Mostrando postagens com marcador fogueira de natal. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador fogueira de natal. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

Partidas de Natal


No meu tempo era a rapaziada que ia dar o nome nesse ano que se ocupava da fogueira. Pediam a quem tinha oliveiras, ou castanheiros, ou pinheiros velhos, e aos domingos de manhã iam cortá-los e acarretá-los para a Praça. E quando não tinham lenha que chegasse para armar uma fogueira como é dado, iam de noite roubá-la onde quer que a houvesse.
Foi o que aconteceu no meu ano. Chegou-se quase às vésperas do dia de Natal e o monte de lenha não era grande coisa. Já andavam até a murmurar que a fogueira ia ser fraca. E nós cheios de vergonha! Reunimo-nos todos e resolvemos que nessa noite havíamos de arranjar mais uma carrada de lenha, desse lá para onde desse. Um deles disse logo que na Devesa havia muita. O pior era arranjar um carro de bois, assim, à última da hora. Eu, que não era homem para me atrapalhar, disse logo:
- Deixai estar que do transporte trato eu. Ide lá para a frente que já lá vou a ter convosco.
Fui ao palheiro do pai da minha cachopa, peguei na junta de bois, aparelhei-a ao carro e fui ter com eles.
Arranjámos uma carrada tão grande de oliveiras e pinheiros que as vacas viram-se negras para subir a barreira. Mas o pior foi quando estávamos a descarregar; não sei como é que foi, o carro virou-se e o tiro partiu-se.
Àquela hora da noite estava tudo a dormir e não tínhamos ninguém que nos valesse. Não tive outro remédio que esperar pela manhã e ir a casa do ti Guilhermino e contar-lhe o sucedido. Ele até ficou amarelo e ainda quis, a modos, que ralhar comigo; mas a Ti Mari Zé voltou-se para ele e disse-lhe logo:
- Já não te alembras das partidas que fazias quando eras novo, pois não? E os teus filhos? Olha que também pregam das boas…
Doutra vez, já estava casado, saímos da Missa do Galo e fiquei eu, o meu sogro e o meu cunhado João à roda da fogueira. Às tantas, o velho começa a provocar:
- Esta rapaziada d’agora não tem planta nenhuma. Havia de ser no meu tempo e as galinhas e chouriças que já estavam a assar. Até a gente se lembia só com o cheiro!
E nunca mais se calava com aquilo. Tanto arrazoou que o meu cunhado puxa-me por um braço e diz-me assim:
- Anda cá que a gente já o chapa.
Fomos os dois ao capoeiro onde ele tinha as galinhas e pegámos na primeira que nos veio à mão. Metemos-lhe a cabeça debaixo da asa, e fomos direitos à taberna da Viúva, com ela debaixo do casaco. No fim, já assadinha, chamámos o Ti Guilhermino e foi comer e beber até às tantas. Até lhe lambemos os beiços.
Ao outro dia é que foram elas! A minha sogra tinha ido dar de comer à criação e deu por falta da galinha mais gorda e que mais ovos punha. Contou-o ao homem e ele viu logo quem tinha sido.
- Deixai estar, meus malandros, que haveis de ma pagar bem paga!
E a Ti Mari Zé:
- Não fazei caso do que ele diz, que no tempo dele até cabritos chegou a roubar!
Ontem fui à Vila, passei pela Praça e vi que a fogueira já está composta. Mas achei estranhos aqueles madeiros, tão diferentes dos de antigamente. Disseram-me que eram das árvores da Estrada Nova que tinham andado a cortar, a torto e a direito…
Haveria necessidade?

