Mostrando postagens com marcador vale de figueiras. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador vale de figueiras. Mostrar todas as postagens

domingo, 26 de junho de 2011

Vale de Figueiras

São bonitas as nossas aldeias de montanha: Casal da Serra, Paradanta e Vale de Figueiras.
A primeira aconchegada no colo da serra, a segunda estendida ao longo de um caminho de canseiras e a terceira metida num beco da montanha.
Sentado no penhasco do Castelo Velho, contei ao Ernesto Hipólito que visitara finalmente a única aldeia da freguesia que ainda não conhecia, Vale de Figueiras.
"Lá estás tu a dizer Vale de Figueiras. Já no blogue fazes a mesma coisa. É Vale de Figueira!"
De repente, alguém nos desviou a conversa para outro assunto e não concluímos este. Faço-o agora.
Primeiro, adorei conhecer o Vale de Figueiras. Da Partida, segue-se por um vale ribeirinho e de repente chegamos. É uma típica aldeia de montanha: vale estreito ajardinado por hortinhas bem cuidadas, casas alcantiladas nas encostas íngremes, o verde garrafa da vegetação salpicado pelo castanho das casas antigas e pelo branco das mais novas. Gente simpática, de cabelos loiros e olhos azuis. Perdeu-se aqui uma tribo de germanos, no seculo V! À entrada da povoação, termina o caminho fácil. Depois segue-se a pé ou de carro, mas com o credo na boca. O vale do ribeiro acaba um pouco mais à frente e por todos os lados a serra se empina. Caminhos bons para cabras e montanheses.
Vista dos meus enxidros, não se adivinham na serra encostas tão íngremes, para os lados da charneca. Pensava que só no Casal da Serra, do Cavaco para cima.
Segundo, o uso do plural no nome. Em toda a documentação em que tenho trabalhado, anterior a 1850, a povoação é sempre designada por Vale de Figueiras.
Tem lógica, pois o lugar tem as duas condições para ser abundante em figueiras: água com fartura e calor (o vento frio passa por cima). E haveria (há) muitas figueiras, pois uma não seria notícia neste nosso já sul mediterrânico.
Temo que a passagem do plural para o singular se deva a um lapso ou a uma decisão sem fundamento, como aconteceu recentemente com Cafede.
Sempre se escreveu Cafede, mas há anos o nome da povoação apareceu, nas placas das estradas, escrito com acento gráfico: Caféde. E pouco a pouco as pessoas interiorizaram que a palavra se escrevia assim e até os jornalistas da região passaram a escrever com acento. Agora já começam a emendar, mas as placas lá continuam, para baralhar.
E porque não leva acento agudo? Porque é uma palavra grave e estas não precisam de acento gráfico, para marcar a sílaba tónica, a que se lê com mais força. Há excepções, mas não para a palavra Cafede.

Nota: Estive em casa de uma sobrinha da Ti Mari´Zé Afonsa, daqui natural. Havia uma figueira enorme, que agora estará carregadinha de figos do Algarve.

terça-feira, 21 de junho de 2011

Pedro Martins

É ainda jovem, mas o seu trabalho já extravasa o nosso país.
Fotógrafo freelancer, colabora com a National Geographic - Portugal e com o jornal El Mundo, entre muitas outras publicações.
Participou na criação da rota da Gardunha, sendo autor das imagens do livro "Geopark Naturtejo da Meseta Meridional - 600 milhões de anos em imagens".
Tem raízes no Vale de Figueiras e vive em Castelo Branco.
A sua exposição "Natureza das Paisagens" decorre na Sala da Nora - Cine-Teatro Avenida, em Castelo Branco, até final desta semana (dia 24).
Entre imagens de Monsanto, Espanha e Islândia, podemos admirar o seu torrão natal: a Praça de São Vicente, no crepúsculo da noite; o ribeiro da Senhora da Orada, no sítio da ponte de acesso à fonte; os bombos da Partida, na volta ritual à capela de São Tiago, em dia de romaria.



O endereço da sua página, na internet, é o: http://www.pmartins.net/
No seu blogue pessoal (www.pedrormartins.blogspot.com), podemos ver o filme desta exposição, nomeadamente as três imagens da nossa freguesia.

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Pneumónica 4

Conclusões
Apresentam-se algumas conclusões sobre a incidência da Gripe Pneumónica de 1918, na freguesia de São Vicente da Beira. Conclusões forçosamente parciais, pois o estudo ainda não está terminado.

1. A Gripe Pneumónica é a mesma que agora denominamos por Gripe A.

2. A Gripe Pneumónica atacou Portugal por três vagas: final da Primavera e início do Verão de 1918, Outono de 1918 e Inverno/Primavera de 1919, mas apenas a segunda provocou grande mortalidade.

3. A nível nacional, foi no mês de Outubro que se registou a maior mortalidade. Mas, na freguesia de S. Vicente da Beira, o mês de Novembro foi o mais mortífero.

4. A média dos óbitos de 1917-1919 foi de 4,8 mortes por mês, exceptuando os meses da Pneumónica, em que os óbitos subiram para 20, em Outubro, e 66, em Novembro.

5. Portugal Continental teve uma taxa de mortalidade de 1,08%, com um máximo de 7% em Benavente, Ribatejo. A freguesia de S. Vicente da Beira registou uma taxa de mortalidade de cerca de 2,40%, uma percentagem superior à média nacional.

