Mostrando postagens com marcador quaresma. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador quaresma. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 23 de março de 2018

Somos pó


No tempo quaresmal, quadragésima, que culmina com a Ressureição de Cristo no domingo de páscoa, a Igreja convida os fiéis a praticarem penitência, através do jejum e da abstinência.
Antigamente, durante o tempo da quaresma, as telefonias passavam somente músicas sacras, clássicas, o povo nos campos entoava canções pungentes que recordavam a paixão do Senhor.
As danças eram proibidas; no meio da quaresma, realizava-se o baile da pinhata.
As imagens das igrejas eram tapadas com panos pretos ou roxos. Tempo de mortificação sacrificial.
Os povos, três dias antes da quarta-feira de cinzas, organizam folguedos, mascaradas, orgias… Comem-se as mais variadas carnes. É o carnaval
Não simpatizo com o carnaval. Gosto mais do nosso entrudo, porque é folgazão, gosta de pregar partidas, de mangar de alguém: Choras de entrudo
A intenção é a brincadeira, sem ofender; embora houvesse pessoas que não gostavam do que ouviam e não achavam graça nenhuma ao motejo e à piada.
Tempo da caqueira, da contra dança…
Nesses dias, o Santíssimo ficava exposto solenemente nas igrejas, durante quarenta horas. Os fiéis rezavam sem interrupção ao Santíssimo Sacramento. Os crentes permaneciam um determinado tempo joelhados rezando ao Senhor, pedindo perdão pelos desmandos que eram cometidos naqueles dias de carne vale. Outros entravam, substituindo os que lá estavam. Assim, durante quarenta horas, o Santíssimo era adorado e desagravado
Esta cerimónia recordava ao mesmo tempo as quarenta horas que Cristo esteve no sepulcro.

