossemecê é que nos meteu nesta alhada toda e é que deu os tiros, e agora quer pôr-se de fora?! Não senhora; ou vamos todos p´ra cadeia ou não vai nem um!
- Se me safarem, prometo que dou um conto de réis a cada um de vós.
Olharam uns para os outros e concordaram.
- Assim é que é falar! Esteja descansado que a gente faz como vossemecê diz.
Naquele tempo um conto de reis era muito dinheiro, que um homem por dia não ganhava mais que sete e quinhentos; e não eram todos…
Foi solto o taberneiro e os outros ficaram presos durante um mês. Quando saíram vinham todos contentes e foram logo a ver se recebiam a paga pela mentira que tinham dito ao juiz, mas o outro negou-se. E que remédio tiveram senão calar-se, com medo, que ele era o Cabo d’Ordens e se os tomava de ponta, estavam desgraçados…
Ficaram conhecidos pela “Matilha dos Nove” para o resto da vida. E o Cabo d’Ordens não escapou da fama, mas nunca se provou…».

Nota: Esta história foi-me contada pelo Ti Chico quando, a propósito da história “As Mulheres da Paradanta” do Joaquim Bispo, lhe perguntei se era verdade que havia volfrâmio na terra dele. 

M. L. Ferreira

terça-feira, 22 de agosto de 2017

Incêndios

Estamos em pleno verão, calores insuportáveis, o mercúrio do termómetro quando colocado em cima do parapeito da janela depressa atinge os quarenta e nove graus, tenho que o tirar, se o deixo ficar
A escala termométrica só chega aos cinquenta, o vidro rebentaria como já me aconteceu, antes que…
Na noite de natal o vento ficou norte; na noite de São João, idem; primavera amena, verão quente; contemos com um outono, frio, soleado, seco.
Tempo a jeito para os “profissionais” dos fogos poderem trabalhar.
Oxalá me engane.
Tem sido um fartar vilanagem.
Para além dos interesses vários, talvez haja por trás outros, ou seja: em tempos idos as terras pertenciam aos senhores; malados, plebeus tratavam-nas, viviam a vida desgraçadamente a troco de coisa nenhuma.
Os poderosos quererão voltar!? ...
Com tudo queimado, destruído, os velhos proprietários sem forças, exaustos, vão abandonando as terras, os filhos partem ou já partiram; acabam por vender as propriedades por dez réis de mel coado. Aos poucos, o capital vai juntando as parcelas, tomando conta.
Premonições!
Não sei quanto custará ao erário a despesa que os incêndios acarretam. Supunhamos que ao fim da época a desgraça que os fogos trouxeram provocou um rombo no orçamento de X.
Experimentem tirar ao valor orçamentado vinte por cento, nem mais um tostão.
Durante os meses frescos, atribuam esse valor aos proprietários das matas para que as limpem. Oitenta por cento seria suportado pelo erário público, os restantes vinte, pelos proprietários.
Desta maneira, dividindo o mal pelas aldeias, em meia dúzia de anos, as nossas florestas ficariam limpas, depois, era manter.
Onde a floresta fosse quase inexistente ou nascediça, as árvores deviam ser relentadas para que o fogo não entrasse com facilidade, procedendo-se à plantação de novas espécies, sempre que possível árvores autóctones. Carvalhos, sobreiras, azinheiras, oliveiras, castanheiros… ou outras, desde que oferecessem maior resistência ao lume.




O ar tornar-se-á cada vez mais irrespirável, as temperaturas aumentam, a chuva não vem no devido tempo, quando aparece cai com tamanha intensidade…onde passa destrói.
Verões cada vez mais quentes e secos…
Fogo controlado é benéfico, descontrolado é demolidor, medonho, horrível, vi-o há minha frente sem nada poder fazer.
Valeu-me a limpeza que tinha feito em volta da casa e do forno, os bombeiros chamados canarinhos fizeram um bom trabalho, o meu bem hajam .
Salvaram o que puderam, o resto ficou reduzido a cinzas e negro.
É medonho, horrível; o povo Vicentino destemido, valente, ajudou enfrentando com denodo, paixão e valentia este pavoroso incêndio que chegou ao cimo da Vila.
Vi baldes e outros utensílios cheios de água que se ia lançando nos restolhos, nas talocas de velhas oliveiras…
Povo que não dormia, só descansou quando o perigo passou.