6. A Gripe Pneumónica entrou na freguesia pelo Tripeiro, S. Vicente e Casal da Serra, povos onde se registaram mais óbitos, em Outubro. No mês seguinte, continuou a fustigar o Casal da Serra e S. Vicente, mas provocou enorme mortandade também na Partida. As restantes povoações, excepto o Tripeiro, a Paradanta e Pereiros, registaram poucas mortes.

7. Na época, S. Vicente, Partida e Casal da Serra eram as povoações maiores da freguesia (ver publicação “Curiosidade Demográfica”, do passado 31 de Outubro). Tal facto não justifica, só por si, uma maior mortalidade. Esta ter-se-á devido, também, ao facto de as pessoas estarem mais juntas e por isso transmitirem a gripe umas às outras, mais facilmente.

8. A Paradanta é a excepção que nos impede de concluir que a Gripe atacou as povoações maiores e localizadas em corredores viários. No entanto, este povo situa-se num corredor formado pelos vales de dois ribeiros, que eram locais de passagem. Um corre para oeste, para a Partida, onde, com outros, forma a Ribeira do Tripeiro, e o outro corre para nordeste, pelo Vale D´Urso e Castelejo.

9. O Vale de Figueiras não teve óbitos nestes meses, e o Violeiro e o Mourelo sofreram mortalidades muito aquém do que seria normal, em povos com da sua dimensão.

10. Durante a Gripe Pneumónica, as 10 camas do Hospital da Misericórdia só receberam doentes da Vila e a elite local não foi ali internada (terá pago consultas a domicílio). Desconhecemos se o internamento unicamente de pessoas de São Vicente se terá devido a uma proibição de deslocação de doentes ou se, simplesmente, os familiares optaram por não sujeitar os doentes a grandes deslocações, por falta de esperança na cura ou para não agravar o seu estado de saúde. A documentação do Hospital nada refere sobre uma proibição, interna ou externa, de internamento de doentes de fora da Vila.

11. Na povoação de São Vicente, o internamento no Hospital terá atenuado a mortalidade, pois dos 29 doentes ali internados com Gripe Pneumónica, apenas 4 faleceram. A excepção terá sido Maria de Jesus Hipólito, esposa do enfermeiro do Hospital, que possivelmente contraiu o vírus através do seu marido.

12. Em 1918, o único cemitério da freguesia era o de São Vicente, certamente sem capacidade para receber tantos mortos. Sabemos que, no Casal da Serra, foram sepultados num terreno à esquerda da antiga capela, localizada no início da Rua da Lagariça. Situações semelhantes terão ocorrido noutros povos.

sexta-feira, 28 de maio de 2010

Dia de Portugal...


A artista Luci Bento, natural do Vale de Figueiras e a viver, actualmente, na Partida, é um dos 10 finalistas ao concurso “Empreendedorismo Inovador na Diáspora Portuguesa”.
No dia 8 de Junho, estará no Museu do Oriente, em Lisboa, onde participa num encontro entre candidatos finalistas vindos dos vários pontos do globo, entidades oficiais e empresas. As actividades serão encerradas pelo Senhor Presidente da República.
Depois segue para o Algarve, integrada na comitiva das comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, este ano realizadas na cidade de Faro. No dia 10 de Junho, pela televisão, saberemos se foi uma das vencedoras.
Boa Sorte!

Nota: A imagem acima apresentada é um pormenor de uma fotografia tirada pelo Pe. José Leitão, numa exposição de pintura da artista, realizada em S. Tiago, Partida. A foto já foi publicada nos Enxidros e nela estão, além de Luci Bento, o Pe. Branco e os presidentes da Câmara e da Junta.

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Os Museus de Luci Bento


As bonecas de Luci Bento

Toda a vida de Luci Bento é norteada pela concretização de um objectivo: a realização pessoal, o fazer aquilo de que gosta, que lhe dá prazer. Afinal, que melhor definição para uma artista?
Divide-se entre a Suiça e Portugal, as raízes e o país que lhe deu a oportunidade de descobrir a artista que vivia dentro de si.
Passa agora mais tempo entre nós e já se vêem os frutos dos seus projectos. As casas reconstruídas na Partida e no Vale de Figueiras destinam-se a expôr o produto do seu trabalho: as pinturas, as bonecas e as antiguidades.
Quer deixar aos netos as coisas que os avós usavam, para que eles percebam como foram esses tempos passados. Por isso, defende que nada se deite fora.
Uma mulher com três projectos: um Museu das Antiguidades, um Museu de Bonecas (tem cerca de 3 mil, muitas feitas por si) e um Museu da Pintura (a sua).
O seus quadros e as suas bonecas são os frutos do seu trabalho, já reconhecido internacionalmente. As antiguidades são as suas raízes.
Temos pedalada para esta mulher? Vão as associações, os poderes e a sociedade saber aproveitar aquilo que tão generosamente nos oferece? Oxalá!


Luci Bento e as suas velharias

Notas:
1. Fonte: Jornal Povo da Beira
2. Escrevo Vale de Figueiras, pois era esse o nome da povoação. Só recentemente, por erro de alguém, é que a passaram a denominar Vale de Figueira.

segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

Luci Bento




Luci Bento (Lucília Maria Bento) é natural do Vale de Figueiras, mas reside na Suíça.
No seu ateliê, em Lausanne, crianças de várias nacionalidades descobrem o artista que há dentro de si. Luci Bento não lhes ensina pintura, ensina-os a pintar: «...mergulha imediatamente os pequenos no banho da pintura, fornecendo-lhes todo o material de que necessitam.»
São os trabalhos dos seus pequenos pintores que podemos admirar, em Castelo Branco, na Sala da Nora, até ao fim de Janeiro.