Mostrando postagens com marcador partida. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador partida. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 4 de abril de 2017

O tesouro da Partida

Há muitos anos vivia na Partida uma família a que chamavam “As Mari’ Joanas”. Eram duas irmãs solteiras que viviam com o pai, e já naquele tempo eram consideradas das pessoas mais abastadas da terra.
Um dia, já rente à noite, bateram-lhes à porta. Estranharam a hora, mas foram assomar à janela e viram dois homens, cada um com sua mula pela mão, que disseram ser almocreves. Pediram que lhes dessem alguma coisa que cear e os deixassem dormir por uma noite, que vinham com fome e cansados do muito caminho que tinham andado. E que não tivessem medo, que tinham com que pagar o comer e a dormida.
Fazendo justiça à fama da hospitalidade das gentes da terra, as duas irmãs prepararam logo ali num instante uma bela sopa de couves temperada com um bom naco de presunto. Os viajantes comeram-na tão sôfregos e calados que até parecia que não comiam há uma semana. Entretanto foram fazer as camas com os melhores lençóis de linho que havia na casa.
Depois de comerem, os viajantes levantaram-se da mesa e disseram que queriam fazer contas. O dono da casa bem disse que não senhor, que as contas se faziam de manhã, e que ficassem mais um pouco para dois dedos de conversa e a reza do terço. Disseram que não, que tinham que abalar de manhã cedo, antes do nascer do Sol, mas antes agradeciam muito que lhes indicassem para que lados era um sítio, ali nas redondezas, que dava pelo nome de Porto, e qual era o melhor caminho para lá chegarem.
O dono da casa achou estranha a pressa dos dois homens em abalar, mas desconfiou ainda mais da curiosidade deles em saberem onde era o tal lugar. Não pregou olho em toda a noite, a pensar no caso e à escuta de qualquer barulho, não fossem eles abalar sem ele dar conta. Já agora não queria perder a partida de tão estranhos hóspedes e ver se tirava a limpo as intenções que os trazia a vaguear por aquelas bandas.
Ainda o dia vinha longe, sentiu o ranger das tábuas. Deviam ser eles a levantarem-se, e ficou à escuta. Mal ouviu a porta da rua a ranger, pôs-se a pé e foi espreitar. Viu-os a descer a rua, cada um montado na sua mula. Nem se preocupou de estar em camisa de dormir e barrete na cabeça; enfiou só as botas nos pés e foi atrás deles. Quando chegaram lá ao sítio, viu-os parar e pôs-se à espreita, um pouco mais longe, a ver o que é que eles faziam. Nem queria acreditar quando os viu a encherem umas sacas e a carregarem uma das mulas com elas. Aproximou-se mais e viu que eram moedas de ouro o que estavam a ensacar. Assim que o viram, os dois homens voltaram-se para ele, zangados:
            - Se não tivéssemos comido ontem à sua mesa e dormido nos seus lençóis, era hoje aqui o fim da sua vida. Mas, assim sendo, nós já cá levamos o nosso quinhão; ainda aí fica esse pote, acabe vossemecê de o rapar.
O homem não perdeu tempo e, tão depressa quanto pôde, apanhou as moedas que restavam no fundo do pote e encheu o barrete com elas. Correu depois para casa o mais depressa que as pernas deixaram, não fosse alguém dar por ele, e foi contar às filhas o sucedido.
Se já eram abastadas, as Mari’Joanas ficaram ainda mais ricas. Quando morreram, como eram solteiras e nem sobrinhos tinham, quem herdou tudo foram os primos Fernandes. Vem desses tempos a fama, e só eles sabem se o proveito, de serem das famílias mais ricas da terra.


M. L. Ferreira

segunda-feira, 27 de março de 2017

Profissão: serrador

Numa vista de olhos recente pelos registos de batismo dos anos vinte e trinta do século passado constatei que muitos dos pais das crianças batizadas tinham a profissão de serrador. Eram muitos, principalmente no Mourelo, Pereiros, Partida, Violeiro e Vale de Figueira.
Achei interessante esta informação porque, entre outras coisas, nos dá conta da importância da floresta na economia da nossa terra e de como a madeira, talvez a par da pedra e do barro, foi um dos materiais de construção mais importantes de outros tempos.
Nesta ruína que encontrei há dias no Fundão, mas que podia ser por cá, podemos ver bem a quantidade de madeira que era necessária para construir uma casa, e como ela era imprescindível em todas as fases da sua construção: telhado, paredes, chão, portas, janelas, varandas…

   
Não sei se é por serem só materiais da terra e dizerem tanto do trabalho árduo dos nossos antepassados, mas ao olhar para estas ruínas sinto a mesma emoção de quando aprecio a obra de um grande artista.

M. L. Ferreira

domingo, 6 de novembro de 2016

Ontem, na Partida

Como sempre, fomos bem recebidos no Pequeno Lugar, uma casa que está cada vez mais bonita.
E foi um serão bem passado. Com muitas histórias, conversas, gente bem disposta...


...interessada...

 

... e participativa. Para além das histórias que lemos, algumas das pessoas da assistência ofereceram-nos outras que fazem parte das suas memórias mais antigas.

      
   O coro do nosso rancho ajudou, mais uma vez, a abrilhantar a apresentação.


Para além do convívio e da boa disposição, valeu também a pena porque se venderam mais alguns exemplares do livro. Como sempre generoso, o povo da Partida!

M. L. Ferreira

quinta-feira, 28 de julho de 2016

Partida - estrutura social


1 – Vestígios de organização comunitária

a)  – Generalidades:

Ao observador menos atento poderia parecer não existirem na população da Partida quaisquer manifestações de comunitarismo, dado não existirem terras comuns, antes se encontrando a propriedade muitíssimo dividida e ser a exploração feita individualmente.
Porém, e como não podia deixar de ser num meio onde cada um depende do seu vizinho para a realização de múltiplas tarefas e suprimento das mais diversas dificuldades, são muitas e variadas as formas como as pessoas aqui se agregam para, em conjunto, realizarem o que a cada um seria impossível. 

– Fornos públicos

Existem os da Barroca, da Barreira, do Cabeço, do Esteval e o do Cordágua.




Fornos do Esteval e da Barreira, na atualidade.

O único verdadeiramente de todo o povo é o da Barroca, que é também o mais antigo. Os restantes já foram construídos pelos moradores das proximidades do local onde se situam, aos quais se restringe geralmente a sua utilização. Não há, no entanto, qualquer registo de propriedade e a posse é meramente costumeira. A utilização por um não-dono é sempre por empréstimo, nunca dando lugar ao pagamento de qualquer aluguer.
Não existe a profissão de forneiro ou forneira. Cada mulher que deseja utilizar um forno começa por colocar nele um sinal (pequena porção de lenha colocada na boca do forno). Se já houver nele outro sinal tem que procurar saber a quem pertence, para saber o dia e a hora que convém à primeira, e se a quantidade de pão de ambas couber numa fornada e a hora de uma convém à outra, combinarem cozer juntas.
Acontece quase sempre juntarem-se duas, três ou mais vizinhas para uma cozedura, por cada uma cozer pequenas quantidades de pão e ser assim necessária menos quantidade de lenha de cada uma para aquecer o forno.
Por meio dos sinais colocados no forno é estabelecido um calendário cujo cumprimento decorre quase sempre na melhor ordem. Se uma vez por outra surgem discussões entre as vizinhas interessadas, são resolvidos sem recurso a qualquer autoridade pública, embora não deixem de ser aproveitadas para cada uma apontar à outra os defeitos que supõe ter.
Terminada a cozedura, cada uma leva o seu pão, não havendo qualquer poia ou maquia, pois como já se disse não há forneiro ou forneira, sendo os fornos utilizados directamente pelos interessados.

b)  – Moinhos, lagares e azenhas

Aqui verifica-se uma propriedade colectiva, mas não pública. Cada lagar, moinho ou azenha tem os seus donos e os vizinhos que deles se quiserem servir terão que pagar uma poia ou maquia.