Comerás o pão com o suor do teu rosto, até que voltes à terra de onde foste tirado; porque tu és pó, e em pó te hás-de tornar. (Génesis-3,19)
Desde o nascimento, desde que começamos a respirar, até voltarmos à terra na fria e funda sepultura, a igreja tem com cada um de nós amorosos cuidados, todos somos frágeis.
A Igreja tem meios que nos podem fortalecer na fé nesta nossa caminhada terrena.
Toda a criatura regressa ao lugar de onde veio, transformando-se em nada, antes de… o que eramos! Depois de… voltamos ao esquecimento. Ficarão algumas lembranças, feitos; pequenas vaidades.
A quaresma começa por nos recordar como é curta nossa existência, através da imposição das cinzas que o sacerdote coloca sobre as nossas cabeças, dizendo ao mesmo tempo as fulminantes palavras que Deus disse um dia a Adão, quando o expulsou do maravilhoso jardim do Edem e o colocou no meio da terra inculta, selvagem: Lembra-te homem que és pó e que te hás de tornar em pó.
A imposição das cinzas ajuda-nos a recordar quão frágil e baixa é a nossa vida, do nada que somos enquanto seres viventes.
Quem é este homem, esta mulher que tanto se ensoberbece querendo dominar quem o rodeia, estendendo a sua ambição para si? Pavoneia-se com suas supostas qualidades, servindo-se delas para atingir seus fins.
Que somos nós, mesmo no auge da nossa felicidade? Ainda que estejamos investidos de púrpura rematada com fios de ouro, rodeados de pessoas influentes; o Senhor diz: Vaidoso, não passas de um pouco de pó. Um pouco de barro do campo, que o Criador moldou.
Todas as criaturas que vemos diante dos nossos olhos foram feitas com barro, matéria que já existia antes da criação do homem.
O Criador não fez o homem do nada, utilizou o barro, depois moldou-o para que o Homem por Ele criado, quando olhasse para os pés, desfizesse a soberba dos seus altivos pensamentos. Deus sabia muito bem quanto a elevação humana havia de enfunar, inchar as velas dos nossos fracos espíritos.
O Senhor sabia que o homem em vez de elevar os olhos para o céu, havia de se distrair com as futilidades do mundo, por isso formou-o da terra, porque a ela tornará. Com a morte, termina a soberba que carregamos, a cobiça, a calúnia; acabam todas as ambições deste mundo.
O Senhor adverte-nos para onde quer que vamos, olhemos, fala-nos ao ouvido, mas nós; fazemos ouvidos de mercador.
Lembra-te da tua origem: És pó.
Tu que te julgas um deus e muito mais que todos os outros homens a quem desprezas, não só no fundo do teu coração, mas ainda nas tuas orgulhosas maneiras com que tratas teu irmão, tu que te julgas formado de uma matéria mais preciosa que o ouro e o diamante, nada mais és que um pouco de barro.
Tu, jovem adolescente, menina mimada, confiada numa frágil e vã formosura, inchas cada vez que te olhas ao espelho, pensando que a tua beleza vai durar eternamente, não passas de uma pouca de terra animada que muito em breve se voltará a misturar com toda a terra.
És pó.
Tu ambicioso, insolente, avarento, agarrado ao teu tesouro do qual não te separaras fazendo dele o teu deus, sabe-se lá com que meios; nada mais és do que um pedaço de barro que ontem tomou forma e amanhã voltará à mansão comum da natureza.
Todos os que correm por caminhos duvidosos e difíceis abandonando a verdadeira fonte de águas vivas, chafurdando nas águas podres, fétidas, lodosas, cisternas corruptas, quão enganados estão.
Devemos trocar os bens terrenos, frágeis, caducos, bens transitórios e podres, pelos bens eternos.
Nós, mortais, somos assim, por isso a Igreja impõe as cinzas nas nossas cabeças para que recordemos quão frágil é nossa existência.
Quantos de nós aproveitamos as suas benesses? Não é aquele que reza e bate com a mão no peito dizendo: Senhor, Senhor…
Seremos esquecidos, as nossas vanglórias terminam no momento em que exalarmos o último suspiro.
Esquecemo-nos da baixeza da nossa existência, não temos noção do pouco tempo que dura nosso caminhar, num instante se desfaz a vida na terra. Esquecemo-nos que somos pó, que nos tornaremos em pó.
Não nos importa que a morte nos esteja a bater à porta gritando: Cuidado… Um destes dias tudo terminará para ti neste mundo.
Voamos nas asas dos nossos sonhos e quimeras.
Amanhã se nos procurarem, já não nos encontram.
Hoje somos, amanhã podemos já não ser.
A nossa vaidade, o nosso amor-próprio, a nossa loucura e todas as miseráveis paixões que nos rodeiam e embalam desde que saímos do berço, colocando as mãos nos olhos para não deixarmos entrar a luz eterna, verdadeira; preferimos gatinhar, caminhar na sombra das trevas
A morte, nunca baterá à minha porta, está longe
Esquecemo-nos daquilo que somos, ao mesmo tempo, este mundo feito de correrias, ilusões passageiras, arranja mil e uma artimanha para que percamos a memória de como a vida é tão breve e passageira.
Lembra-te homem que és pó.
A sociedade atual quer fazer-nos querer que a vida é para ser vivida com paixão, adquirindo cada vez mais bens. Cá ficarão, não levamos nada. Vemos desaparecer a toda a hora grandes deste mundo, familiares, conhecidos e amigos.
A morte não perdoa, não olha a idades, dignidades, potestades…
Meros espetadores, portamo-nos como se estivéssemos a ver a representação de uma trágica cena teatral. Quão cegos somos nós!
Acordemos desta letargia que nos tem acompanhado, voltando nosso olhar para a Luz eterna. Recordemos nossa origem humilde, barro; tão breve é a nossa vida, possamos dizer finalmente: Sou terra, sou pó. É chegada a hora de baixar a soberba, cortando pela raiz as nossas venenosas paixões.
Devemos cuidar mais da nossa alma imortal, centelha do Senhor, que nos anima e merece mais atenção. Desamarremo-la das amarras, deixando que ela nos conduza em direcção à Luz, para a companhia da morada eterna do Céu de onde veio.
Nunca esqueçamos que somos terra, não percamos nunca esta realidade para que possamos olhar unicamente para a nossa Pátria Celeste. Cada vez que formos tentados julgando que somos feitos com uma massa diferente, saibamos ser fortes e contrariar os ímpetos tentadores.
Pó e cinza; porque te ensoberbeces?
É difícil, verdade; principalmente num mundo em que aparentemente nada falta, mas se soubermos resistir vivendo a vida de acordo com a Sagrada Escritura, quando chegar a hora da partida, possamos afirmar: Combati o bom combate.
Nossa alma quando chegar à presença do Senhor possa ouvir: Entra, bendito de meu Pai! Vem habitar o reino que há muito te preparei.
Assim seja!

