Mostrando postagens com marcador jerónimo. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador jerónimo. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 9 de abril de 2010

Curiosidades Genealógicas

A minha visita pascal à Torre do Tombo permite deixar-vos alguns dados genealógicos, cuja importância vai para além das meras curiosidades.

Os Barroso
Não tenho notícias deles antes de 1785. Nesse ano, a 5 de Outubro, nasceu o filho de Joze Barrozo e Anna Leitoa, ele do Salgueiro do Campo e ela de São Vicente da Beira, mas residentes na Vila. A criança foi batizada com o nome de Antonio.
Tinha esperança de poder dar uma boa notícia aos meus amigos Barroso, mas depois surgiu-me outro pai Barroso, originário de Castelo Branco.
E como não há duas sem três, nos anos seguintes vieram casar à Vila mais dois Barroso, estes do Casal da Serra.
Sem mais consultas, desconhecemos qual a origem genealógica dos Barroso de S. Vicente da Beira e se descendem todos do mesmo ramo.

Os Hipólito
Hipolito de Jesus era soldado no Regimento de Cavalaria de Almeida, regimento já referido na publicação “A fortaleza de Almeida”, de 5 de Março de 2010. Estava casado com Brizida Maria da Trindade, natural de São Miguel d´Acha. O casal tinha residência na Vila, terra natal de Hipolito de Jesus, filho de Francisco Duarte Gallecho e de Maria Antunes, ambos também naturais de S. Vicente da Beira.
Tiveram uma filha, chamada Anna, nascida em 26 de Janeiro de 1788. Nos anos seguintes, foram registados outros filhos do mesmo casal, o que significa que o soldado fazia deslocações anuais ao ninho doméstico, facilitadas pela sua categoria de cavaleiro.
Anos depois, a 17 de Março de 1814, nasceu o Joze, filho de Joze Hipolito e de Anna Joaquina. Os avós paternos eram os já referidos Hipolito de Jesus e Brizida Maria da Trindade.
De pai para filho, o nome próprio tornou-se apelido familiar (o processo é o mesmo do apelido do nosso primeiro rei: Afonso Henriques, porque filho de Henrique). Pode ser esta a origem da família Hipólito, em S. Vicente da Beira. A partir destes dados, impõem-se novas consultas. Mas é possível que as pessoas desta família possam recuar até este José Hipólito, apenas com base na tradição/sabedoria familiar.

Os Candeias
Candeias havia muitos, sobretudo mulheres.
Um dia, um Candeias do Casal da Serra explicou-me que a sua família tivera origem numa bebé enjeitada, abandonada no dia de Nossa Senhora das Candeias e por isso se lhe chamou Candeias.
Também encontrei mulheres de apelido Candeias.
Francisco Vas Rapozo estava casado com Maria Candeias. Tiveram uma filha, chamada Maria, no dia 4 de Novembro de 1820. Uma Catherina, no dia 18 de Fevereiro de 1823, outra Catherina, a 4 de Julho de 1829, e uma Joaquina, no dia 23 de Junho de 1831.
Os avós paternos eram João Vas Rapozo e Ignes Maria. Os maternos chamavam-se Manuel Marques e Anna Candeias dos Santos.
Esta Ana Candeias dos Santos era filha de Teodósio Duarte da Póvoa da Atalaia, e de Maria das Candeias de S. Vicente da Beira. Nasceu-lhes uma neta (desta filha Ana), chamada Inês, em 1786.
Mas isto são só umas pontas…

Os Jerónimo
Hironimo Duarte (do Casal da Fraga) estava casado com Maria Antonia (do Sobral do Campo). O casal teve um filho, chamado Joze, nascido a 11 de Março de 1796.
Os avós paternos do Joze eram Manoel Rodrigues Fraga (do Casal da Fraga) e Luiza Maria (do Casal dos Ramos).
Os avós maternos eram do Sobral do Campo e traziam arrendado o Casal do Pisco ao Conde de São Vicente. Chamavam-se Antonio Mendes dos Reis e Custodia da Cruz.
Será esta a origem do apelido Jerónimo(Hironimo), de que também não existe notícia anterior a esta data? É bem possível, pois sempre os conheci ligados à terra e aos gados, tal como o pai e o sogro de Hironimo Duarte.
Por outro lado, o processo de formação deste apelido familiar seria o mesmo que, possivelmente, deu origem à família Hipólito e, de certeza, originou a família Teodoro. Desta, darei notícias.

Fiz a consulta na Torre do Tombo, Lisboa, em: Registos Paroquiais de S. Vicente da Beira, Baptismos, Microfilme 144, Item 1 (1784-1801), Item 2 (1801-1822), Item 3 (1822-1841) e Item 4 (1841-1851).
A partir de 1851, os Registos de Baptismos estão no Arquivo Distrital de Castelo Branco, em Castelo Branco, situado no bairro do Castelo, em frente ao antigo edifício da Câmara Municipal.