I – Lagares:

Existem três lagares para fabrico de azeite. O Cimeiro, o Novo ou do Portabeira e o Fundeiro, cada um com duas varas.

        

Parte do engenho da moagem da azeitona do lagar Cimeiro. 
A roda foi reutilizada como escultura no Parque Natural da Ribeirinha

O quinhão base é o oitavo, o que não quer dizer que o número de condóminos seja rigorosamente de oito. Pode um só dono possuir mais do que um oitavo, ou um mesmo oitavo pertencer a mais que um dono. Isto acontece sobretudo por motivo de herança, pois, não raro, vários herdeiros mostram interesse em ficar com uma fracção de um quinhão a herdar. É que todos os lagares têm também azenhas para moagem de cereais que funcionam fora do período de fabrico de azeite e enquanto as ribeiras levam água suficiente para o efeito.
Quanto ao fabrico do azeite, cada ano há um avinhador a quem compete fornecer a primeira módura e contratar os 2 lagareiros, bem como o fornecedor de lenha. Os lagareiros tiram uma poia proporcional ao azeite produzido por cada módura (são dez partes para o dono e uma para o lagar) e vão-na despejando no pote da poia. Desta é tirado um litro por módura para o ganhão que transporta a azeitona para o lagar. Do azeite produzido por cada módura é ainda tirado um litro para o fornecedor de lenha.
Finda a campanha e depois de retirado o azeite para os ganhões e fornecedor da lenha, e entregue aos lagareiros a quantidade de azeite devida pelo serviço, é o azeite vendido pelo avinhador que convoca os outros condóminos para um determinado dia e hora, para fazerem as contas.
As contas são normalmente feitas em casa do avinhador que apresenta as despesas feitas durante o ano, assim como os respectivos rendimentos. É um acto revestido de certa solenidade, findo o qual os sócios bebem uma boa quantidade de vinho. No mesmo acto é a chave entregue ao avinhador do ano seguinte.

II – Azenhas:

Quanto ás azenhas que funcionam em cada um dos lagares, o seu uso limita-se quase exclusivamente aos respectivos proprietários, moendo cada um o seu próprio cereal e portanto sem que lhes seja retirada qualquer maquia. A utilização por não-donos é excepcional e só pode ser feita na vez de um dos donos. É que se azenha fosse utilizada com fins lucrativos seria considerada uma indústria e teria que pagar a respectiva contribuição.
Não se verifica normalmente uma rígida limitação do tempo de utilização da azenha por cada dono.
Embora, logicamente, o tempo de utilização deva ser proporcional ao quinhão, é dado a cada um o tempo suficiente para moer todo o cereal de que necessita. O critério da proporcionalidade apenas é utilizado em ocasiões de escassez de água ou quando vários donos querem moer ao mesmo tempo.

III – Moinhos:

Existem vários pequenos moinhos de roda exterior horizontal, pertencendo cada um a uma sociedade.


Moinho (azenha?) das Fragoeiras, na Ribeirinha.

A capacidade destes moinhos é bastante menor que a das azenhas dos lagares e, por esse motivo, há maior necessidade de limitar o tempo de utilização do moinho por cada um dos donos, de acordo com a quota parte de cada um. Cada um é moleiro do seu próprio cereal

c)– Extinção de incêndios

À semelhança do que se verifica na maior parte das aldeias portuguesas, também aqui não há qualquer organização de bombeiros voluntários.
Ora, dado que os incêndios ocorrem quer em construções quer em pinhais e que o recurso aos bombeiros voluntários da sede de concelho não é viável, a não ser para incêndios de grandes proporções, o que felizmente se não tem verificado, era natural que se criasse o costume de serem os próprios moradores da povoação a extingui-los, ajudando-se mutuamente. Este costume verifica-se de facto e constitui uma das mais belas manifestações de solidariedade a que é dado assistir.
Logo que se espalha a notícia de um incêndio, a pessoa que primeiro consegue chegar ao sino da capela de S. Sebastião começa a tocá-lo a rebate. Imediatamente toda a população válida se dirige para o local do incêndio, assinalado pelo fumo ou indicado pelo tocador do sino, levando logo cheias de água as vasilhas que tiver à mão. (…) Enquanto as mulheres e as crianças transportam a água, os homens procuram lançá-la sobre as chamas, muitas vezes com risco da própria vida. Cada um faz o máximo que pode e o trabalho só termina depois de o fogo estar completamente extinto.
É necessário salientar aqui que muito raramente alguém deixa de acorrer a ajudar a extinguir um incêndio por motivo de inimizade com o dono do prédio sinistrado. Ao contrário, é frequente as pessoas ajudarem nestas circunstâncias até mesmo os próprios inimigos. Impõe não só a consciência de cada um, mas também o senso comum da população que reprova a falta de colaboração, independentemente das relações existentes entre os interessados. 

e) – Rebanhos de cabras pertencentes a vários donos ou meeiros

(…) a propriedade encontra-se excessivamente fragmentada, sendo poucos os proprietários que trabalham exclusivamente nos seus próprios terrenos e não havendo nenhum que possa dar-se ao luxo de não trabalhar no campo.
A exploração pecuária torna-se difícil e daí o agrupamento de pequenos rebanhos de dois ou mais donos, chamados meeiros, num único rebanho à guarda de um só pastor, o que permite não só uma melhor utilização das pastagens, como também o mais fácil pagamento da soldada do pastor.
O pastor é alimentado às semanas pelos meeiros e é-lhe dada a possibilidade de escolher uma cabra merendeira. O leite desta é utilizado pelo pastor como complemento da merenda levada de casa. A soldada anual consta de uma soma em dinheiro – de 300 a 1000 escudos - e de algumas peças de vestuário e calçado. Um fato e meio, três camisas, três pares de ceroulas, umas botas e um gavão. Por vezes recebe também uma cria (chiba), escolhida pelo pastor entre as de cada ano.

f)– Arranjo dos caminhos pelo Carnaval

Este é um costume que se vai perdendo (….).
Para o arranjo a que nos estamos referindo era mais uma vez o sino da povoação que chamava as pessoas ao trabalho. No dia de Carnaval, logo pela manhã, o cabo de ordens ou alguém por si mandado, dava umas badaladas no sino, após o que vários homens isolados ou em pequenos grupos e munidos das necessárias ferramentas, se dirigiam para os locais onde os caminhos necessitavam de reparação, procurando cada um reparar aqueles que mais directamente lhes interessavam. Este trabalho prolongava-se apenas pela parte da manhã porque a tarde, essa era reservada para os folguedos tradicionais.

         g) – Arranjo de «encanamentos» e «presas» colectivas no princípio do Verão:

         Existem várias regadias interessando simultaneamente maior ou menos número de agricultores, por vezes dezenas.
         Dado o vigoroso acidentado do terreno e o acentuado declive do leito dos ribeiros, todos os anos os encanamentos ou captações de água para as levadas são danificados pelas cheias, pelo que têm que ser reparados ou construídos.
         Interessando estes «encanamentos» a todas as pessoas que beneficiam da respectiva rega, juntam-se as mesmas em dia previamente combinado e vão meter a água à regadia.
        
         h) – Águas públicas (aduas):

