domingo, 29 de janeiro de 2017

Conversas na Vila

Era mais uma manhã escura de janeiro. Na vila, fazia frio e chovia. Corria um daqueles invernos habituais, longos e modorrentos com chuva miudinha e persistente. Com a humidade excessiva, os quintais, à ilharga das casas, onde se acumulava o estrume dos animais, que se acomodavam na loja, por baixo ou ao lado das habitações, tinham um cheiro peculiar a decomposição, pouco agradável! O tempo passava lento, com aquele assardaniscar do carujo a ensopar a terra, mas a fazer crescer as águas freáticas e a ribeira, o que era bom!
Mas certo é que, com o tempo que fazia, a vida nas fazendas era muito agreste. Mesmo assim, todos se levantavam logo pela manhã cedo, ainda ao lusco-fusco.
A mulher punha o almoço em cima da mesa da cozinha. Comiam as migas ou as sopas de leite ou o feijão pequeno e, ala que se faz tarde! Com o almoço na barriga, os homens lá iam, casaco pelas costas, para se protegerem da humidade e do ar frio da manhã, dar o almoço aos vivos, que já faziam a chinfrineira matinal com a fome. A burra zurrava assim que ouvia a voz do dono e os porcos cuí, cuí, pediam também o almoço! A manhã avançava e andavam por ali, entretidos, a dar as forragens secas ao gado, guardadas desde o último verão. Ração de feno para ovelhas e cabras. Palha triga e caneirões de milho para os animais de carga e de tiro.
— Raio de tempo este que não deixa fazer nada nas fazendas! — disse Bernardo Garrancho, de si para si, arreliado com a invernia que tudo trazia enchapuçado!  — As fazendas querem ver o dono todos os dias! E ninguém as trata melhor! Por isso, lá diziam os antigos, “Quando o dono morre, as fazendas vão com ele!”
Por vezes passava ali pela porta da loja um vizinho ou mesmo um conviva habitual dos domingos à tarde, na taberna:
— Bons dias nos dê Deus!
— Tu por aqui, Tonho?! Tu que moras da praça baixo, aqui no cimo de vila a esta hora?! Anda por aí passarinho novo!
O seu nome era António Dias, mas os amigos chamavam-lhe Tonho Racha! A alcunha vinha-lhe de repetir muitas vezes na roda de conversadores, na praça ou na taberna, sobretudo quando já estava com um copito: “Se for preciso, racha-se já um diabo!” Apanharam-lhe o ponto! Mas lidava bem com a alcunha que, afinal, não lhe arrancava nenhum bocado! À provocação de Garrancho respondeu:
— Ná! Não quero, nem tenho idade para isso! A minha mulher tem feito vir muitos ao mundo porque … é a parteira da terra!
— Bem sei! E que tem isso?!
— Tem que, para alvoroço de crianças, já basta as que tenho, que são minhas e dela e as dos outros que ela vai ajudando a nascer! 
— Então e depois?!
— Depois, é que vim só a dizer ali ao João Jarêto para falar com o patrão a ver se me pode ir lá dar uma jeira daqui a um mês ou dois, à entrada da primavera. Tenho a fazenda do Vale de Caria com o mato a querer avançar para um leirão que este ano quero semear de batata. Aquilo tem que ser atalhado quanto antes. Senão, os vizinhos vá de me censurarem a dizer que ali não entra ferro de enxada nem charrua! E, como bem sabes, a semente quer mudar de terra de vez em quando, senão deixa de luzir! Olha lá, ou!... Mas, que andas tu a fazer, Bernardo?!
— O que hei de andar a fazer, Tonho? — respondeu Bernardo Garrancho. — Com o tempo como tem ido, ando aqui a dar de comer à burra e aos bácoros, porque as cabras, essas, estão sempre na serra. O meu neto, que pode bem melhor que eu, ainda hoje tem que dar lá um salto para lhes dar a ração, apesar do tempo que faz! Tenho lá ainda as galinhas e os coelhos que também estão sempre a reclamar a sua parte. Na semana passada a raposa fez-me lá estragos! Escavou um buraco por baixo da parede de madeira e rede do galinheiro, conseguiu entrar e matou-me meia dúzia de galinhas, o estupor! Aquilo deve ter sido um desassossego! Mas quê?! Se é no verão, estamos a dormir lá ao lado, em casa, e podemos acudir logo que haja alarido nos animais. De inverno vimos a dormir para a vila e é o que se vê! Já viste como vai este ano que ainda há dias começou?! Um alagoeiro que alto lá com ele! Nada se pode fazer que as terras não estão capazes!
— Deixá-lo — retorquiu Tonho Racha. — Uma temporada assim é boa para as couves negras e, sobretudo, para as nascentes. Sem elas como é que, no verão, regamos as batatas, os tomates e as alfaces?! Sofremos esta inclemência, se é que podemos assim chamar-lhe, mas a partir da primavera, vamos gozar o que agora estamos a amargar! E lá diz o ditado: “Quem manda, pode”!
