Mostrando postagens com marcador zé da villa. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador zé da villa. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 11 de maio de 2017

Fátima

A Senhora

Certo dia num lugar isolado
Três inocentes criancinhas
Apascentavam ovelhinhas
Uma olhou para o lado

Olhem para além
Diz a pastorinha
Mais velhinha,
Vamos ver também

Em cima de uma azinheira pousou
Uma Senhora muito brilhante
Com voz doce, sorridente
A aparição falou

Sou a mãe de Jesus
Fala com delicadeza
A sua beleza
É uma torrente de luz

 Docemente a sorrir
A Senhora da claridade
Cheia de bondade
Diz aos pastorinhos vou subir

Quero-vos ver aqui novamente
No próximo mês a esta hora
Adeus, vou-me embora
Com as mãos postas subiu lentamente

Ave Maria mãe de Deus
Rezam ajoelhados
Enquanto olhavam extasiados
A Senhora que subia aos céus

Zé da Villa 

segunda-feira, 13 de março de 2017

Mas doce ilusão

O dia chegará
Tudo terminará
Quando esse dia chegar
E tudo terminar
Os sinos tocarão
Dlim, dlão…dlim, dlão
Dentro de um caixão
Alguém te levará
Ao lugar do esquecimento
Ossos, cinza, terra, meu irmão
Nada mais, encontrarão

Carnaval, ilusão
Matrafonas, folia,
Três dias, dois dias, um dia
Foliões, ilusões
Máscaras, desnudos
Batuques, danças, entrudos
Piadas, engraçadas
Carne vale
Ninguém leva a mal

Recorda-te homem
Não és nada, pó
Só!?
Sim; pó, aleivosia
Até um dia, qualquer dia
Pó; amigo, inimigo
Familiar, desconhecido
Não tenhas ilusões
Vaidade esquecida
Nova vida
Vida nova
O pó ficou na cova


Zé da Villa

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

De passagem

Morte

Todos os dias faço o meu trabalhinho
Ninguém leva nada, nem um bocadinho
É assim a vida de uma criatura
Do nascimento à morte há um intervalinho
Que devemos aproveitar com cuidadinho
Mal nos descuidamos, poem-nos numa sepultura

Saibamos aproveitar o tempo da nossa vida
Rentabilizando as horas da nossa lida
Deixemos nossa marca, um rasto de luz
Ajudando o semelhante mesmo desconhecido
Afastemos o mal, sarando alguém ferido
Desta maneira torna-se mais leve nossa cruz

A morte que nos mata, não leva mais ninguém
É sempre vencida, não a olhemos com desdém
Quando menos esperamos, ei-la à nossa frente
Ninguém saberá nunca quando virá ou vem
Cada um tem a sua, neste instante morre alguém
Para onde vou! Não sei. Deixo de estar presente

Todos um dia para a grande viagem partiremos
E nunca mais te verei, ou veremos
Deixo estas rimas, esta mensagem
Quem sabe num outro mundo não nos juntaremos
Para todo o sempre e com saúde nos amaremos
Morte… Saibamos esperá-la com coragem

Senhor quando chegar a minha hora
Perdoai este pobre pecador
Este Teu filho que Te ama e adora


Zé da Villa

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

O fogo

No ano 2003, a nossa região foi terrivelmente afectada pelo flagelo dos fogos, até ao dia sete de Agosto tinham ardido em Portugal cento e sessenta e dois mil hectares de mata, proprietários mais pobres, o país também. A erosão dos solos, as cheias, o aquecimento global…
São dessa época os versos que seguem.


A temperatura baixou, os fogos terminaram
Por agora…
É tempo de fazer balanço na fauna e flora
E às matas que os fogos queimaram

Montes e vales despidos
Sem nada a protegê-los
Passa o vento aos gemidos
Assassinos, grandes camelos

Por montes, vales e baixas
Tudo a chama e o lume levou
Foi-se a floresta, a terra ficou despida
O fogo, tudo destruiu e queimou

A ganância de alguns é tanta
Que tudo querem destruir
As serras sem a sua manta
Choram, choram; não podem rir

As televisões mostraram
Esta miséria sem igual
Casas, florestas, hortas, queimadas
Neste nosso Portugal

As aldeias ficaram mais pobres
Tudo, o fogo consumiu e levou
De negro e cinzas a montanha se cobre
O fogo, tudo comeu e matou

Tocam os sinos a dobrar
Reza-se ao Criador
Levam-se os mortos a enterrar
Os que morreram naquele horror

Do Violeiro à Enxabarda
Do Ingarnal a Oleiros
Muitos ficaram sem nada
Casas, hortas e palheiros