         (…)
         Se a água abunda e nem todos os agricultores da regadia estão interessados em regar, a conjugação de interesses não é difícil de conseguir e basta que se vá seguindo na rega a mesma ordem por que os prédios se encontram na regadia.
         Quando a água escasseia o procedimento é diferente, conforme a regadia tem adua ou não.
         Se tem adua, o que quer dizer que há um número de horas de rega para cada prédio, constante da própria matriz, a água é aduada e começa no cimo da regadia a utilização dela por cada proprietário durante as horas que lhe competem.
         Cada interessado vai-se informando onde é que anda a água, procurando tomar conta dela no momento exacto em que passa a pertencer-lhe. Chegada ao fim da regadia, volta novamente ao princípio.
         Nas regadias que não têm adua, o princípio orientador é o da água passar sucessivamente de um proprietário para outro até dar a volta a toda a regadia. Como não há um número de horas estabelecido, cada um procura regar o seu terreno de uma só vez. Assim, frequentemente os direitos de uns são atropelados e os prejudicados são normalmente os situados no fundo da regadia. É fácil aos que estão mais acima abrir os tornadouros e regar, ainda que não seja a sua vez.
As desavenças são aqui mais frequentes, mas não têm passado de simples toca de palavras. Com efeito não há notícia de qualquer questão de regas ter levado a ofensas corporais de qualquer natureza.

i)– Contribuição espontânea para obras de interesse colectivo:

Pode afirmar-se que, dentro das suas possibilidades, os habitantes da Partida se mostram muito generosos sempre que são chamados a colaborar com dinheiro, trabalho ou outros meios para obras de interesse colectivo. A atestar este espírito de cooperação estão a igreja, a casa paroquias, a capela de S. Sebastião, a capela de S. Tiago, os troços de calçada das ruas e alguns pontões de madeira para passagem de peões, tudo construído ou reconstruído sem ajuda oficial.
Porém, também aqui tem sentido o ditado que diz que «Santos da casa não fazem milagres». Embora nunca desmentida, a aludida generosidade mostrou-se no entanto mais claramente quando o Reverendo Padre Manuel de Oliveira Campos, natural do Souto da Casa, aqui exerceu o seu ministério há alguns anos. Homem dinâmico e conhecedor da natureza humana, facilmente obtinha a adesão dos habitantes aos empreendimentos a que metia ombros. Naturalmente generosa e superiormente orientada, contribuiu a população da Partida naquele período com mais de duas centenas de contos e muitos dias de trabalho para várias obras de interesse geral.

Retirado de «PARTIDA -  COMUNIDADE DA ZONA DO PINHAL NA BEIRA BAIXA», de Luís Leitão -  Composto e impresso nas Oficinas Gráficas do Jornal do Fundão, 1991.

Nota. As fotografias são atuais e foram acrescentadas ao texto original.
Para além dos fornos referidos, os autores falam ainda de outro que existe num local ermo, chamado Forno dos Mouros, que poderá provar o período da fundação da Partida.
Falaram-me também de um lagar que existe na ribeira entre a Partida e o Vale de Figueira onde se podem ver ainda vestígios de uma mão moura. Parece é que está comido pelas silvas… 

M. L. Ferreira

domingo, 10 de julho de 2016

A Justiça: sanções e controlo social

Dispõe a comunidade (Partida) de várias sanções sociais que influenciam e controlam o comportamento dos seus membros.
Há uma escala de valores socialmente aceite que cada indivíduo procura respeitar. Sempre que o não faz, a comunidade reage por diversos modos, exercendo uma censura por vezes bastante eficaz.
Um dos meios de que a comunidade se serve é a negação da salvação. Esta espécie de sanção só é, porém, praticada pela generalidade dos habitantes, para uma pessoa cuja reputação tenha descido muito baixo no conceito geral. É que o seu uso repugna a muitas pessoas que entendem que não devem negá-la nem aos próprios inimigos, desde que estes correspondam.
Contudo, ao nível de famílias ou de grupos, ela é algumas vezes usada e não há dúvidas de que exerce uma certa pressão sobre as pessoas visadas. Estas são constantemente obrigadas a uma reflexão dos motivos que a determinam e não raro tendem a eliminá-los.
Outra espécie de sanção é a que consiste na atribuição de alcunhas, traduzindo o comportamento vulgar de certos indivíduos ou até por motivo de uma única acção menos conforme com os padrões socialmente aceites.
«Aqui, como em todas as povoações da Beira Baixa, é corrente designarem-se as pessoas pelas alcunhas por que são conhecidas» - Dias, Jaime Lopes; «Etnografia da Beira Baixa», Vol. III, Lisboa, 1948.
Nem sempre, porém, as alcunhas são motivadas por comportamentos censuráveis. Por vezes derivam até do exercício de uma certa profissão e são aceites pacificamente pelos alcunhados. Mas geralmente representam uma crítica social. Não são chamadas directamente às pessoas a quem são atribuídas, senão em caso de desentendimento, mas as pessoas, sabedoras da alcunha por que são conhecidas, procuram corrigir o seu comportamento ou não voltar a praticar a acção que lhe deu origem.
(…)
Também o choro do entrudo representa uma sanção social «Não obstante estarem em declínio os folguedos do Carnaval, ainda hoje, na maioria dos povos do nosso distrito, noite alta, nos três dias consagrados à folia, continua a chorar-se o Entrudo… É uma sátira alegre que por vezes torna públicos acontecimentos íntimos, desconhecidos de muitos moradores» - Dias, Jaime Lopes; «Etnografia da Beira Baixa», Vol. I, Lisboa, 1926.
Assim acontece de facto na Partida e não apenas nos três dias consagrados à folia, mas durante uma semana ou mesmo mais, antes do Carnaval.
Ao longo do ano, vão os rapazes tomando nota dos comportamentos mais invulgares, para nos dias que antecedem o Carnaval os irem referir e comentar, durante a noite, às portas dos referidos moradores. Certos comportamentos ou acções mais íntimas é por este meio que chegam ao conhecimento público. Se as pessoas visadas reagem ou tentam, por qualquer modo, afugentar os «entrudos», estes voltam uma, duas e mais vezes a importuná-los.
           
Retirado de «PARTIDA  -  COMUNIDADE DA ZONA DO PINHAL NA BEIRA BAIXA», de Luís Leitão -  Composto e impresso nas Oficinas Gráficas do Jornal do Fundão, 1991.