S. Pedro, que era quem podia, não estava a colaborar. Aquela invernia ensopava tudo!
— Mas — acrescentou Tonho Racha — volúvel, é a oração do crente! Agora quer chuva, logo quer sol e calor! Por isso é que o santo decide como lhe apraz, sem atender aos rogos dos homens!
O resultado ver-se-ia na primavera, com a natureza a rebentar, prenhe vida.
O “casarão”, assim designado pela família, era a loja térrea dos animais em casa de Garrancho, onde os dois amigos se encontravam em amena conversa. Espaço em parte coberto pela “casa velha”, também assim apodada pela família e, em parte, a céu aberto. Tinha um portão largo que dava diretamente para a rua, por onde entravam as carradas de mato e carqueja, mas também o feno, a palha e os caneirões para o gado, no inverno. E de onde saía o estrume para todas as fazendas que ele cultivava.    
— Mas, ó Tonho — disse Bernardo Garrancho — tenho aqui um barril de tinto na loja. Está ali a ouvir a conversa! Vai um copinho? Olha que é de boa vontade!
Tonho Racha era um grande apreciador de aguardente, a sua bebida preferida pela manhã cedo, logo que se levantava! Depois, durante o dia, passava tanto para o vinho tinto como para o branco! Dizia que nunca fora homem com preferência por qualquer cor! E nunca recusava um copo à porta de uma adega, desde que fosse cheio de uma bebida da família da uva fermentada.
— Se vai?! Homessa! Ó Bernardo, isso nem se pergunta! Um homem, para ser um bom cristão, nunca deve recusar um copo de vinho! É como se fosse uma obrigação e até um preceito da nossa religião! Na adega, como na missa, há de beber-se sempre vinho! — riram!
Bernardo Garrancho estendeu-lhe o copo de meio quartilho que Tonho levou à boca e bebeu sem descansar.
— Aaah! — fez de satisfação!
A seguir a um copo foi outro, que Garrancho gostava de tratar bem os amigos! E Tonho Racha não se fez rogado.
— Já fui a muitas adegas cá na vila a provar o deste ano — disse — e olha que este é um dos mais bem apaladados! — concordaram os dois!
— Espera! — disse Garrancho — tens ainda que beber mais um. Vou ali à salgadeira buscar um bocado de presunto para acompanhar.
Veio um pedaço de presunto. Febra bem curada de sal, com uma tira de gordura entremeada para não saber a seco! Mas Bernardo foi ainda buscar um bom naco de queijo de cabra curado que a mulher era hábil em fazer e metade de um casqueiro!
— Mau, ó Bernardo, não me estejas já a arranjar o jantar! Olha que ainda é muito cedo! Ainda agora é de manhã!
— Nada disso. Hoje já comeste o almoço?
— Bebi só um copo de aguardente com passas de figo.
— Ora então aí tens! Isto é apenas uma bucha para aconchegar. Toca a comer e a beber!
Depois, aproveitaram para conversar sobre a agricultura e as sementeiras. Como é que ia o tempo, como é que não ia. Se andava bom para as colheitas, se não andava. E mal se descuidaram estava a chegar a hora do jantar. Despediram-se com mais um copo para a sossega!
Não fossem os afazeres com os animais nas lojas e os amigos para o palratório e estes homens andariam ali por casa a rebolar, sem nada produzir, como que a morrinhar ou sentados à lareira. Quando assim era, uma dormência tolhia-lhes o corpo habituado que estava à exercitação diária do trabalho. As pernas entorpeciam. Depois, levantavam-se e iam ao janelo da cozinha, encostavam-se à vidraça a olhar o horizonte. Lá fora, via-se a invernia muito agarrada que acaçapava todo o vale onde se situa a vila, ao fundo da encosta da Gardunha. E depois punham-se, absortos, a ver cair a água dos beirais, mesmo ali nas casas defronte. O regato à roda das parede de ambos os lados da calçada lá ia, rua abaixo, com pouco mais que uma chisca. Com as trovoadas e aguaceiros é que a valeta, pouco profunda, não podia conter o caudal que extravasava para a calçada.
Mas muitas vezes os homens, nestas manhãs molhadas, também iam para a taberna fazer sociedade. Bebiam, riam em voz alta, jogavam as cartas, ao tanguinho ou ao burro. Falavam dos negócios do gado, da vida agrícola e contavam passagens para matar o tempo. E assim passavam a maior parte destes invernos feios e mortiços, sem nada poder fazer!
Inverno rima com inferno!
Seria isto uma grande verdade, não fosse certo que a água é um bem precioso que não podemos dispensar e que torna a natureza úbere!
Eram estes homens, prisioneiros da sua própria condição, que vinham às portas das lojas, das casas ou das tabernas. Olhavam, impotentes, o cinzento carregado do firmamento, enquanto a chuva fazia o seu caminho do céu à terra, aspergindo-a vagarosamente como uma canção dolente!