Gente que vivia da terra
Gente de paz e bem
Mais parece uma guerra
Tantos ficaram sem vintém

Senhores lá de Lisboa
Nossas gentes venham ver
Não têm nada, nem uma broa
Ficaram sem nada para comer

Gentes de Trás da Serra
Tendes na mata o sustento
Vencereis esta guerra
Com denodo e alento

No alto daquele monte
Vejo uma planta a nascer
Perto brota uma fonte
Que a ajuda a crescer

Já oiço os passarinhos
Com seu alegre chilrear
Construindo seus ninhos
No seu novo e belo lar

A montanha a pouco-e-pouco
Está novamente verdinha
Que nunca mais nenhum louco
A queime, deixando-a nuazinha

Todos juntos em união
Venceremos estas batalhas
Temos todos mais que razão
Não nos dêem mais migalhas

Se nos querem ajudar
Ponham as máquinas a trabalhar
Para a terra lavrar
A semente semear
A planta brotar
Crescer, crescer sem parar
Para o povo se alimentar
O ar se purificar
A ave nidificar
O animal se criar
A lareira aquecer o lar
O povo deixar de mourejar
E nunca mais o fogo voltar


Zé da Villa

domingo, 24 de julho de 2016

Os pecados capitais

São sete os pecados capitais
Pela gula vou começar
O glutão as iguarias sabe amar
Só pensa em comer e nada mais

O avaro é um doente
Só pensa em amealhar
Nunca tem nada para dar
Está sempre a pensar

A maneira de mais juntar
O avaro é mesquinho
É um pobre coitadinho
Só está bem a aferrolhar

Seu deus é o dinheiro
Qual rei midas ganancioso
É arrogante e vaidoso
O ouro está primeiro

O homem continua a amealhar
Idolatrando os bens materiais
Esquece que há muito mais
Para além do dinheiro para dar

Vale mais uma palavra só
Que toda a riqueza acumulada
AMAR, deve ser a mais cobiçada
Coitado do avaro, mete dó

A luxúria é o prazer carnal
Para ela só há sexualidade
Só pensa no sexual
É lasciva e imoral

A ira é odienta, rancorosa
Irosa só pensa na vingança
Nunca está bem, nunca se cansa
É uma alma descontrolada e furiosa

A inveja é invejosa
Sua própria bênção ignora
Cobiça o que não lhe pertence, até chora
Sempre foi e há-de ser cobiçosa

O invejoso cobiça o que não lhe pertence
Olha para o próximo maliciosamente
Só ele é que pode ser gente
Resumindo, é um doente

Batem à porta pausadamente
Alguém à porta bateu
Quem bate dessa maneira! Sou eu
O preguiçoso, o negligente

Afasta-te da minha casa imediatamente
Não quero vadios na minha morada
Aqui nunca terás entrada
Afasta-te da minha gente

A preguiça é desleixada
Lenta e negligente
Trabalho não é com essa gente
É uma doença lixada

Eis a soberba, a vaidade
Arrogante e orgulhosa
É uma senhora famosa
Não passa de uma nulidade

Ai de quem tem melancolia
São chatos, irritantes e violentos
Há-os para ai aos centos
Andam sempre com azia

Zé da Villa

quarta-feira, 15 de junho de 2016

Destino

Perguntei ao Destino
O que nos reserva o futuro
O Destino respondeu-me
Prevejo um tempo muito duro
Ao Destino perguntei
Qual o tipo de dureza
Respondeu-me; muita pobreza
Guerras, injustiças é o que sei
Destino; que desdita, má sorte
Dá-me também boas venturas
Só te posso anunciar as duras
Vão trazer muita tristeza e morte
Voltei a insistir
Destino, quero saber
Quem nos vai poder valer.
Tem fé; nova vida há de vir
Mais justa e fraternal
Humana e solidária
Feliz e igualitária
Em todo o lado e local
As guerras terminarão
Da face da Terra nessa altura
A vida vai ser menos dura
A paz, a harmonia, vencerão
Tens que ter compaixão,
Destino, tanto sofrimento.
Vais ver que a qualquer momento
Encontrarás uma solução
A semente para dar fruto
Tem primeiro que morrer
Para mais tarde renascer
E assim termina o luto
Zé da Villa

terça-feira, 19 de abril de 2016

A verdade

A verdade para mim
Pode ser para ti ou não
Depende da ocasião
Pode ser; assim, assim

A minha verdade pode ser
A verdade verdadeira
Ou uma verdade trapaceira
Depende de quem nela crer

Afinal quem terá razão?
A minha verdade é real
A tua também tem moral
Aceitemos as duas, irmão

A minha religião
Não é melhor, nem pior
Nem a tua é a maior
Aceitemo-las como são

