sexta-feira, 23 de julho de 2010

Hipólito Raposo 3

Aconselhamos a leitura do trabalho anterior, pois o que se segue vem na sequência daquele.

José Hipólito Vaz Raposo era filho de João Hipólito Vaz Raposo e de Maria Adelaide Gama, um casal de pequenos/médios agricultores, que já formara um filho padre, o Pe. Domingos Raposo, 12 anos mais velho que o José.
Terá sido pelos fracos recursos económicos que o José não frequentou uma escola que o preparasse para o ingresso num curso universitário. Em boa hora, pois os seus mestres particulares tão bem o prepararam que foi o primeiro na candidatura ao Curso Teológico, em 1903, no Seminário da Guarda.
Foram vários e sábios, os seus professores: o irmão Pe. Domingos Raposo, o tio Francisco, professor nos Escalos de Baixo, e um Pad´Zé.
Quem seria este? Não poderia ser o famoso Pad´Zé, de alcunha, grande boémico e militante republicano, natural de Aldeia de Joanes. Não foi este Pad´Zé, pois não chegara a padre e, por esses anos, andaria por Coimbra ou no seu exílio de São Tomé, a amadurecer o Reino para a Revolução Republicana de 1910.
O Pad´Zé referido por Pinharanda Gomes, possivelmente com base em informação da filha de Hipólito Raposo, só poderia ser o Pe. José Antunes David dos Reis, natural do Sobral do Campo e professor do Ensino Primário Complementar, em S. Vicente da Beira, nos últimos anos do século XIX e durante as primeiras décadas do século XX.
Era este padre de grande competência intelectual. Em 1890, integrou o júri dos exames de habilitação para o Magistério Primário Complementar, em Castelo Branco. Considerando que Hipólito Raposo realizou as provas de admissão ao Seminário da Guarda, no ano de 1902, podemos concluir que teve como mestre o Pe. David dos Reis, primeiro na Escola Primária Complementar e depois como professor particular.

Segue-se um trecho do terceiro capítulo da obra “Hipólito Raposo seminarista na Guarda (1902-1904)”, de Pinharanda Gomes:


A contenda com um professor

O caso Hipólito Raposo começou ainda no tempo do bispo D. Tomaz, quando o futuro autor integralista fez o exame de ingresso no Seminário. Ao chegar à Guarda, já o novo bispo, D. Manuel Vieira de Matos, teve de se confrontar com o ambiente gerado em torno de Hipólito Raposo. Nos exames de admissão, em Junho de 1902, o candidato a teólogo tivera uma disputa filológica com um dos professores, disputa essa da qual saíra vencedor, porque o professor se mostrara incapaz de redarguir. O episódio criou desde logo, em torno de Hipólito, uma aura em que despeito, admiração e temor se aliaram. Os alunos não admiravam tanto o saber do candidato como estavam perplexos face à coragem que ele mostrara em desafiar o respeito da disciplina, contestando, contra todas as normas e contra os hábitos comuns, a autoridade do professor.
Felizmente, Nuno de Montemór deixou-nos um testemunho deste episódio e das respectivas sequelas. (…)
«Quando Hipólito Raposo entrou no Seminário da Guarda a frequentar Teologia, estava eu no último ano do curso, mas conhecia-o já de há mais tempo por um facto de sensação.
Vira-lhe um dia o busto agigantado emergir da chusma negra de estudantes alvoroçados que a distância o rodeavam mudamente. Por todo o claustro, dezenas de mãos apontavam-no espavoridas, algumas lívidas de comoção, outras retraídas de inveja mal velada.
“Foi aquele! … Aquele alto! …”
E os dedos assestavam-se sobre ele, transidos de mistério.
Ao debandar das batinas, que foram reboar o eco do escândalo pelo silêncio dos corredores, avizinhei-me da sua figura tranquila, quase regozijada.
O caso fora realmente pavoroso, estupendo: o rapaz, sem ser chamado, levantara-se, pedindo licença, a impugnar uma afirmação do professor, e tão vitoriosamente erguera a discordância, que o mestre ficara vencido, de cabeça pendente na aresta da cátedra, como uma planta murcha torcida no bordo de um jarro exótico, sagrado …
Tinha ele então dezoito anos.
Ao voltar em Outubro seguinte ninguém esquecera o atentado irreverente.»
Prossegue Nuno de Montemór:
«Nos corredores discutia-se-lhe a idade, contavam-se-lhe as distinções, espiava-se-lhe o estudo, indagava-se-lhe da riqueza, e como transpirassem as suas tendências linguísticas, visto ele ter sido aluno externo, perguntava-se quem fora o seu mestre de latim… E assim se tornou uma figura discutida, agravando diariamente, por novas palavras, a nota de rebeldia.»
Tudo isto se passou em Junho (contestação de um professor em matéria filológica) e em Outubro de 1902 (o episódio narrado por Nuno de Montemór, em que Hipólito se tornou o alvo de todas as atenções). À primeira vista, e para os efeitos da tranquilidade disciplinar, esta situação não era benéfica para Hipólito. Ele fora causa de múltiplas ninharias, que, no contexto disciplinar, eram assumidas como factores de gravidade: professor desautorizado, sentido de necessária solidariedade do corpo docente, aluno tornado centro motivador dos condiscípulos, sujeito a risco de orgulho e vaidade; enfim, aluno fomentador de um clima de curiosidade e, sem querer, de intriga. (…)
Os três primeiros meses do ano lectivo de 1902-1903 foram, assim, de alguma perplexidade na comunidade seminarística. O mais certo era, havendo pretexto, Hipólito Raposo ser convidado a sair.
(...)




Hipólito Raposo concluiu o primeiro ano, em Junho de 1903, com distinção. Os seus mestres particulares haviam-no preparado bem, intelectualmente, mas não lhe tinham moldado o carácter, demasiado livre para se integrar numa instituição religiosa, naquela época.
Regressou a S. Vicente da Beira, tranquilo, mas dias depois o Padre Santiago(João Fernandes Santiago), pároco da vila, recebeu uma carta do bispo da Guarda, em que lhe era comunicado que Hipólito Raposo não seria readmitido no Seminário. O motivo era a falta de vocação. Mas havia que denegrir tão distinto aluno e, para isso, o Pe. Santiago fez constar, meses depois, que o bispo tinha um maço de cartas que Hipólito Raposo escrevera a uma senhora.
Hipólito Raposo indignou-se, contestou a expulsão e os motivos invocados, em várias cartas endereçadas ao bispo e aos seus ex-colegas seminaristas, publicadas, pelo autor, em “Folhas do meu cadastro”. Ninguém apresentou provas da existência das pretensas cartas que Hipólito Raposo endereçara a uma senhora.
Depois esteve no Real Colégio das Missões, em Cernache do Bonjardim, como aluno não matriculado, levado pela mão do Pe. António José Boavida, natural de Alpedrinha. Ingressou, de seguida, no Liceu de Castelo Branco, onde, em 1905, frequentava a quinta classe. Depois rumou para a Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra.

Um comentário:

Catarina H. Raposo disse...

Boa Noite,
Muito obrigada por partilhar este relato de rebeldia do meu Avô José Hipolito Raposo, gostei muito de ler.
Catarina (Hipolito) Vaz Raposo