M. L. Ferreira

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

As prendas do Menino Jesus

Um lume bem forte na casa escura e fria, mais a barriguinha cheia de filhoses e só faltava a fogueira e o presépio, para ter reunida toda a magia do Natal. A fogueira avistava-se lá ao fundo, na Praça, cone de fogo de onde subiam luzinhas. O presépio era na Igreja, nessa noite ou na missa do dia seguinte, quando fôssemos beijar o Menino Jesus.
As prendas do Menino Jesus não estavam ao mesmo nível: dois ou três rebuçados de papel transparente, uns tostões… uma pelintrice que não merecia esperanças e por isso nem chegava a ser o pesadelo do Natal. Nada que se comparasse ao ritual das filhoses, autêntica orgia de luz, calor e sabores!
Aposto que foi por isso que, anos depois, o Menino Jesus foi despedido. Comparar o tempo do Menino Jesus com o tempo do Pai Natal é dizer que a fome é igual à abundância. O Menino Jesus foi o pobretanas que desiludiu as crianças durante décadas, talvez séculos. A mesma promessa renovada cada ano e nada, pior, quase nada. Uma parvoíce, isto de acreditar em prendas de um bebé acabado de nascer num curral, filho de gente que nem posses teve para ficar numa hospedaria.
Os anos 60 foram os últimos do Menino Jesus e depois o velhinho das renas tomou conta da entrega dos presentes. Notaram-se logo melhorias no serviço e, na década de 80, o Pai Natal relegou o Menino Jesus para o mundo das histórias da Carochinha.
Talvez esteja a ser injusto com o Menino Jesus, ele que encheu de alegria um Natal da minha infância. Em 1967, o meu pai chegou da França carregado de prendas. Trabalhava nas obras para um patrão de Lyon e ele ofereceu prendas aos filhos de todos os operários. Ele não, o Menino Jesus, ou melhor, o Pai Natal, quase de certeza, pois a França era um país rico!
Certamente trazidas da longínqua Lapónia e entregues ao patrão do meu pai, as prendas chegaram à Tapada mesmo a tempo do Natal. Ficou o Menino Jesus com a fama, quase de certeza imerecida, pois ainda não nos chegara a notícia da existência do Pai Natal. Mas o proveito foi da pequenada lá dos altos.
Um boneco para a Eulália. De olhos claros e cabelo loiros espetados, a minha prima Santita viu nele parecenças com o Pe. Tomás e chamou-se Tomás. Eu recebi um comboio eléctrico. Linhas, locomotiva, carruagens, fios, tudo. Alguém explicou que os fios se ligavam a uma coisa chamada electricidade e o comboio andava sozinho. Ligar os fios só se fosse nos buracos da parede da quelha, onde eu e os meus primos passámos tantas horas, de joelhos na terra. Chão alisado e sem pedras, linhas unidas e o comboio não parava, sempre às voltas, pelas nossas mãos. Havia passageiros, mercadorias, nada faltava, nem a electricidade.
Por causa deste comboio e pelos presépios daqueles tempos, fico-me em cada Natal com as histórias da Carochinha, melhor dizendo, do Menino Jesus, pois nunca o traí com o Pai Natal.