J.M.S

segunda-feira, 21 de agosto de 2017

Ajuda aos bombeiros

A Junta de Freguesia de São Vicente da Beira agradece a todos os que colaboraram na recolha de bens para os Bombeiros, durante o Arraial Solidário que se realizou na Piscina de São Vicente da Beira, no dia 18 de Agosto.
Após uma semana em que o fogo deflagrou na nossa freguesia, atingindo as localidade de São Vicente da Beira e  Casal da Serra, onde parte da população chegou mesmo que ser evacuada, decidimos alterar o arraial com data de 15 para 18 de Agosto, apenas com o objectivo de o tornar solidário.
Assim, convidámos o Rancho Folclórico Vicentino a manter a sua presença no sentido da recolha ter mais impacto, já que os membros do Rancho, assim como as suas famílias contribuíram também para a recolha de bens.
Decidimos ainda que, como o momento não é propício a Festas, cancelar o 2º SUNSET que se realizava no sábado, dia 19 de Agosto. Elogiamos ainda a Comissão de Festas do Casal da Serra por ter mantido a realização da Festa de Verão, em Honra de Santo António.

Foram entregue na piscina os seguintes bens:

14  embalagens de bolacha Maria
12  embalagens de leite 1litro
29  pacotes de leite individual
38  embalagens de barras de cereais
7  packs de àgua de vários tamanhos
6  embalagens de sumos
4kg de maçã
1kg de bananas
4  bolos
1  lata de ananás
2  latas de atum

Ana Jerónimo Patrício

sábado, 19 de agosto de 2017

O apocalipse


São Vicente da Beira, 13 de agosto, 10 horas da manhã.
A foto, do André Varanda, parece uma das imagens do início do filme Apocalypse Now, de Francis Ford Coppola, ao som dos The Doors com a canção The End.


José Teodoro Prata
Foto de André Varanda

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

terça-feira, 15 de agosto de 2017

Fogo da Gardunha


Casa sem porta, nem telhado.


Maçãs verdes assadas...


Mas as formigas já reconstruíram a casa!
José Teodoro Prata

domingo, 13 de agosto de 2017

Figos, 2017


Estava para vos anunciar, com pompa e circunstância, a abertura da temporada do figuinho.
Mas não o fiz a tempo. Hoje, o fogo reduziu tudo a cinzas.
Na Serra do Chico, nos Aldeões do Ernesto, na Barroca do João, no Ribeiro de Dom Bento do Zé, na Orada da Senhora (a capela salvou-se)...
Ao fim da tarde, já passara a ribeira e avançava na direção da Charneca, por cima do Balcaria.
Possivelmente, também já passou para a vertente norte da Gardunha, mas o fumo é tanto que não se vê.
O que fazer?
RECOMEÇAR!
José Teodoro Prata

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

1852: funcionários e vencimentos

CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO VICENTE DA BEIRA
Folha de vencimentos de todos os empregados abonados pelo cofre do município,
no semestre de julho a dezembro de 1852

Administrador do Concelho, Bonifacio Joze de Britto: vencimento anual – 60$000; vencimento mensal – 5$000; desconto para a décima – 3$800; vencimento líquido a receber – 26$200
Escrivão da Administração do Concelho, Joao dos Santos Vaz Rapozo: vencimento anual – 60$000; vencimento mensal – 5$000; desconto para a décima – 3$800; vencimento líquido a receber – 26$200
Oficial de Diligências da Administração, Antonio Joze da Conceiçao: vencimento anual – 12$000; vencimento mensal – 1$000; desconto para a décima – $765; vencimento líquido a receber – 5$235
Escrivão da Câmara, Joze Ribeiro Robles: vencimento anual – 60$000; vencimento mensal – 5$000; desconto para a décima – 3$800; vencimento líquido a receber – 26$200
Oficial de Diligências da Câmara, Manoel Francisco: vencimento anual – 12$000; vencimento mensal – 1$000; desconto para a décima – $765; vencimento líquido a receber – 5$235
Tesoureiro do Concelho, Francisco Antonio de Macedo: vencimento anual – 19$750; vencimento mensal – 1$645; desconto para a décima – $765(?); vencimento líquido a receber – 9$875
Mestre Régio do Ensino Primário, Francisco Duarte Lobo: vencimento anual – 20$000; vencimento mensal – 1$666; desconto para a décima – 1$270; vencimento líquido a receber – 8$730

