Mostrando postagens com marcador maria do carmo prata. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador maria do carmo prata. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

O nosso Natal

Tradicionalmente, os preparativos para o Natal em São Vicente da Beira iniciam-se algum tempo antes do dia 25 de Dezembro.
Os jovens que vão à inspeção militar reúnem-se ao som de uma corneta, e munidos de imensa força, coragem e ajuda de algumas máquinas, procuram nos pinhais e vales da Serra da Gardunha, os melhores e maiores madeiros para acenderem a fogueira. O que acontecerá no dia 24, antes da Missa do Galo.
A Missa é celebrada à meia noite, mas, durante o dia e antes da ida à Missa, há que preparar a Consoada e a Ceia de Natal.
É preciso amassar as filhóses, deixá-las levedar e depois fritá-las à lareira, acesa com lenha de oliveira, onde são colocadas as trempes e sobre elas a caldeira com o azeite ou óleo. As filhoses são tendidas no joelho e ao fritar são viradas com espetos feitos de paus de esteva.
Aproveitando o calor da lareira, está uma panela de ferro com água, onde serão cozidas as couves, as batatas e o bacalhau, que são servidos regados com o fino azeite e acompanhados com o bom vinho da região.
Depois da Consoada, vai-se à Missa, onde, no final, o Senhor Vigário dá o Menino Jesus a beijar. Enquanto os vicentinos, e não só, cantam os cânticos de Natal.

Da vara, nasceu a vara.
Da vara, nasceu a flor.
Da flor, nasceu Maria.
De Maria, o Redentor.

Alegrem-se os céus e a terra.
Cantamos com alegria.
Que já nasceu o Menino.
Filho da Virgem Maria.

Ó meu Menino Jesus.
Ó meu Menino tão belo.
Logo vieste nascer.
Na noite do caramelo.

Um entre muitos outros cânticos, que continuam a ser cantados junto à enorme fogueira, acesa no centro da Praça.
No regresso a casa é a Ceia. Faz-se o gró, (chá com aguardente), comem-se as filhoses, as fatias douradas e outras iguarias tradicionais nesta época.
Na manhã seguinte, os mais novos procuram, junto à chaminé, os presentes que o Menino Jesus deixou em cada sapatinho.
Ao longo dos anos, algumas tradições foram-se renovando e/ou alterando, mas o espírito natalício e a união familiar, mantêm-se vivos entre os vicentinos. Sempre!

M.ª da Luz Candeias

Nota: Texto publicado no livro "São Vicente da Beira - Vila Medieval", de Maria do Carmo Prata, 2001