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Zé Nicho


O tempo fora de chuva, nos dias antes do Natal. Valeu à malta da inspecção ter começado cedo, em Outubro, a recolher troncos de castanheiro e sobreiro para a noite de Natal.
Era normalmente ao entardecer, depois dos trabalhos. Ouvia-se a corneta e todos sabiam que a rapaziada andava a tratar da fogueira do Menino Jesus. Os madeiros eram trazidos de tractor, já não em carros de bois, como nos anos passados. Arrumavam-se na Praça, a um canto, e monte crescia, até meados de Dezembro.
Mas depois deu em chover. Os chaparros, para atear os madeiros, já foram cortados a pingar.
No dia 24 de Dezembro, a malta das sortes andou todo o dia a montar a fogueira, no centro da Praça. Mas o desânimo lia-se nos rostos. Os madeiros estavam encharcados e de vez em quando caía um chuvisco ou mesmo uma pancada de água.
À noite, por volta das onze e meia, os rapazes convergem para a fogueira, armados de garrafões de vinho oferecidos por lavradores e de braçados de carqueija ou rama de pinheiro que cada um tinha em casa, resguardadas da chuva.
Abrem buracos no cone de lenha e enchem-nos de acendanhas. O fogo pega, mas logo esmorece. Mais rama seca. O fogo alastra, a malta anima-se, mas a chama não vinga.
Começam a chegar famílias, em fato domingueiro, para a Missa do Galo. Entram arreganhados, na Igreja, com a esperança de se aquecerem, à saída.
Homens e rapazes de anos anteriores ficam-se pela Praça, a apreciar como se desenrasca a malta da inspecção. Uns dão-lhes conselhos, outros atiram-lhes provocações. Alguns sentenciam que este ano não vai haver fogueira. Novas tentativas. A ala queima a caruma, mas não pega nos troncos e morre.
Aproxima-se mais um homem, vindo do lado da torre da Igreja. É baixo, sem ser pequeno. A magreza e o curvado do corpo apoucam-lhe a estatura. O rosto e as mãos estão enrugados e enegrecidos pelos rigores dos trabalhos passados e dos anos vividos.
Chega à fogueira e começa a esburacar. Os rapazes das sortes aproximam-se. Ele ranha-lhes de mansinho e eles obedecem-lhe. Algum mais folgazão dá-lhe uma palmada nas costas e elogia-o, em forma de agradecimento. Oferece-lhe um copo, mas ele recusa, concentrado no trabalho de abrir túneis por onde o ar tem de circular. O trabalho demora e o velho carvoeiro parece não ter pressa.
Mas o relógio da torre não se compadece. A uma hora aproxima-se e não tardarão a soar da Igreja os cânticos ao Menino Jesus.
A malta da inspecção afadiga-se, na esperança de ter fogueira à saída da missa. Depois, mesmo que o consiga, já será tarde.
Os túneis estão abertos. Os rapazes colocam lá dentro a rama de pinheiro e a carqueija, trazidas segunda vez por rapazes que tornaram a casa. A matéria seca pega fogo. A chama aguenta-se e vai entrando pela fogueira a dentro. Pouco arde por fora, mas no interior persistem focos de fogo, a adivinhar pela fumarada.
Já se ouve, na Igreja:

Alegrem-se os Céus e a Terra
Cantemos com alegria
Já nasceu o Deus Menino
Filho da Virgem Maria


E as pessoas começam a sair, a pouco e pouco, conforme beijam o Menino Jesus.
A Praça vai-se enchendo, todos envoltos no fumo que sai da fogueira. Alguns, a viver fora, já desabituados das lareiras, indignam-se por ficar com a roupa a cheirar a fumo e querem ir para casa, mas outros familiares teimam em ficar.
Pouco a pouco, o fumo da fogueira é substituído por alas de fogo que fazem crepitar os madeiros. Mais uns minutos e o cone negro torna-se um foco incandescente de luz e calor.
É tempo de festejar e o Ti Zé Nicho aceita aquele copo e muitos mais, ao longo da noite, que ainda é uma criança.
E canta-se. Primeiro o “Alegrem-se…” e depois:

Estava a cantar o Natal
À porta do capelão
Estava tão descansado
Que a Guarda deitou-me a mão
A Guarda deitou-me a mão
Vamos já daqui p´ra fora
São oitenta mil e quinhentos
Que saem do bolso p´ra fora


Qui tomba qui tomba
Qui dale qui dale
Toca na zamburra
Na noite de Natal


Cada um fica mais um pouco, uns minutos ou umas horas. O tempo preciso para se reabastecer de luz e calor, para mais um ano.



Conheci o Ti Zé Nicho nos anos da minha adolescência, pelos inícios dos anos 70, os desta crónica. Só o via uma vez por ano, precisamente nesta noite de Natal, e desconheço o seu nome completo e a que família pertencia. Morava nas cercanias da fonte de Santo António e chamava-se José, o que adivinho pelo diminutivo com que o identificávamos. Era carvoeiro e foi a sua sabedoria que garantiu o acendimento da fogueira de Natal muitas vezes, algumas presenciadas por mim.
No ano em que fui às sortes, com a malta de 1957, já teria falecido ou estaria doente, pois não me lembro dele, em redor da fogueira de Natal.
Este ano, o tempo anda igualmente invernoso e bem dava jeito à malta da fogueira tê-lo por perto. Mas os tempos também mudaram muito e agora há dinheiro para comprar combustíveis altamente inflamáveis, com que se regam os madeiros, em caso de necessidade.
Modernices, havia de ralhar o Ti Zé Nicho.