Ano do Senhor, 2018
J.M.S

segunda-feira, 13 de março de 2017

Mas doce ilusão

O dia chegará
Tudo terminará
Quando esse dia chegar
E tudo terminar
Os sinos tocarão
Dlim, dlão…dlim, dlão
Dentro de um caixão
Alguém te levará
Ao lugar do esquecimento
Ossos, cinza, terra, meu irmão
Nada mais, encontrarão

Carnaval, ilusão
Matrafonas, folia,
Três dias, dois dias, um dia
Foliões, ilusões
Máscaras, desnudos
Batuques, danças, entrudos
Piadas, engraçadas
Carne vale
Ninguém leva a mal

Recorda-te homem
Não és nada, pó
Só!?
Sim; pó, aleivosia
Até um dia, qualquer dia
Pó; amigo, inimigo
Familiar, desconhecido
Não tenhas ilusões
Vaidade esquecida
Nova vida
Vida nova
O pó ficou na cova


Zé da Villa

quarta-feira, 23 de março de 2016

Páscoa

A Páscoa dos cristãos, juntamente com a festa da Natividade, são as duas festividades mais importantes do calendário da Igreja.
A Natividade comemora o nascimento de Jesus, a Páscoa assinala a vitória da morte através da Sua ressurreição.
O tempo quaresmal recorda-nos os quarenta dias que Jesus viveu no deserto, onde passou privações de toda a ordem e foi tentado pelo demónio.
- Tudo isto Te darei se me adorares.
- Afasta-te de mim, satanás!
Durante quarenta dias, o povo crente jejua e faz penitência, é tempo de recolhimento.
 Antigamente as rádios, nomeadamente na semana maior, passavam música clássica, as folias terminavam na quarta-feira de cinzas.
A quaresma recorda-nos o sofrimento de Cristo até à sua morte na cruz.
A semana maior inicia-se Domingo de Ramos, com a entrada triunfal de Jesus e a Sua aclamação popular, na cidade de Jerusalém.
Quatro dias depois, o povo que o tinha aclamado condenou-O.
Interrogatórios, calúnias, e finalmente a morte na cruz.
Ao terceiro dia, Domingo de Páscoa, ressuscitou.
A Páscoa Judaica lembra a libertação do povo que esteve cerca de quatrocentos anos escravizado no Egipto. Os hebreus recordam também a passagem do anjo da morte pelas terras do Egipto. Nesse dia, o povo hebreu matou um cordeiro e com o sangue marcaram as portas, desta maneira o anjo passava. Nas casas que não tivessem o sinal, se houvesse nelas recém-nascidos, o anjo praticava a justiça…
É a festa da primavera, os hebreus assinalavam a Pessach, porque também se iniciavam as ceifas da cevada.
A Páscoa dos cristãos é um tempo de renovação, um tempo novo.
Através da Sua paixão e morte na cruz, Cristo redimiu-nos dos pecados e das tentações.

Jesus é o novo Cordeiro imolado, que libertou do pecado e da morte todos as criaturas que crêem na Sua ressurreição.


 Domingo de Páscoa, o senhor vigário percorria as casas do vicentinos benzendo-as e dando o Senhor a beijar a todas as famílias.
Os moradores das Quintas e do Caldeira recebiam o Senhor segunda-feira de Páscoa, o Casal no dia da festa da Santa Bárbara.
A Cruz florida simbolizava a vida, a ressurreição do Senhor. Cristo está vivo.


Ovos


Azeitinho das oliveiras de São Vicente


Açúcar



Aguardente


Envolve-se tudo muito bem, até a massa ficar rala, mas consistente


O forno está a ficar “branquinho”


Eis o produto final: são bolos da Páscoa de São Vicente da Beira


Esquecidos


Bolos de leite

Não há nada de novo, é só acrescentar mais um ponto e a história renova-se.
Para além da aguardente, açúcar e azeite, os nossos bolos levam também canela, leite, fermento…
Olhem, uma Páscoa feliz para todos!

J.M.S.