M. L. Ferreira

quinta-feira, 7 de julho de 2016

O Homem

As características físicas dos habitantes da Partida são semelhantes às da generalidade dos portugueses, sem qualquer particularidade digna de registo.
Quanto à sua atitude mental é difícil reduzi-la a uma fórmula única. Orlando Ribeiro no «Guia de Portugal», III Volume, «Beira Baixa», afirma que o temperamento dos habitantes é por toda a parte afável, confiável e acolhedor. Por longas caminhadas ao sol ardente, pode o viajante entrar às casas, beber água do asado e quedar-se à fresca, no paleio com o lavrador que descansa do jantar ou a moça ou mulher sentada ao tear. Se não comeu, repartem com ele de boa vontade, e se no caminho topa com um homem ou mulher trazendo cesto de fruta logo o põem no chão e, com simplicidade e nobreza, oferecem do que levam. O camponês da Arraia ou do Campo, ou até o pequeno lavrador que arrenda coutos e semeia folhas de trigo, conserva o essencial destas virtudes antigas. Onde, porém, elas se deparam na maior pureza é nos charnecos e ratinhos das pobres terras de xisto, gente de proverbial honradez, que não mente, que não toca no molho de lenha ajuntado por outro à beira do caminho solitário, que ousa deixar a chave da adega ou do celeiro escondida num buraco da porta a que todos conhecem o sítio».
 A franqueza parece ser de facto uma característica da gente da Partida, que é expansiva e aprecia sobremaneira a convivência social.
Os homens, sempre que podem, juntam-se nas tabernas, onde conversam e bebem, juntando-se em «sociedades» de ocasião. É criticado um homem que entre numa taberna e beba só. O normal é juntarem-se vários, havendo o hábito de cada um pagar pelo menos uma «rodada», isto é, um copo de bebida para cada um dos que fazem parte da «sociedade». É até talvez este o motivo por que alguns homens bebem frequentemente demais: integrar-se numa «sociedade» grande é o primeiro passo para se beber em excesso.
A esta sociabilidade parece associar-se, contudo, uma certa independência que se manifesta em certos modos de comportamentos habituais e ocasionais. Assim, por exemplo, não há notícia de alguém da Partida ter feito vida de mendigo. As poucas pessoas que têm tido necessidade de viver da caridade pública, são espontaneamente auxiliadas pelos vizinhos da terra, de modo a não terem que mendigar aqui e muito menos noutras terras.
Um acontecimento revelador da atitude mental que acabamos de referir verificou-se há pouco tempo, quando o Reverendo Padre Manuel de Oliveira Campos que aqui esteve a residir durante alguns anos, foi transferido para outra paróquia e a Partida ficou novamente entregue ao pároco da freguesia. Como protesto da transferência daquele sacerdote, que foi sentida como um recuo no processo de emancipação em relação à sede de freguesia, a população da Partida, em massa, recusou a assistência religiosa que o pároco quis prestar-lhe, não assistindo uma única pessoa às missas que ele aqui veio celebrar aos domingos, durante alguns meses, e pedindo a assistência de sacerdotes de outras freguesias para casamentos, enterros, baptizados, etc. Houve até enterros sem a assistência dum padre, o que representa um enorme sacrifício para os familiares dos falecidos. Esta espécie de greve religiosa manteve-se durante mais de dois anos e só terminou quando aqui ficou colocado outro sacerdote, que ainda cá se encontra.
Por outro lado desdenha-se dos habitantes das aldeias vizinhas, havendo alcunhas a alusões zombeteiras para quase todos eles: os de S. Vicente são «piolhosos»; os dos Pereiros são «quadrasanhos»; os da Paradanta é «onde a fome se canta»; Alcains é a «terra dos cães»; diz-se «se vais ao Castelejo vens de lá andarejo», «se vais ao Souto da Casa , partem-te lá uma asa»; «se vais à Enxabarda põem-te lá uma albarda»; etc.
Sobretudo em relação aos habitantes da sede de freguesia, é manifesto o desdém com que se lhe referem que é, aliás, comum a outras terras da região. «Cães da Vila, chamam os do Louriçal do Campo aos de S. Vicente da Beira» (Dias, Jaime Lopes - «Etnografia da Beira» Vol. V, Lisboa, 1929, p. 192). Este sentimento da generalidade dos habitantes da região para com os de S. Vicente da Beira é muito antigo, pois vem do tempo em que esta aldeia era sede de concelho, que foi extinto nos fins do século passado, precisamente devido a um levantamento geral da população das anexas e freguesias da sua jurisdição, que convergiram para a vila num dia e hora previamente combinada e queimaram todos os papéis da Repartição da Fazenda. Já neste levantamento a Partida desempenhou um papel muito activo.
Embora não seja talvez tão rígida como em outras comunidades rurais, também aqui se verifica uma divisão sexual do trabalho.  Cada sexo tem os seus trabalhos tradicionais. Assim, por exemplo, o homem lavra, cava, roça mato, colhe azeitona, poda oliveiras e outras árvores, mata e abre o porco, etc. e a mulher executa os vários serviços domésticos e algumas tarefas agrícolas mais leves, tais como sachar, regar, plantar e semear hortaliças, etc. (…) A criação de porcos à pia é também uma tarefa das mulheres, que ainda executa todas as operações de fabrico do enchido e lava das tripas. O homem mata, abre e salga os porcos.
A mulher da Partida não lavra. Também não entra numa taberna para beber e, se alguma vez tem de lá ir chamar o marido, não se detém (…).
Ao contrário do que poderia esperar-se dum certo sentimento de superioridade da população da Partida, a integração de elementos estranhos, por motivo de casamento ou outro, é geralmente fácil. Em pouco tempo estes elementos passam a ser tratados como se fossem naturais daqui, não sendo alvo de quaisquer atitudes segregacionistas.
A íntima relação que existe entre as actividades agrícolas a que se dedicam e o ritmo da natureza, obriga os habitantes da Partida a dedicarem uma atenção especial ao tempo. Se bem que sejam conhecidas e muitas vezes mencionadas as estações do ano, também é frequente a designação dum determinado período do ano pelo nome dum Santo que nele se venere ou festa que se celebre, como é o caso do «S. Miguel» que designa a primeira metade do Outono. Outras vezes é associada a época do ano com os principais trabalhos durante ela realizados, dizendo-se no «tempo das sementeiras, «no tempo das malhas», etc.
Os fenómenos meteorológicos, sobretudo, são alvo de uma particular atenção. As suas causas não são geralmente conhecidas, como é óbvio, mas as condições em que ocorrem encontram-se muito bem catalogadas, como se verifica até pelos ditados populares que pudemos recolher sobre o assunto:

«Pastor, pastorão,
Nem de Inverno nem de Verão,
Nunca se larga o gavão (capote com capuz e mangas)»;

«Geada na lama, água na cama»;

«Circo na lua, água na rua»;

«Janeiro quente traz o diabo no ventre»;

«Manhã de nevoeiro, ou muita água ou bom solheiro»;

«Entrudo borralhudo, Páscoa em casa, Natal na praça»;

«São Miguel erveiro, guarda o palheiro»;

«Em Abril ainda a velha queimou o carro e o carril, e o maior bocado ainda o deixou para o mês de Maio»;

«Se a candieirola chora (2 de Fevereiro, dia de Nossa Senhora das Candeias) está o frio fora, se se ri, está o frio para vir».


Retirado de «PARTIDA  -  COMUNIDADE DA ZONA DO PINHAL NA BEIRA BAIXA», de Luís Leitão -  Composto e impresso nas Oficinas Gráficas do Jornal do Fundão, 1991.

Nota: O livro de onde foi retirado este texto foi escrito a partir de um trabalho académico realizado pelo autor, em colaboração com Ruy Faria, durante o ano letivo de 1970/1971. Só isso justifica algumas das posições mais extremadas referidas pelo autor, que naquela altura ainda existiam entre as gentes das várias localidades à volta de São Vicente. Felizmente que hoje tudo é bastante melhor; não porque tenha passado o tempo suficiente para produzir grandes mudanças, mas sobretudo porque o contexto sociocultural do País se alterou significativamente nas últimas quatro décadas, potenciando também mudanças em termos das atitudes e comportamentos das pessoas.


M. L. Ferreira

sábado, 23 de janeiro de 2016

Paradanta

Esta publicação é dedicada a um jovem de apelido Paradanta, que falou comigo aquando da minha palestra na Partida.
No dia 9 de julho de 1760, além da Maria das Candeias e do Teodósio Duarte, casaram também o José Leitão e a Maria Pires Duarte. Ela do Casal da Serra e ele nascido no Louriçal do Campo, mas a viver no casal do Monte do Surdo, uma propriedade do Conde de São Vicente, arrendada pelos pais.
O pai do José Leitão chamava-se Manuel Leitão e era da Paradanta. Como a mulher era do Louriçal, deve ter ficado a viver na terra da mulher, tendo nascido lá o filho José. Poucos anos depois, mudaram-se para o casal do Monte do Surdo, onde os seus descendentes vão continuar por muitas gerações. 
( O Pe. Jerónimo ainda conheceu o último membro da família a residir ali, chamado Antonio Rodrigues, isto em meados do século XX).
A propriedade do casal do Monte do Surdo ia desde a fazenda junto ao cruzamento para os Pereiros/Partida, até à Ribeirinha, incluindo todos os terrenos em volta do ribeirito que se forma lá no alto e desagua na ribeira,  separando o casal do Baraçal do Casal da Fraga.
Como haveria vários Manuel Leitão na freguesia, o povo terá acrescentado Paradanta ao nome. O filho aparece já nos registos camarários como José Leitão Paradanta.
Nos registos paroquiais que tenho consultado, surgem vários descendentes do José Leitão e da Maria Pires Duarte que foram casar à Partida. E lá terão deixado o apelido Paradanta, até hoje.