Nota: neste texto foram utilizados termos ou expressões regionais ou locais.  

José Barroso 

sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

Voltemos à foto de um casamento

Republico esta foto, para compreender melhor os últimos comentários do Zé Barroso e da Libânia.
Relembra que a foto, aqui publicada a 30 de setembro de 2016, foi-me dada pelo Francisco Matias.


Há alguns dias estive na vila e comecei a lembrar-me da fotografia do casamento dos anos sessenta publicada neste blogue em 30 de setembro de 2016. E tenho a certeza de que não é o casamento dos pais do Toninho. Por várias razões, entre as quais há esta: está uma pessoa identificada sem qualquer dúvida. Trata-se da Carmelinda, filha do Domingos Bispo do Caldeira. Na fotografia, está em frente da Maria do Carmo, esta filha do ti' Carlos do Chão da Bica, as duas com véu branco. A Carmelinda terá ali 6, 7 ou 8 anos. Falei com ela ao telefone. Disse-me que o Toninho é da idade dela. Logo, não pode ser o casamento dos pais deste. 
Possibilidade: pode ser o casamento dos pais do (acho que se chamava assim) Tó Zé (nós conhecíamo-lo por Jarmelas). Se são estes, casaram e penso que foram para África. Vieram após 1974. O Jarmelas trabalhava no Sindicato dos Pescadores do Norte e veio à televisão várias vezes a falar em nome deste sindicato. Faleceu há uns anos, ainda novo. Julgo que reside (ou residia há muito pouco tempo) na vila (Caldeira) uma irmã dele (Alice). Esta é que poderá adiantar mais qualquer coisa. Será que pode? De qualquer modo, as idades destes irmãos, penso, é que já serão temporalmente compatíveis com o evento do casamento.
À atenção, se quiserem, da MLFerreira e do ZT.
Abraços.
ZB

Quanto à identidade dos noivos da fotografia publicada em Setembro último, talvez o Zé Barroso tenha razão, mas na altura mostrei-a à Maria José Agostinho que não teve dúvidas em identificar o noivo como um dos irmãos da mãe, a senhora Resgate, que aparece atrás dos noivos. O Senhor Vigário e a Menina Maria de Jesus Ramalho que também foram convidados, seriam primos da noiva, Eugénia Ramalho. Vou tentar esclarecer um pouco melhor, mas o problema é que as pessoas que mais podiam ajudar já estão todas faltas de vista…

