Mostrando postagens com marcador património. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador património. Mostrar todas as postagens

sábado, 29 de outubro de 2016

A azenha dos meus sonhos

Há muitos anos, a ribeira entre o Violeiro e Almaceda era um meio gerador de economia e subsistência para a população. Ao longo da ribeira havia azenhas, lagares e hortas. No entanto, com a emigração nos anos 60, foi ficando tudo ao abandono. E mais tarde os incêndios destruíram o pouco que ainda se mantinha, agora o que resta são as ruínas e a beleza da paisagem que se renova sempre.

No entanto, uma filha da terra (Violeiro), Ester Grohe, emigrante na Suíça, e o seu marido reconstruíram a azenha da família, sendo esta a última a ter ficado inativa. Viveram muitos percalços para recuperar tradição e o ofício do seu pai moleiro. Mas realizou o seu sonho!

E nos dias 22 e 23 de Outubro, organizou um convívio aberto a toda a população, para mostrar todo o processo, desde a moagem dos cereais até à cozedura do pão. Estiveram presentes os presidentes das juntas de freguesia de Almaceda e São Vicente da Beira e ainda o presidente da Câmara de Castelo Branco.

Era bom que houvesse mais iniciativas destas, para trazer vida às nossas aldeias e preservar costumes e tradições.








 Célia Francisco

sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

São Vicente da Beira

(…) Vou dar-te uma ideia, só a aceitas se achares que te pode servir
-Diz ó Pensamento.
Não sei como se tem portado a Memória, se já cedeu alguma coisa ou continua amuada sem abrir mão do quer que seja.
-Mesmo que me abra algum armário para me ceder algo, prefiro a tua ideia, não estou satisfeito com a atitude que anda a ter comigo, portanto…
Sei que és um defensor acérrimo da tua Pátria natal e pensei…
-Onde queres chegar com esta conversa?
Passo a explicar; a tua vila tem umas quadras muito bonitas que podias esmiuçar e começam assim:

Ó meu São Vicente amado
Tu és banhado pela ribeira
Tu és a terra mais linda
Para nós tu és a primeira

Cada verso teria uma fotografia para enfeitar o ramalhete, queres experimentar?
-Vamos a isso.

Que melhor local para começar senão este. É na igreja que se encontra guardada a relíquia de São Vicente, a tradição diz que, o osso que se guarda religiosamente na igreja foi ofertado por D. Afonso Henriques ao povo de Trans Serre. Então:

Ó meu São Vicente amado


Tu és banhado pela ribeira

A tua paisagem é deslumbrante, verdejante, por todo o lado jorram fontes, os regatos cantarolam de pedrinha em pedrinha para se irem juntar à ribeira tornando-a mais forte, és o nosso rio temeroso, caudaloso no inverno, bazofeiro no verão. Teu leito resume-se a alguns poços onde os aldeões colocam mangueiras para levar a água aos terrenos ressequidos, no teu leito corre um pequeno fio de água, mesmo assim és bela.
Não tens castelo é verdade; não precisaste nunca de muralhas. Os antepassados diziam: Nossos guardadores, vigilantes, estão sempre de atalaia, são os santos da nossa devoção. Santa Bárbara no campo, São Domingos no cimo da vila, Santo André no fundo da vila, e a Senhora da Orada na serra. Querem melhor!
Infelizmente as capelas de São Domingos, Santo André há muito que desapareceram, ficou o nome. A Santa Bárbara foi obrigada a mudar de local, como ficava a meio caminho entre o Sobral e São Vicente no dia da sua festa as duas comunidades não se entendiam lá muito bem.
Santa Bárbara é nossa; diziam os sobralenses. Isso é que era bom, a santinha é nossa retorquiam os vicentinos. O padre da vila aconselha as autoridades a tirarem a imagem da ermida. Anos mais tarde novo templo se ergueu no Casal. A ermida encontrava-se dentro dos limites de São Vicente. Então; amigos…
Não tinhas castelo! Não é verdade, situava-se no alto da serra, qual atalaia altaneira, o inimigo a léguas de distância já se vislumbrava. Há muito que ruiu, mesmo assim quem visitar o local descobre com facilidade bocados de panos da muralha.
Sem qualquer favor, salamaleque ou rapapé.


Tu és a terra mais linda, para nós tu és a primeira.


Em São Vicente fui gerado.

                               
Nesta pia fui batizado.


Nesta casa estudei; ó meu São Vicente amado.

Dando continuidade ao assunto em questão, digo:

Ó vila de São Vicente
Duas coisas te dão graça


É o  relógio a torre
                  

E o pelourinho na praça

Diria mais:

Ó vila de São Vicente

Tua gente tem talento  


É alegre


Religiosa
É uma vila formosa.      

E pronto.

J.M.S