José Teodoro Prata

quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

O Orfeão na Partida


Foi um êxito a actuação do orfeão da Cidade de Castelo Branco, na igreja da Partida. O templo encheu-se para ver e escutar com alegria as canções alusivas ao natal, magistralmente cantadas pelo orfeão. António Andrade, responsável pelo Pequeno Lugar, está de parabéns.
No final do concerto, as pessoas com quem falei todas foram unânimes a dizer: venham mais eventos como este; foi muito bonito!
O próximo concerto natalício vai realizar-se na igreja matriz de São Vicente da Beira e será oferecido à população da freguesia pela banda filarmónica vicentina. Estejam atentos.

J.M.S

quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

O Orfeão na Partida


Dia 12 de dezembro, o orfeão de Castelo Branco vai oferecer à população da freguesia Vicentina uma actuação com cânticos alusivos à época natalícia.
O evento vai realizar-se às 19 horas, na igreja da Partida.
É mais uma iniciativa do Pequeno Lugar.
J.M.S.

sábado, 10 de dezembro de 2011

Sementeira de pinheiros


Conheço documentação que refere a compra de sementes de pinheiro, na Suécia, para florestar as serras de Oleiros, em meados do século XIX. Uns anos antes, em 1826, o contrato de emprazamento, por três vidas, do casal da Senhora da Orada, administrado pela Câmara Municipal, estipulava como obrigação dos rendeiros Ricardo Joze de Oliveira e Gestrudes Maria «...a sementeira dos pinheiros...». Nos inícios do século XX, alguém de C. Branco fotografou os montes da charneca a partir do Museu Tavares Proença Júnior, na entrada norte da cidade, e só se veem matagais, sem qualquer árvore a sobressair (muitos pinheiros já lá estariam, mas ainda pequenos).
O documento que agora apresento vem confirmar o início da florestação das terras incultas do interior, por pinheiros bravos, no século XIX. Apenas o início, pois parte dos atuais pinhais só se afirmaram na primeira metade do século XX e até um pouco mais tarde: muitos da minha geração e sobretudo mais velhos lembram-se de se fazerem alqueives de centeio em locais onde atualmente há bom pinhal. E no monte de Santiago, na Partida, ainda sobrevive o antigo olival, já sufocado pelos pinheiros.

Na sessão de 23 de Agosto de 1840, a Junta da Paróquia analisou um ofício da Câmara Municial (ambas de S. Vicente da Beira), no qual se incumbia «… a esta Junta a Sementeira de Pinheiros e plantação de Arvores nas terras pertencentes a esta Junta.» Também se mandava comunicar aos proprietários «… que a Junta Geral do Destrito se offerecia a mandar vir a Semente de Pinhos que fosse neceçaria tanto para a Junta como para os Proprietários.»
A Junta decidiu que, embora tivesse uma terra apta para a sementeira de pinheiros (a Devesa?), não tinha meios para fazer essa sementeira, pois os que tinha escasseavam para as despesas ordinárias. Quanto aos proprietários particulares, embora avisados por edital público, «…não compareçeo alguém que requereçe porção alguma de semente de Pinhos.»


Notas:
1. Esta ata foi escrita por Bernardino Ribeiro Robles, secretário da Junta. O presidente era Antonio Rodrigues Castanheira.
Na sessão seguinte, de 21 de Março de 1841, tomaram posse os membros efetivos da nova Junta. O presidente ficou então o Reverendo Vigário Manuel Marques Leite, ajudado por Francisco Lobo e Francisco Cardoso Sénior que transitavam da Junta anterior.
2. Ao lermos esta publicação, temos na cabeça três grafias: a nova que estamos a implementar (acta/ata, vêem/veem...), a que usámos até agora (e melhor sabemos) e a do século XIX (neceçaria/necessária, compareçeo/compareceu, offerecia/oferecia, Destrito/Distrito...).
Por mim, não vale a pena dramatizar o novo acordo ortográfico, como muitos o fazem. A nossa língua tem estado em constante evolução, desde o latim dos romanos até à atual grafia!

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Recenseamento militar - 1838

Na reunião da Junta da Paróquia de São Vicente da Beira, a 14 de Setembro, na Sacristia da Igreja Matriz (em obras desde 1918, pelo menos) deu-se cumprimento às ordens de Sua Majestade, a rainha Dona Maria II, recenseando os mancebos que estivessem nas circunstâncias de serem apurados para o exército permanente(de primeira linha).
A listagem elaborada foi a que se segue. Respeitou-se a ordem das pessoas e das povoações como consta da acta da reunião.

Vila
António, com 18 anos, filho de Eleutério dos Santos
José, com 19 anos, filho de José Moreira (com 60 anos)
António, com 24 anos, filho de Margarida dos Prazeres
António, com 22 anos, filho de Maria Luísa
José, com 19 anos, filho de Constantino Fernandes
Francisco, com 18 anos, filho de Inês Ribeiro e pai incógnito
José, com 23 anos, filho de António Leitão Salgueiro
Francisco, com 22 anos, filho de António Gil
João, com 14 anos, filho de João Duarte Remoaldo
António, com 22 anos, filho de José António Craveiro
António, com 19 anos, filho de Matias Vaz dos Santos

Casal da Serra
Caetano, com 22 anos, filho de Joaquim Martins

Pereiros
João, com 20 anos, filho de José Varanda
José, com 29 anos, filho de João Ramos
António, com 20 anos, filho de pais incógnitos, a viver em casa de Rosário Martins

Partida
José, com 20 anos, filho de João da Costa
António, com 23 anos, filho de António Rodrigues Paradanta
António, com 22 anos, filho de José Martins
António, com 19 anos, filho de Ana Leitão (viúva)
Firmino, com 19 anos, filho de pais incógnitos, a viver em casa de Maria (viúva)
Joaquim, com 18 anos, filho de Isabel Leitão (viúva)

Paradanta
Francisco, com 19 anos, filho de José Monteiro
António, com 22 anos, filho de pais incógnitos, a viver em casa de Martinho dos Santos
Júlio, com 19 anos, filho de pais incógnitos, a viver em casa de Rodrigo Leitão
Francisco, com 19 anos, filho de António Gonçalves

Violeiro
Joaquim, com 19 anos, filho de Domingos Lopes Folgado
João, com 24 anos, filho de Maria Martins Páscoa
António, com 20 anos, filho de Manuel Pires
José, com 19 anos, filho de José Pires

Tripeiro
Luís, com 18 anos, filho de Paulo Lourenço
António, com 22 anos, filho de Domingas Lourenço (viúva)

Neste ano de 1838, a Junta da Paróquia era assim formada:
José Hipólito, Presidente
João Duarte Marques, Regedor
Gregório Lopes
João Agostinho
António Leitão

Notas:
- Os bebés expostos eram criados por uma ama e ficavam a viver com ela até serem adultos ou, cerca dos 10 anos, iam trabalhar como criados, para outra casa. Nos casos acima referidos, não temos informações sobre qual destas duas situações se aplica a cada um deles, mas o normal era ficarem na casa que os recebera acabados de nascer.
- Não havia nenhum mancebo entre os 18 e os 24 anos, no Mourelo e no Vale de Figueiras.
- Na época, escrevia-se Peradanta e não Paradanta. Tal facto vem reforçar a hipótese da palavra derivar de Pedra de Anta (anta: construção sobre o solo, com grandes pedras, que servia de túmulo colectivo).

sexta-feira, 15 de julho de 2011

O empreendedorismo de Luci Bento

A artista Luci Bento continua a surpreender-nos, com o seu entusiasmo e dinamismo.
Em 2013, prevê abrir ao público, na Partida, um grande espaço artístico e recreativo, formado por uma fundação, um centro artístico e uma quinta pedagógica.
Deixo-vos com a notícia publicada no jornal Povo da Beira, de 5 de Julho de 2011.
(Clicar na imagem para ler melhor)

sábado, 9 de julho de 2011

João Marcelo (1960-2011)