A amizade e a fraternidade
Só se conseguem com amor,
É ele o grande motor
Da nossa sociedade

Onde está a verdade afinal?
Ninguém sabe certamente
Porque a minha é diferente.
Mas é ela a mola real

Seja em Portugal
Ou noutro local
A verdade total
Não existe, ponto final


Zé da Villa

terça-feira, 15 de março de 2016

Quadragésima

É entrudo
O povo diverte-se com tudo
Brinca à caqueira
Em São Vicente da Beira
A contra dança já lá vem
O arreda chocalhando, também
Joga-se a dinheiro,
Não sejas batoteiro
Lá vem a guarda
Não faz mal,
É carnaval

Ouçam: o entrudo estão chorando…

Não querem saber
Senhor Zé lendo um jornal
Não sabe escrever, nem ler.
Onde está o mal!

Onde está o mal!?
Tem o jornal ao contrário
Está armado em intelectual
É um pãozinho sem sal

Se vos apanho, velhacos
Faço o harmónio em cacos
Fujamos; ele traz na mão
Uma foice, ou um foição

Terminada a folia
O entrudo é enterrado
Era bom homem; coitado
Morreu cedo o desgraçado

Homem; és pó e a ele vais voltar
Acabou-se a folia
Jejua todo o dia
É a penitência que te vou dar

No terceiro domingo da quaresma…

Os irmãos franciscanos
Fazem a procissão penitencial
Participa gente de muito local,
Não se faz todos os anos

Há medida que cada andor vai saindo
Um pregador faz um pequeno sermão
É um frade da Ordem, um irmão
Depois, pelas ruas vão seguindo
Senhor Deus misericórdia…

Na igreja do Santo Cristo toca o sino
Chama o povo para a oração
Os garotos levam archotes na mão
Canta-se e reza-se ao Divino

Senhor Deus misericórdia…

Os martírios são cantados
Na praça junto ao pelourinho
Tudo muito afinadinho
Senhor, perdoa nossos pecados

Às almas do purgatório vamos rezar
Para que subam ao céu sem demora
Rezemos um Pai Nosso agora
Para que deixem de expiar

Senhor Deus misericórdia…

Hossana rei dos judeus
Grandes ramos enchem a igreja
Para que Jesus veja
Hossana, Senhor… adeus

Na quinte feira seguinte…

És o rei dos judeus! Diz-me por favor
Tu é que estás afirmando
Eis o homem… e o povo gritando
Cruxifica-O, é um impostor

Sexta- feira, às duas horas…

O Senhor dos Paços já lá vem
Com seu manto arroxeado
Com um madeiro mui pesado
Eis o apóstolo João e Sua Mãe

Com um pano que traz na mão
A Verónica limpa Seu rosto sagrado
O povo crente reza ajoelhado
E a banda toca a paixão

Seguem a caminho da crucificação
No calvário no madeiro é pregado
Para nos salvar do pecado
Perdão Senhor; és a nossa salvação

À noite realiza-se mais uma procissão
Num esquife amortalhado
Com um pano preto tapado
Vai o Senhor do caixão

Bendito e louvado seja
Cristo Salvador e Redentor
Morreu na cruz por nosso amor
Amen; assim seja

Aleluia; aleluia, Cristo regressou
A paz esteja com todos vós
Alegria, o Senhor vela por nós
Ao terceiro dia ressuscitou


Zé da Villa

sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

Futilidades

Demóstenes

Vou contar uma verídica história
Que se passou na Antiguidade
Numa grande e próspera cidade
Atenas; urbe de grande memória

Demóstenes o filósofo, discursava
Na grande praça central
A multidão passava e não parava no local
O povo distraído não lhe ligava

Atenienses; clamava irritado
Certo dia de muito calor e seca
Um rapaz alugou uma pileca
Para o levar a um determinado lado

Era a hora do meio-dia
Não havia sombra para o ir tapando
Aproveitou a sombra do burro e ia andando
O dono não gostou do que via

Eu aluguei meu burrinho
Não aluguei sua sombra benfazeja
Se a quiser aproveitar como deseja
Tem que me dar mais dinheirinho

Não acredito no que estou a ouvir
Diz o rapaz incrédulo e espantado
Ao alugar o burro sua sombra hei alugado
Nada mais tenho que pagar; disse o jovem a rir

Depois disto contado
Demóstenes desceu do púlpito
Perguntou o povo, de súbito
Que aconteceu ao coitado!

Então o grande orador
Para o céu os olhos voltou
Deuses, vejam como o povo se interessou
Por este conto balofo e sem grande valor

Assim é no tempo actual, de agora
Há interesse por futilidades
E lança-se o que é bom fora


Zé da Villa