M. L. Ferreira

Se a menina de véu branco à frente da Maria do Carmo é mesmo a Carmelinda, (somos da mesma idade), os noivos não podem ser os pais do Toninho que é pouco mais novo que nós.
Mas para ajudar a esclarecer o “mistério” mostrei hoje a fotografia ao Senhor António Inês (O Marinheiro) que parece que também não teve dúvidas em identificar o primo Manuel e muitas outras pessoas da família entre os convidados.
E a propósito desse casamento contou que nunca tinha visto uma noiva tão chorosa: chorava antes, durante e depois do casamento (na fotografia até parece contente…) porque o pai a tinha obrigado a acabar o namoro com o rapaz de quem gostava desde os bancos da escola, e lhe fez o casamento com o outro que tinha mais terras. Como se não bastasse esse desgosto, ficou viúva muito cedo e teve que fazer pela vida sozinha com um filho nos braços. Passados muitos anos veio a encontrar-se com o antigo namorado, também já viúvo, e decidiram viver juntos. Mas também não foi feliz, porque ele morreu passado pouco tempo. Ele há amores assim, infelizes, dê o mundo as voltas que der…
Acho que a noiva ainda é viva. Será que não há ninguém que lhe mostre a fotografia? Ninguém melhor que ela pode confirmar se é ou não a noiva.

M. L. Ferreira

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

Histórias dos enxidros aos casais


Uma colega, nascida e criada em Lisboa, mas com raízes na Beira, comprou um livro dos Enxidros e disse-me que o ia oferecer à mãe, pois ela gostaria de ler aquelas histórias antigas.
Afinal leu-o ela primeira, aproveitando uma viagem de comboio para Lisboa. Ficou maravilhada com as nossas histórias, lamentando-se de em Lisboa não ter tido vivências tão interessantes como as que nós tivemos por cá. Não concordo muito, pois o interesse das vivências depende sobretudo da importância que lhe dá quem as vive. Mas pronto, fiquei babado.
A imagem, dos alunos do 2.º ciclo do agrupamento de escolas José Sanches (Alcains) e S. Vicente da Beira, retrata o entardecer em que uma banda de rock inglesa nos veio desassossegar, no verão de 1975, com um ritmo maluco que nós mal conhecíamos ainda. No desenho, os autores puseram a assistência a vibrar com a música, porque já são deste tempo e por isso não estiveram entre aquela assistência pasmada.

José Teodoro Prata

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Natal beirão

UM AUTO DE NATAL
Natal Beirão

Da Etnografia da Beira, de Jaime Lopes Dias,
transformado em texto dramático por José Teodoro Prata,
adaptado a São Vicente da Beira por José Manuel dos Santos 
e representado, neste Natal, pelo Rancho Folclórico Vicentino.

O espaço assemelha-se a uma Igreja, com um corredor a meio e o público dos dois lados. No lado oposto à entrada, em local elevado, está um presépio vivo, com as principais figuras (São José, Nossa Senhora e o Menino Jesus) e eventualmente outras figuras tradicionais.
Um padre (ou um leigo com essa tarefa) aparece em local visível por todos e fala:

Padre:
É Natal. Alegremo-nos, nesta noite santa.
Comemoramos o nascimento de Jesus, que é Deus feito Homem.
Com alegria, cantemos todos:

Todos os presentes:

Alegrem-se os céus e a terra
Cantemos com alegria
Que já nasceu o Menino
Filho da Virgem Maria

Entrai pastores entrai
Por esse portal sagrado
Vinde adorar o Menino
Numas palhinhas deitado

Ao fundo da igreja, encontram-se as personagens intervenientes.
Os pastores avançam um passo e cantam:

Ó meu Menino Jesus
Ó meu menino tão belo
Logo vieste nascer
Na noite do caramelo

Avança o primeiro pastor, dando alguns passos em frente.
Entretanto, surge uma estrela que guia o pastor até ao altar. Esta deve estar sincronizada com os movimentos e paragens que os pastores vão fazendo até chegarem ao presépio.
Primeiro Pastor:

Vi uma estrela brilhante
E anjos a cantar
Levantei-me, comecei a andar
Até este local distante

Ó meu Menino Jesus
Ó meu Menino adorado
Aqui tendes a visita
Dos pobres pastores de gado

O primeiro pastor avança mais um pouco pela coxia e continua a declamar:
                                                                                                                                                                    