Acabo de saber, pelo Reconquista online, que faleceu o João Marcelo, nosso conterrâneo da Partida.
Dirão que já faleceu muita gente boa, de quem eu não dei notícia. É verdade. Mas há o público e o privado. Não trato deste, mas sim do outro.
Mal o conhecia, mas contavam-me que era um dos melhores advogados da cidade. E também um importante dirigente do Partido Socialista.
Deixo-vos com a notícia do jornal Reconquista (7 de Julho de 2001), da autoria de Lídia Barata:


«João Carlos Marcelo faleceu na madrugada de sexta-feira aos 50 anos, vítima de doença prolongada.
O advogado natural de Partida, concelho de Castelo Branco, licenciou-se em Direito em 1985, na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, onde exerceu alguns anos. Mas acabou por se estabelecer na cidade albicastrense.
Além da advocacia, João Carlos Marcelo era também conhecido pela sua actividade política, sendo actualmente presidente da Comissão Politica Concelhia do Partido Socialista e membro da Assembleia Municipal de Castelo Branco, onde desempenhava o papel de líder da sua bancada.
Em termos políticos também já tinha integrado os órgãos nacionais do PS.
João Carlos Marcelo faleceu no Hospital Amato Lusitano, em Castelo Branco, onde se encontrava já internado há algumas semanas.
O corpo será velado a partir da tarde de sexta-feira na capela de São Marcos, em Castelo Branco.
O funeral realiza-se no sábado a partir das 10h30 para o cemitério da Partida, a terra natal do advogado.»

terça-feira, 21 de junho de 2011

Pedro Martins

É ainda jovem, mas o seu trabalho já extravasa o nosso país.
Fotógrafo freelancer, colabora com a National Geographic - Portugal e com o jornal El Mundo, entre muitas outras publicações.
Participou na criação da rota da Gardunha, sendo autor das imagens do livro "Geopark Naturtejo da Meseta Meridional - 600 milhões de anos em imagens".
Tem raízes no Vale de Figueiras e vive em Castelo Branco.
A sua exposição "Natureza das Paisagens" decorre na Sala da Nora - Cine-Teatro Avenida, em Castelo Branco, até final desta semana (dia 24).
Entre imagens de Monsanto, Espanha e Islândia, podemos admirar o seu torrão natal: a Praça de São Vicente, no crepúsculo da noite; o ribeiro da Senhora da Orada, no sítio da ponte de acesso à fonte; os bombos da Partida, na volta ritual à capela de São Tiago, em dia de romaria.



O endereço da sua página, na internet, é o: http://www.pmartins.net/
No seu blogue pessoal (www.pedrormartins.blogspot.com), podemos ver o filme desta exposição, nomeadamente as três imagens da nossa freguesia.

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Pneumónica 4

Conclusões
Apresentam-se algumas conclusões sobre a incidência da Gripe Pneumónica de 1918, na freguesia de São Vicente da Beira. Conclusões forçosamente parciais, pois o estudo ainda não está terminado.

1. A Gripe Pneumónica é a mesma que agora denominamos por Gripe A.

2. A Gripe Pneumónica atacou Portugal por três vagas: final da Primavera e início do Verão de 1918, Outono de 1918 e Inverno/Primavera de 1919, mas apenas a segunda provocou grande mortalidade.

3. A nível nacional, foi no mês de Outubro que se registou a maior mortalidade. Mas, na freguesia de S. Vicente da Beira, o mês de Novembro foi o mais mortífero.

4. A média dos óbitos de 1917-1919 foi de 4,8 mortes por mês, exceptuando os meses da Pneumónica, em que os óbitos subiram para 20, em Outubro, e 66, em Novembro.

5. Portugal Continental teve uma taxa de mortalidade de 1,08%, com um máximo de 7% em Benavente, Ribatejo. A freguesia de S. Vicente da Beira registou uma taxa de mortalidade de cerca de 2,40%, uma percentagem superior à média nacional.

6. A Gripe Pneumónica entrou na freguesia pelo Tripeiro, S. Vicente e Casal da Serra, povos onde se registaram mais óbitos, em Outubro. No mês seguinte, continuou a fustigar o Casal da Serra e S. Vicente, mas provocou enorme mortandade também na Partida. As restantes povoações, excepto o Tripeiro, a Paradanta e Pereiros, registaram poucas mortes.

7. Na época, S. Vicente, Partida e Casal da Serra eram as povoações maiores da freguesia (ver publicação “Curiosidade Demográfica”, do passado 31 de Outubro). Tal facto não justifica, só por si, uma maior mortalidade. Esta ter-se-á devido, também, ao facto de as pessoas estarem mais juntas e por isso transmitirem a gripe umas às outras, mais facilmente.

8. A Paradanta é a excepção que nos impede de concluir que a Gripe atacou as povoações maiores e localizadas em corredores viários. No entanto, este povo situa-se num corredor formado pelos vales de dois ribeiros, que eram locais de passagem. Um corre para oeste, para a Partida, onde, com outros, forma a Ribeira do Tripeiro, e o outro corre para nordeste, pelo Vale D´Urso e Castelejo.

9. O Vale de Figueiras não teve óbitos nestes meses, e o Violeiro e o Mourelo sofreram mortalidades muito aquém do que seria normal, em povos com da sua dimensão.

10. Durante a Gripe Pneumónica, as 10 camas do Hospital da Misericórdia só receberam doentes da Vila e a elite local não foi ali internada (terá pago consultas a domicílio). Desconhecemos se o internamento unicamente de pessoas de São Vicente se terá devido a uma proibição de deslocação de doentes ou se, simplesmente, os familiares optaram por não sujeitar os doentes a grandes deslocações, por falta de esperança na cura ou para não agravar o seu estado de saúde. A documentação do Hospital nada refere sobre uma proibição, interna ou externa, de internamento de doentes de fora da Vila.

11. Na povoação de São Vicente, o internamento no Hospital terá atenuado a mortalidade, pois dos 29 doentes ali internados com Gripe Pneumónica, apenas 4 faleceram. A excepção terá sido Maria de Jesus Hipólito, esposa do enfermeiro do Hospital, que possivelmente contraiu o vírus através do seu marido.

12. Em 1918, o único cemitério da freguesia era o de São Vicente, certamente sem capacidade para receber tantos mortos. Sabemos que, no Casal da Serra, foram sepultados num terreno à esquerda da antiga capela, localizada no início da Rua da Lagariça. Situações semelhantes terão ocorrido noutros povos.

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Pneumónica 3

Óbitos de Novembro
Apresentam-se, hoje, os óbitos de Novembro de 1918, aquando da Gripe Penumónica. Os nomes das pessoas estão copiados tal como foram escritos nos registos da Igreja Matriz de S. Vicente da Beira.

01-11-1918: Maria Rita Raymundo, de 80 anos, viúva de Jose Raymundo, natural e moradora em S. Vicente da Beira.

01-11-1918: Maria da Anunciação, de 40 anos, casada com Francisco Marcelino, moradora no Casal da Fraga, São Vicente da Beira.

01-11-1918: Francisco Jeronymo, de 26 anos, cultivador, casado com Maria da Luz Romualdo, natural e morador em São Vicente da Beira. Faleceu no Hospital.

01-11-1918: Domingos Leonardo, de 23 anos, solteiro, guarda republicano, filho de Antonio Leonardo e Antonia Raposa, morador na Partida.

01-11-1918: Maria de Jesus, de 29 anos, solteira, costureira, filha de Joaquim Antunes e Joaquina Maria, natural dos Pereiros.

02-11-1918: Jose Alves Páscôa, de 49 anos, jornaleiro, natural do Violeiro, filho de Antonio Alves Páscôa e Carolina Maria, já falecidos.

