Mostrando postagens com marcador câmara municipal de são vicente da beira. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador câmara municipal de são vicente da beira. Mostrar todas as postagens

sábado, 28 de maio de 2011

O nosso falar: porteiro

Nos séculos passados, a Câmara Municipal de São Vicente da Beira tinha um funcionário designado por porteiro, à semelhança das outras câmaras.
O porteiro anunciava as decisões camarárias, apregoava avisos, licitava, na praça, as arrematações que a Câmara fazia, aceitando o melhor lanço.
Nas suas deslocações pelo concelho, o juiz de fora, mas tarde designado por Presidente da Câmara, era sempre acompanhado pelo porteiro e pelo escrivão. Este registava tudo a escrito e o porteiro fazia os contatos com a população.
Poteiro talvez por apregoar nas entradas (portas) das povoações, nos locais onde melhor se fazia ouvir.

Até há poucos anos, desconhecia a existência deste funcionário camarário, mas sempre soube o que era um/uma porteiro/a: alguém que fala muito alto, desnecessariamente; uma criança ou adolescente com um choro berrado, sem haver justificação para tanta gritaria.
As mães ou os irmãos mais velhos punham água na fervura com a humilhação:
"Cala-te, seu/sua grande porteiro/a!"
"Fala baixo, seu/sua porteiro/a!"
"És um/uma porteirão/porteirona!"

Tudo isto, porque o/a berrão/berrona parecia o porteiro da Câmara, a gritar.

sexta-feira, 27 de maio de 2011

A mina da fonte de 1854

Como vimos na publicação "A fonte de 1854", do passado dia 14 de maio, vários moradores da Vila compareceram na sessão da Câmara de 6 de Agosto de 1854. Queixavam-se da falta de água na fonte. A vereação decidiu então fazer uma fonte nova.
Mas a obra não calou as reclamações dos moradores:

«Que tendo se concluido a obra da Fonte publica desta Villa aqual foi ordenada em Sessão de 6 de Agosto ultimo mas sucedendo ter faltado a agoa na dita Fonte do que se tem seguido aos habitantes desta Villa e que podendo haver algum incendio e não haver meios de o atalhar e tomando a Câmara em concideração as justas reclamações dos habitantes desta mesma Villa deliberou que se fizesse uma mina na rua da Costa ou em outra qualquer parte mais comoda e que seja indicada por pessoas inteligentes para deste modo se evitar as graves vexames que esta Povoação esta soffrendo com a falta d´agoa e que esta obra se puzesse a lanço (...) a sua despeza no orçamento.»
(Arquivo Distrital de Castelo Branco, Câmara Municipal de São Vicente da Beira, Actas, Sessão de 12 de Novembro de 1954, Livro 1850-1859, Maço 5)

O povo pedira água, deram-lhe uma fonte nova (embora seca), e ainda reclamava!!!

A obra da mina foi finalmente arrematada, no primeiro de Janeiro de 1855.
Ficou com a obra Manoel Francisco Junior, pelo valor de 850 réis ($850), tendo como fiador o porteiro da Câmara Manoel Francisco. Seria o pai do júnior?
Segue-se o auto de arrematação da mina da fonte. Clicar na imagem, para ler.


(Arquivo Distrital de Castelo Branco, Câmara Municipal de São Vicente da Beira, Termos de Arrematação, Livro 1848-1855, Maço 10)

Ainda é esta mina que alimenta a Fonte Velha. Começa a meio da rua da Costa e vai até sensivelmente à Corredoura. Tem uma entrada, na vertical, no alto da rua, quase na esquina da última casa, à esquerda de quem sobe.
O valor da arrematação da mina foi muito baixo para uma mina tão comprida. É provável que ela tenha sido prolongada mais tarde.

sábado, 14 de maio de 2011

A fonte de 1854

Chamava-se apenas fonte. Só em meados do século XX terá ganho o nome de Fonte Velha, para a distinguir das fontes de Santo António e de São João de Brito, entretanto edificadas na esquina da Rua Velha com a Rua de São Francisco e na Praça, respetivamente.
A Fonte Velha não foi construída no local onde se encontra, mas sim a norte do atual chafariz, imediatamente a seguir à esquina do muro da quinta da Casa Cunha.
Ficou abaixo do nível do chão, pois descia-se para ela, por dois degraus.
Albertino Moreira nasceu em 1920 e ainda se lembra da fonte naquele local. Depois, cerca de 1930, foi trasladada para onde se encontra.
Conta o Sr. Albertino Moreira que, nessa altura, havia uma outra fonte a sul do chafariz, chamada fonte Nossa Senhora de Fátima. Depois foi demolida.


A nossa Fonte Velha foi, pois, construída, no ano de 1854.
À sessão de Câmara de 6 de Agosto, compareceram «...varios moradores desta Villa requerendo a Camara que achando se quasi seca a fonte publica desta Villa requeriaõ a Camara providencias sobre um tao grande mal. A Camara tomando na devida concederaçaõ o exposto deliberou se passassem Editais para a arremataçaõ da dita obra para o dia treze do corrente vista a necessidade que a Povoaçaõ esta sofrendo pela falta de Agoas.»
(Arquivo Distrital de Castelo Branco, Câmara Municipal de São Vicente da Beira, Actas, Maço 5, Livro 1850-1859)

A obra foi arrematada a Antonio Joze de Báu, por 112$000 réis, sendo seu fiador Antonio Lopes Rondao, ambos de São Vicente da Beira. A fonte devia ter «...seo frontespicio e dois canos e chafaris...»
Segue-se o respetivo Auto de Arrematação. Clicar na imagem, para conseguir ler.
(Arquivo Distrital de Castelo Branco, Câmara Municipal de São Vicente da Beira, Termos de Arrematação, Maço 10, Livro 1848-1855)