Ó estrela luminosa
Meus passos alumia
Que eu venho visitar
O filho da Virgem Maria

Perto da capela-mor:

Ó meu Menino Jesus
Estou muito admirado
De Vos ver com tanto frio
Nessas palhinhas deitado

Chega ao presépio, volta-se para o Menino dizendo:

A oferta que Vos trago
É simples e de pouco valor
É apenas um cordeiro
Dos que guarda o pastor

Ajoelha, beija o Menino e continua a declamar:

Também trago uma merenda
Das que me dá o patrão
Ó meu Menino Jesus
Tende de nós compaixão

A estrela inicia o caminho de regresso e o pastor despede-se dizendo:

Adeus Menino Jesus
As costas Vos vou virar
Adeus, até para o ano
Se eu cá puder voltar

Desce a coxia e junta-se aos outros pastores. Cantam todos:

Ó meu Menino Jesus
Ó meu Menino tão belo
Logo vieste nascer
Na noite do caramelo

Um segundo pastor entra em cena:

Junto ao gado eu dormitava
Quando ouvi anjos a cantar
Glória, paz na Terra, toca a levantar
Vamos adorar o Menino                                                                                                                                                                     

Não há vida mais triste
Do que a vida de pastor
De inverno apanha frio
De verão muito calor

Avança e no meio da igreja e continua a declamar:

Eu vos peço meu Menino
Do fundo do coração
Que me livreis de guardar gado
E que eu venha a ser patrão

Em frente ao presépio:

Trago-Vos umas castanhas
Que tinha enterradas no chão
Não as roubei a ninguém
São das que me deu o patrão

Finda a atuação do segundo pastor, o padre faz sinal à estrela para sair pela lateral e ela avança. O público zomba, rindo, mas o segundo pastor diz:

Entrei pela porta principal
Por ela quero sair
De nada me importa
Que esta gente se esteja a rir

De frente para o presépio, despede-se:

Cá voltarei para o ano
Se ainda for pastor
A visitar-Vos Deus Menino
Que Vos tenho muito amor

Desce a coxia e junta-se aos outros e todos juntos cantam:

Ó meu Menino Jesus
Ó meu Menino tão belo
Logo vieste nascer
Na noite do caramelo

Um terceiro pastor avança, levando um cabrito e um sarrão.
O cabrito berra e o pastor tenta acalma-lo; como não consegue, pede ajuda ao padre:

Ó senhor padre Manuel
Mande-me cá o sacristão
Que se não quer calar
Este grande berrão
                                                                                                                          
Entretanto, cala-se o cabrito e o terceiro pastor volta-se para as pessoas e diz:

Cá vem o pobre pastor
Que sempre usa seu cajado
Seu ofício, toda a vida
É andar a guardar gado

Chego a casa, enfadado
De andar lá pelo monte
Ainda a patroa me diz
Ó criaaado, vai à fonte

Em frente ao presépio:

Vem qui comigo
Um cabrito a saltar
Cá Vos o deixo meu Menino
Aos pés do Vosso altar

Entretanto, uma pessoa da assistência comenta:

Fraquinho! Muito fraquinho…

O público ri, mas o terceiro pastor não se mostra muito incomodado com a crítica e responde:

Ó meu Menino Jesus
Bem me podeis perdoar
Isto de fazer versos
É para quem os sabe quadrar

O público retoma a risada e o pastor com voz cava vai desabafando:

Ó meu Menino Jesus
Esta gente está-se a rir
Eu já nem vejo a porta
Por onde hei-de sair


A estrela começa a regressar e o terceiro pastor despede-se:

Ó meu Menino Jesus
Não me posso demorar
Pró ano se tiver saúde
Cá tornarei a voltar
                                                                                                                                                                
Regressa para junto dos outros e todos cantam:

Ó meu Menino Jesus
Ó meu Menino tão belo
Logo vieste nascer
Na noite do caramelo

Um quarto pastor avança e, voltando-se para o público, diz:

Esta noite de Natal
É noite de alegria
Vimos adorar o Menino
Filho da Virgem Maria

Vai subindo e no meio da coxia:

É meu Menino Jesus
É meu Deus verdadeiro
Foram-se-me os lobos ao gado
Levaram-me um cordeiro

Junto ao presépio:

Ó meu Menino Jesus
Eu vivo numas montanhas
Pouco mais tenho para vos dar
Do que umas tristes castanhas

Adeus, meu Menino Jesus
Filho da Virgem Maria
Se eu chegar a ser patrão
Até choro de alegria

Volta-se para o público:

Esta vida de pastor
É custosa de levar
Se não tira o gado a horas
O patrão começa a ralhar

Desce e todos cantam novamente:

Ó meu Menino Jesus
Ó meu Menino tão belo
Logo vieste nascer
Na noite do caramelo
                                                                                                                                                                   
O quinto pastor avança e começa a função dizendo:

Se algum ponto errar
Ninguém se deve rir
A porta do errar é larga
Todos lá podem cair

No meio da coxia, volta-se para o público:

Esta estrela luminosa
Por onde passa, alumia
Ela me vai ensinar
O filho da Virgem Maria

No presépio, beija o Menino e diz:

Aqui trago, Menino Jesus
Dentro do meu sarrão
Uma garrafa de Vinho
Que me deu o patrão

Faz menção para se retirar, mas volta-se novamente para o Menino:

Ó meu Menino Jesus
Já me ia a esquecer
Ainda cá tenho uma chouriça
Que é para vos oferecer

Regressa e cantam todos:

Ó meu Menino Jesus
Ó meu Menino tão belo
Logo vieste nascer
Na noite do caramelo

Padre:
Há mais alguém que tenha prendas para oferecer ao Menino?

Sobe um ganhão e diz:
Eu também quero adorar o Menino

Depois, junto ao presépio:

Eu Vos ofereço esta garrafinha
De vinho moscatel
Bem sei que não é para Vós
Mas para o senhor padre José Manuel
                                                                                                                                                                      
Uma camponesa sobre também e declama:

Eu deixo este agasalhinho
Para Vos aquecer
Fi-lo para Vo-lo oferecer
É de lã e bem quentinho

Uma costureira trazendo roupinhas:

Menino Jesus
Tenho que Vos dar
Pelos Vossos pés
Hei-de começar

O primeiro dado
Hão-de ser sapatos
Hemos de ir à feira
Comprá-los baratos

Já tendes sapatos
Precisais de meiinhas
Eu Vo-las farei
De linhas bem finas

Já tendes camisa
Precisais jaleque
Eu Vo-lo darei
De pano de crepe

Menino Jesus
Que mais Vos hei de dar!
Uma rica cama
Para Vos deitar

Uma padeira, com açafate na mão, sobe a coxia e declama:

Eu sou a padeira
Trago pães bem fresquinhos
Ouçam meus queridinhos
Quero ser a primeira

A adorar o Salvador…
Tão bonito que Ele é
Filho de Maria e José
Lindo, lindo, um amor

                                                                                                                                                                
Atrás vem uma lavadeira:

Eu sou a lavadeira
Seus cueiros quero lavar
Hei-de pô-los a corar
Na nossa ribeira

Avança a leiteira e diz:

Eu venho dar ao Divino
Um queijinho amanteigado
Há muito o tinha guardado
Para o oferecer ao Menino

No meio das pessoas surge uma voz:

Estou muito contente
Hoje nasceu o Salvador
Nosso rei e Senhor
Protege São Vicente

Ampara, guarda, dá saúde à nossa gente
Pereiros, Partida, Casal da Serra ou Mourelo
Vale de Figueira, Paradanta, Tripeiro ou Violeiro
Menino Jesus, é povo de São Vicente

Todos as personagens recitam:

Bendito e louvado seja
O Menino Jesus nascido
No ventre da Virgem Maria
Nove meses andou escondido

A assistência, com uma flor ou um raminho de oliveira na mão, intromete-se dizendo:

Pai-nosso vimos pedir
Paz, alegria, misericórdia e amor
Aceita Menino esta flor
Já é tarde, vamos dormir


Ó meu Menino Jesus
Dorme um soninho descansado
Muito obrigado
 Por este serão de truz                                             
                                                                                                                                                                        
O padre o termina o auto:

A todos os presentes
Tenham uma noite descansada
Apesar de estar gelada
Espero que estejam contentes

O Menino está dormindo
Nos braços da Virgem pura
Os anjos Lhe estão cantando
Meu amor, minha doçura!