02-11-1918: Maria Rosalina, de 24 anos, solteira, natural da Partida, filha de Joaquim Gonçalves e Maria Rita, moradores no mesmo povo.

02-11-1918: Ana Josefa, de 40 anos, natural e residente nos Pereiros, filha de João Antunes e Josefa Santos, naturais e moradores no mesmo povo.

02-11-1918; João Caetano, de 35 anos, casado com Ana Serra, cultivador, filho de Simão Caetano e Maria Ana, todos naturais do Casal da Serra.

03-11-1918: Theodora Marques, de 63 anos, solteira, costureira, filha de Joaquim Marques e Theodora dos Santos, naturais e moradores em São Vicente da Beira.

03-11-1918: Filippe Miguel, de 32 anos, filho de Antonio Lino Lopes e Maria José Nunes, todos naturais e moradores em São Vicente da Beira.

03-11-1918: João Frade, de 27 anos, serrador, casado com Antonia Maria, natural dos Pereiros e a viver na Partida, filho de João Frade e Ana Frada, moradores na Partida, de onde são naturais.

03-11-1918: Maria de Jesus, de 12 anos, natural do Casal da Serra, filha de Simão Caetano e Maria Joaquina, ambos moradores no mesmo povo.

03-11-1918: Antonio Martins, de 7 anos, filho de Antonio Martins e Lucia Craveiro, naturais e moradores no Casal do Baraçal, São Vicente da Beira.

04-11-1918: Francisco Pereira, de 65 anos, viúvo de Maria Joana, natural e morador em São Vicente da Beira.

04-11-1918: Joaquim da Silva Lobo, de 38 anos, jornaleiro, casado com Carolina Barata, filho de Antonio da Silva Lobo e Maria dos Santos, naturais e moradores no Casal da Fraga, São Vicente da Beira.

04-11-1918: João dos Reis Alves, de 27 anos, cultivador, natural e residente nos Pereiros, filho de Manuel Alves, jornaleiro e Francisca Maria, naturais e moradores no mesmo povo.

05-11-1918: Maria de Deus, de 7 meses, filha de José Báu e Maria do Carmo, naturais e moradores em São Vicente da Beira.

05-11-1918: Manuel Lourenço, de 4 anos, filho de João Lourenço e Izabel Maria, naturais e moradores no Mourelo.

05-11-1918: Antonio Alberto, de 19 meses, filho de Alberto Venancio e Angelina Fernandes, naturais e moradores no povo da Partida.

05-11-1918: Julia Fernandes, de 14 anos, filha de Joaquim Martins e Antonia Fernandes, todos naturais e moradores na Partida.

06-11-1918: Maria Augusta, de 50 anos, jornaleira, casada com José Simão, naturais e moradores em São Vicente da Beira.

06-11-1918: Bento Venancio, de 7 anso, filho de Antonio Maria Venancio e Ana Joaquina, todos naturais e moradores na Partida.

06-11-1918: Jose Leitão, de 5anos, filho de João Leitão e Maria do Rozário, todos naturais e moradores na Partida.

06-11-1918: Antonio Lourenço, de 44 anos, casado com Maria Felicia, natural da Partida, filho de João Lourenço e Maria Vitoria, também moradores na Partida.

07-11-1918: Filomena Nunes, de 30 anos, casada com Amandio Barroso, natural do Casal da Serra, filha de Joaquim Gama e Rosa Nunes, naturais e moradores no mesmo povo.

08-11-1918: João Castanheira, de 45 anos, caiador, casado com Antonia Pereira, filho de Francisco Castanheira e Ana de S. José, todos naturais e moradores em São Vicente da Beira.

08-11-1918: João Agostinho, de 19 anos, jornaleiro (sardinheiro, segundo o registo do Hospital), filho de André Agostinho e Maria da Conceição, naturais e moradores em São Vicente da Beira. Faleceu no Hospital.

08-11-1918: Maria dos Anjos, de 25 anos, filha de João Antunes Amendôa, natural da Partida e domiciliada no Ribeiro de Dom Bento, São Vicente da Beira.

08-11-1918: Maria Pedra, de 18 anos, natural da Torre e moradora nos Pereiros, filha de João Lucas e Joaquina Pedra, moradores nos Pereiros.

09-11-1918: Ana da Ascensão, de 3 anos, natural da Partida, filha de Alberto Venancio e Angelina de Jesus, moradores no mesmo povo.

09-11-1918: Maria Antonia, de 30 anos, solteira, natural de São Vicente da Beira, filha de Francisco Pereira e Maria Joana, já falecidos.

09-11-1918: João Duarte Romualdo, de 35 anos, proprietário, morador no Ribeiro de Dom Bento, São Vicente da Beira, filho de Joaquim Duarte Romualdo e Maria Martins desta vila.

09-11-1918: Francisco Lucas, de 4 anos, filho natural de Filomena Lucas, natural e moradora em São Vicente da Beira.

09-11-1918: Beatriz de Jesus, de 18 anos, natural dos Pereiros, filha de Antonio Martins e Ana Varanda, moradores no mesmo povo.

10-11-1918: Maria Jose, de 16 anos, filha de Jose Sarnada e Maria Rosa Santos, naturais e moradores no Casal da Serra.

10-11-1918: Josefa Maria, de 80 anos, viúva de Francisco Alves, natural e moradora na Partida.

11-11-1918: Manuel Martins Paiagua, de 50 anos, ganhão, casado com Rita Maria, moradores no Casal do Baraçal, São Vicente da Beira, filho de José Martins Paiagua e Emilia Maria.

11-11-1918: Alberto Venancio, de 33 anos, casado com Angelina de Jesus, morador na Partida, filho de Antonio Venancio e Maria Rozario, do mesmo povo.

11-11-1918: João Martins Leitão, de 39 anos, casado com Maria Rozaria, natural da Partida, filho de Manuel Leitão e Josefa Maria, do mesmo povo.

12-11-1918: Maria Izabel, de 9 anos, filha de José João e Izabel Maria, naturais e moradores na Paradanta.

13-11-1918: Maria José Patricio, de 15 anos, filha de Joaquim Matias e Ana Patricio, moradores em São Vicente da Beira.

13-11-1918: Manuel Francisco, de 4 anos, filho de Francisco Carrilho e Albina Maria, naturais e moradores na Partida.

13-11-1918: Manuel de Jesus, de 8 anos, filho de João Alves e Maria Inês, moradores nos Pereiros.

13-11-1918: Maria dos Anjos, de 4 anos, filha de Manuel Duarte Romualdo, proprietário, e Maria Balbina, moradores no Ribeiro de Dom Bento, São Vicente da Beira.

14-11-1918: Sebastião Amoroso, solteiro, de 80 anos, natural e morador no Casal da Serra, filho de Manuel Caetano e Maria Amorosa, naturais do mesmo povo.

14-11-1918: Maria do Nascimento, de 35 anos, casada com Joaquim Teodoro, moradores no Casal do Baraçal, São Vicente da Beira, filha de Manuel Marques e Ana Maria.

14-11-1918: Cesar Marques Neto, de 13 anos, seminarista, natural de São Vicente da Beira, filho de Antonio Marques, já falecido, e de Maria Neto Raposo.

15-11-1918: Francisco Frade, de 25 anos, solteiro, serrador, filho de Antonio Frade e Maria Freire, naturais e moradores na Partida.

15-11-1918: Ana da Ressurreição, de 2 anos, filha de Manuel da Cruz e Maria de S. João, naturais e moradores no Casal da Serra.

15-11-1918: Maria Celeste, de 18 anos, solteira, filha de Manuel Paulo e Maria Felicia, moradores no Tripeiro.

16-11-1918: Leopoldina Maria, de 60 anos, casada com Domingos Jacinto, filha de pais incógnitos, moradora na Paradanta.

16-11-1918: João Lourenço, de 7 anos, filho de Antonio Lourenço e Maria Felicia, moradores e naturais da Partida.