NOTAS:
- Como podem reparar, o pagamento dos vencimentos fazia-se de 6 em 6 meses.
- O imposto que incidia sobre os vencimentos era a décima (cerca de 1 décimo do vencimento ilíquido).
- O cargo mais importante, de longe, era o do administrador do concelho. Teria as funções do atual presidente da câmara + chefe da polícia + representante do poder central.
- Ser professor era uma função pouco dignificada. Tratando-se de alguém com formação académica (não muito grande), bom seria conseguir um cargo de escrivão!
- Penso que o primeiro Macedo foi um médico que exerceu em São Vicente e terá ficado por cá. Não sei se os atuais Macedo descendem dele e deste tesoureiro. Dos Lobo e dos Robles já escrevemos. O Vaz Raposo foi meu antepassado pela parte do meu avô paterno e da minha avó materna, do Doutor Dória e de muitos mais. Desconheço se os Brito atuais descendem deste. O António José da Conceição poderá bem ser um antepassado do seu atual homónino, o Tó Sabino. Isto foi há mais de 150 anos: muitos dos sanvicentinos atuais descendem destes homens.

José Teodoro Prata

terça-feira, 8 de agosto de 2017

Escuteiros connosco

Nos dias 1 e 2 de Agosto, estiveram em São Vicente da Beira 50 escuteiros do Corpo Nacional de Escutas - CNE vindos de todo o país, que se encontravam no ACANAC, em Idanha-a-Nova. 
Estes vieram fazer trabalho comunitário na Santa Casa da Misericórdia e limpezas nas zonas da Fonte da Portela, Lagariça e Caminho Romano. Estiveram a pernoitar no Salão da Casa do Povo, onde, no dia 2 de Agosto, participaram no ensaio do Rancho Folclórico Vicentino e o GEGA também esteve presente com uma breve explicação da história da nossa vila. Posteriormente, fizeram um FOGO DE CONSELHO (actividade em torno de uma fogueira que procura encontrar o equilíbrio entre a excitação de um dia cheio de empreendimentos e a necessidade que cada um tem de se recolher e fortalecer) para o encerramento das suas actividades por aqui.
O Pedro Duarte, Chefe do Grupo de Escoteiros da Associação de Escoteiros de Portugal - AEP nº 170 de São Vicente da Beira, participou na organização de todas as actividades, com a colaboração da Junta de Freguesia, que também disponibilizou a Piscina para alguns momentos de lazer e para a higiene, durante a estadia.
Agradecemos aos Escoteiros todo o trabalho desenvolvido, assim como os momentos de diversão que partilharam connosco.





Ana Jerónimo Patrício

domingo, 6 de agosto de 2017

Retrato Intemporal


O TEU COLO

Há tanta gente carente
Que precisa de um colo
Como muita outra gente.
Se te serve de consolo

Lava a alma com sorriso
Enxuga o rio que choras
E deixa brilhar o teu sorriso
Para sentires melhoras.

É lá dentro que encontras
O que tu procuras cá fora
E é lá que tu reencontras

Aquela quietude onde mora
O colo que não encontras
Quando sais de ti embora.


O livro é uma edição de autor e custa 10 euros. Quem o quiser comprar tem de o fazer junto de Roque Lino, que por estes dias está connosco.

José Teodoro Prata

sábado, 5 de agosto de 2017

A poesia de Roque Lino




O TOQUE DOS SINOS

São tantos os toques que ecoam
Naqueles sinos da aldeia
Que até conseguiram cantar-me
Na data do meu nascimento
E também celebraram datas
Que a memória vai recordando
Como aquela do casamento.
Sentinela atenta aos fogos
Que crepitavam nos pinhais,
Os sinos eram alvorada,
E convocação para a missa
E chamamento à oração.
Cantavam as Avé Marias
Como o apelo às novenas
E acompanhavam procissões
A par do estralejar dos foguetes
Que explodiam preces no céu.
Curvados sob as enxadas
Vinham camponeses exaustos
E arrastavam-se almocreves
Ao toque do recolher
Que aqueles sinos tocavam
Com a perfeição de um clarinete.
Quero continuar a ouvir
Todas essas badaladas
Já que enquanto as sentir
Não oiço o toque final
Que nunca ouvirei afinal
Porque o sino é festa e é vida.

José Teodoro Prata

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Poesia, amanhã


Reconquista, 3 de agosto de 2017

A apresentação de um livro, um concerto da banda, um espetáculo do rancho, um desfile dos bombos ou uma exposição são momentos de comunhão de afetos (e pouco mais que isso).
Alguém partilha com o resto da comunidade o que lhe deu tanto gosto a preparar, algo de si que oferece aos outros.
Por isso é muito bom termos o Roque Lino connosco. Vem partilhar a sua poesia, algo que para mim é das coisas mais íntimas que há. 
Apelo à participação dos que visitarem este blogue: vamos todos estar presentes!
E nesse gesto nos assumimos como comunidade.

José Teodoro Prata