As personagens, no fundo da igreja, cantam:

O Menino está dormindo
Nos braços da Virgem pura
Os anjos Lhe estão cantando
Meu amor, minha doçura!

Todos batem palmas e, enquanto vão saindo, cantam:

Ó meu Menino Jesus
Ó meu Menino tão belo
Logo vieste nascer
Na noite do caramelo

Fim

José Teodoro Prata

domingo, 22 de janeiro de 2017

Casas unidas

Uma das virtudes deste blogue é ajudar-nos a olhar para alguns aspetos da nossa terra com mais atenção e ver coisas que durante muito tempo nos escaparam. Até a razão de ser da sua toponímia de que já foram dados alguns exemplos interessantes.
Sobre as ruas Manuel Lopes e Manuel Simões, e as casas em que provavelmente moraram os homens que lhes deram o nome, deixou-me curiosa o facto de existir uma passagem entre elas. Perguntei ao Joaquim Pereira (Reinoco) que viveu na da rua Manuel Lopes se se lembrava dessa passagem e ele confirmou que havia essa e outras que comunicavam com a casa da ti Marizé Gata e a do Maiaca. Terão sido casas de judeus? E seriam os Lopes, os Simões e os Guerra, descendentes de judeus? Os nomes são comuns nos Cristão Novos que tiveram que abdicar do direito de usar os seus nomes judaicos para poderem permanecer em Portugal.
É interessante o nome de Grácia, mulher de Manuel Lopes. Era também o nome de uma das mulheres mais poderosas do século XVI, nascida em Portugal e herdeira de uma das maiores famílias de banqueiros Cristão Novos da Europa – Os Mendes.
Casa com janela manuelina, na Rua Manuel Lopes.

Balcão seiscentista em casa da Rua Manuel Simões.

M. L. Ferreira

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Casas da Memória

Adquirir hábitos culturais demora tempo, a partir dos bancos da escola deveria haver uma disciplina que ensinasse as crianças incutindo nelas o amor pela cultura. Teatro, música, cinema, pintura e por aí fora.
O corpo dá sinais quando tem fome, sede… o espírito não, corpo precisa de alimento, também devemos dar ao espírito os alimentos que necessita, cuidá-lo, mima-lo com as belezas que as artes nos oferecem.
Na cidade de Castelo Branco já existem ao longo do ano as mais variadas exposições e muitos museus.
O Centro de Cultura Contemporânea de Castelo Branco mostra as mais diversas formas de arte, a Casa da Nora também. O antigo edifício dos correios, os museus Cargaleiro, Francisco Tavares Proença Júnior, Arte Sacra, Museu da Memória Judaica… Ofertas culturais que a cidade oferece, que vale a pena ver
No ano 2016, visitei o Museu Nacional de Arte Antiga que se situa na Rua das Janelas Verdes, em Lisboa. Este museu guarda um espólio muito rico; pinturas de autores portugueses (Domingos Sequeira, Vieira Portuense…), europeus (Bosch, Durer…), esculturas, arte da China, India, Japão, mobiliário, biombos, ourivesaria, cerâmica. Lá se encontra a famosa custódia de Belém, os célebres painéis de São Vicente de Nuno Gonçalves…
Todos os portugueses o deviam visitar.
Os funcionários, sempre atenciosos para responderem às nossas dúvidas.
Todo o espólio exposto é uma maravilha, mas, uma cadeira me despertou atenção redobrada. Porquê! Na nossa vila existe um “exemplar” muito parecido. Sabem onde se encontra!?
O segundo museu que vou citar é também um museu nacional, fica na airosa cidade de Viseu, paredes meias com a monumental Sé, é o Museu Nacional Gão Vasco. Deve o seu nome ao mestre viseense Vasco Fernandes e guarda um espólio muito importante de obras de arte do mestre e seus colaboradores. Para além dos quadros, existem numerosos objectos que serviam o culto religioso: imagens, cálices….
O espaço é magnífico. No outro lado da praça, em frente, encontra-se a igreja da misericórdia, que possui também um rico acervo museológico. Estes monumentos estão cercados de artérias medievas com as casas bem preservadas.
Vale a pena visitar a cidade de Viseu.
Há muitos anos que não revisitava a igreja de São Roque e o museu da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa. Quando o visitei pela primeira vez era um pequeno espaço museológico. Juntamente com os meus irmãos António e João Maria, encontrei um grande, valioso e maravilhoso museu. Rico em paramentaria, ourivesaria, pinturas, relicários, tocheiros. A capela de São João Batista, uma maravilha!
Realço o quadro que representa o casamento do rei D. Manuel l com a princesa Dona Leonor, onde figura o vicentino D. Álvaro da Costa. Terá sido o primeiro provedor da misericórdia de Lisboa.
Finalmente, menciono o mais recente museu da cidade albicastrense, chama-se Museu da Memória Judaica.
Situa-se na Rua das Olarias, o local onde se encontra foi muito bem escolhido, a câmara aproveitou o que restava das muralhas.
Através do seu espólio, ficamos a conhecer a presença hebraica na cidade de Castelo Branco. Vale a pena parar um pouco e escutar, graças às novas tecnologias, episódios que aconteceram a pessoas acusadas pelo tribunal da Inquisição.
Olhar as peças que servem os rituais judaicos, o grande painel onde figuram os nomes dos judeus que de uma maneira ou outra sofreram perseguições, condenações no tribunal do santo ofício. Amato Lusitano foi um dos que sofreu na pele os esbirros da inquisição.
É um espaço agradável e bonito, fiquem bem.