16-11-1918: Silvestre Serra, de 24 anos, casado, natural do Casal da Serra, filho de Luciano Serra e Ana Barrosa, moradores no dito casal.

16-11-1918: Maria Filomena, de 4 anos, filha de João Alves e Maria Inês, naturais e moradores nos Pereiros.

17-11-1918: Joaquim Varanda, de 64 anos, casado com Maria Balbina da Conceição e morador no Tripeiro, filho de Joaquim Varanda e Ana Moreira.

17-11-1918: Joaquim Martins, de 2 meses, filho de Augusto Martins e Maria Calmôa da Silva, moradores em S. Vicente da Beira.

17-11-1918: Antonio Filipe Salvado, de 23 anos, proprietário, solteiro, filho de João Filipe e Joaquina Maria, naturais e moradores na Paradanta.

18-11-1918: Maria de Jesus Hipólito, de 35 anos, casada com Joaquim Caio, funileiro, moradores em S. Vicente da Beira. Era filha de Joaquim Hipólito de Jesus e Maria Antonia, da mesma vila. Faleceu no Hospital.

18-11-1918: José Amandio, de 5 anos, filho de Amandio Barroso e Filomena Nunes, moradores no Casal da Serra.

19-11-1918: Justina Maria, de 14 anos, filha de José Bartolomeu, cultivador, e Maria Justina, moradores na Partida.

21-11-1918: Maria, de 10 meses, filha de José Lopes e Maria Justina, naturais e moradores na Partida.

22-11-1918: Manuel Bento, de 10 dias, filho de Antonio Maria Venancio e Ana Joaquina, moradores na Partida.

24-11-1918: Maria Carlota, de 6 meses, filha de José Simão e Ana Maria, moradores em S. Vicente da Beira.

26-11-1918: Bernardo Candeias, de 24 anos, jornaleiro, solteiro, filho de Manuel Candeias e Maria do patrocínio, moradores no Casal da Serra.

26-11-1918: Maria Matias, de 40 anos, filha de Domingos Leitão e Maria Matias, todos naturais e moradores na Partida.

26-11-1918: Antonio Rato, de 14 anos, filho de José Rato e Josefa Maria, naturais e moradores no Violeiro.

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Pneumónica 2

Os óbitos de Outubro

A freguesia de São Vicente da Beira registou, entre 1917 e 1919, uma média mensal de 4,8 óbitos, sem contar com Outubro e Novembro de 1918, os meses da gripe pneumónica. Nestes, o número de mortos subiu para 20, em Outubro, e 66, em Novembro.
Esta maior mortalidade em Novembro contraria a tendência nacional, em que o mês mais mortífero foi o de Outubro.
Como os registos do Hospital só nos dão informação detalhada de 4 óbitos por gripe pneumónica, temos de utilizar os registos paroquiais, que não apontam a causa da morte.
Nem todos morreram por gripe pneumónica, nestes dois meses, mas foram a quase totalidade. A gripe pneumónica atacou sobretudo os jovens e adultos jovens, pelo que temos de excluir os idosos, possivelmente já imunizados por uma epidemia da mesma doença ocorrida em 1889. Os bebés talvez também tenham sido vitimados pela gripe pneumónica, embora nestes não haja tantas certezas, pois ainda era habitual morrerem muito e raramente eram levados ao hospital.
Apresentam-se, hoje, os óbitos de Outubro de 1918. Transcrevem-se os nomes tal como foram registados.

02-10-1918: Leopoldina, de 1 ano, filha de Manuel Joaquim e Maria Domingas, naturais e moradores no Tripeiro.

02-10-1918: Maria, de 16 meses, filha de Antonio Soares cruz e Maria Serra, jornaleiros, naturais e moradores no Casal da Serra.

04-10-1918: Gracinda, de 4 anos, filha de Antonio Afonso e Maria da Conceição, jornaleiros, naturais e moradores no Tripeiro.

12-10-1918: Antonio, de 1 ano, filho de João Caio e Serafina da Conceição, jornaleiros, naturais e moradores no Casal da Serra.

12-10-1918: João Nunes, de 45 anos, solteiro, mendigo/jornaleiro, natural do Mourelo. Faleceu no Hospital, de febre paratifóide.

16-10-1918: Maria dos Anjos da Silva Leal, de 35 anos, casada, doméstica, natural dos Pereiros, filha de Joaquim da Silva Leal e Isabel Maria, proprietários.

22-10-1918: Jose Duarte Soalheira, de 70 anos, viúvo de Antonia Clara, jornaleiro, natural e morador em S. Vicente da Beira, filho de Francisco Duarte e Luiza Bernarda.

22-10-1918: Albertina, de 20 meses, filha de Francisco João e Joaquina Alves, naturais e moradores na Paradanta.

24-10-1918: Jacinta Maria, de 34 anos, casada com Joaquim Bartolomeu, natural e moradora na Partida, filha de João Alexandre e Joaquina Maria.

26-10-1918: Adrião Mateus, 27 anos, solteiro, jornaleiro, natural e morador em S. Vicente da Beira, filho de José Mateus e Maria Luxindra, também de S. Vicente.

26-10-1918: Maria de Oliveira, de 52 dias, filha de Lopo Vitorino e Carolina de Oliveira, naturais e moradores em S. Vicente da Beira.

28-10-1918: Maria Luisa, de 3 anos, filha de Alexandre Caio e Antonia Carlota, naturais e moradores no Casal da Serra.

29-10-1918: Maria Amalia Roque, de 21 anos, solteira, doméstica. Filha de Manuel Roque e Ludovina Varanda, moradores em S. Vicente da Beira, na Rua Nicolau Veloso.

30-10-1918: Emilia do Rosario, de 23 anos, doméstica, filha de Francisco Afonso e Maria Sebastiana, naturais e moradores no Tripeiro.

30-10-1918: Maria do Rosario, de 23 anos, doméstica, filha de Antonio Fernandes (já falecido) e Maria Ludovina, moradora em S. Vicente da Beira.

30-10-1918: Antonio Caio, de 16 meses, filho de Alexandre Caio e Antonia Carlota, naturais e moradores no Casal da Serra.

31-10-1918: Ana Ramalho, de 29 anos, doméstica, filha de João Ramalho e Maria de São Pedro, todos naturais e moradores no Casal da Serra.

31-10-1918: Antonio Lourenço, de 28 anos, natural do Tripeiro, filho de José Lourenço e Maria Joaquina, moradores também no Tripeiro.

31-10-1918: Antonio Candeias, de 14 anos, pastor, filho de Manuel Luis Candeias e Maria da Conceição, naturais e moradores em S. Vicente da Beira. Faleceu de gripe pneumónica, no Hospital.

31-10-1918: João Marcelino, de 25 anos, filho de Joaquim Marcelino e Maria Ana, todos naturais e moradores no Tripeiro.

sexta-feira, 28 de maio de 2010

Dia de Portugal...


A artista Luci Bento, natural do Vale de Figueiras e a viver, actualmente, na Partida, é um dos 10 finalistas ao concurso “Empreendedorismo Inovador na Diáspora Portuguesa”.
No dia 8 de Junho, estará no Museu do Oriente, em Lisboa, onde participa num encontro entre candidatos finalistas vindos dos vários pontos do globo, entidades oficiais e empresas. As actividades serão encerradas pelo Senhor Presidente da República.
Depois segue para o Algarve, integrada na comitiva das comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, este ano realizadas na cidade de Faro. No dia 10 de Junho, pela televisão, saberemos se foi uma das vencedoras.
Boa Sorte!

Nota: A imagem acima apresentada é um pormenor de uma fotografia tirada pelo Pe. José Leitão, numa exposição de pintura da artista, realizada em S. Tiago, Partida. A foto já foi publicada nos Enxidros e nela estão, além de Luci Bento, o Pe. Branco e os presidentes da Câmara e da Junta.