J.M.S

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Fontes: Manuel Lopes e Manuel Simões

A Rua Manuel Lopes sobe pelo meio do Cimo de Vila. Já a Rua Manuel Simões é uma travessa que liga as artérias lá do alto quase todas. Encontram-se as duas na esquina da ti Mariazé Gata, onde também morava a sr.ª Celeste Dias, parteira, e o tio Miguel Jerónimo, carniceiro.
Penso que a casa do Manuel Lopes Guerra seria a da janela manuelina. E o Manuel Simões, clérigo licenciado que chegou a ser vigário de São Vicente da Beira, moraria na casa com balcão seiscentista, onde depois nasceu a Maria Benedita, que daria origem à Casa Cunha.
O meu primo João Benevides Prata contou-me, um dia, que estas duas casas estavam unidas pelos sótãos, havendo passagem de umas para as outras.
Mas qual a ligação familiar entre os Lopes Guerra e os Simões? Este registo de casamento de 1745 ajuda um pouco.
O noivo, o Doutor Francisco Simões Cardoso era filho de Manuel Lopes Guerra e de sua esposa Mariana Gracia, de São Romão. Uma das testemunhas foi o Doutor Cláudio António Simões, outro filho de Manuel Lopes. O apelido do Manuel Simões passou para os filhos de Manuel Lopes Guerra. Porquê?

José Teodoro Prata

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Fontes: Os Pousão do Violeiro

... vieram de Pousafoles, Sarzedas.
Eu explico. Como estarão lembrados, o Domingos Nunes Pousão, do Violeiro, casou com uma Cabral de Pina, de Fornos de Algodres, irmã do vigário de São Vicente da Beira,  e foram antepassados dos Viscondes de Tinalhas.
Ora o registo de casamento que abaixo se apresenta, de 1681 (a data está parcialmente ilegível, mas pode datar-se pelos outros registos), informa-nos do casamento dos pais desse Domingos Nunes Pousão. O pai chamava-se Domingos Fernandes e a mãe Isabel Nunes. Na margem esquerda, acrescentou-se Pousão ao nome do noivo. Seria uma alcunha, por ser de Pousafoles.
Com o filho, a alcunha passou a apelido. E os filhos de Domingos Nunes Pousão nenhum ficou no Violeiro: uma casou em Tinalhas e os outros quatro, celibatários, fixaram-se em São Vicente. Mas talvez ele tivesse irmãos e assim ainda haja pelo Violeiro descendentes deste Pousão de Pousafoles (mesmo que não usem o apelido).


José Teodoro Prata